Redação do Enem abordou a importância de falarmos sobre saúde mental

Discussão sobre o tema ainda enfrente estigmas e preconceito da sociedade

20/01/2021 - 13h52
Redação do Enem abordou a importância de falarmos sobre saúde mental

Foto: Alex Green/Pexels

No último final de semana o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) trouxe O estigma associado às doenças mentais na sociedade brasileira como tema central da prova de redação. A proposta veio de encontro à campanha do Janeiro Branco e mobilizou debates sobre o assunto. E uma das formas mais eficazes de se combater o preconceito e o tabu em torno desse tema é por meio de informação e conhecimento de qualidade. 

A saúde mental e emocional é uma pauta que precisa estar presente o ano todo, não apenas em datas específicas. Para Patrícia Teixeira, coordenadora do Observatório Juventudes PUCRS/Rede Marista, a escolha do tema foi muito pertinente: “interessante que a redação propunha uma elaboração interventiva de ações em respeito aos direitos humanos e promoção da vida. Adolescentes e jovens sinalizam alertas importantes diante do quadro social que vem impactando diretamente sua condição emocional e física. O repertório juvenil pede por atuações atentas, empáticas e conectivas, potencializando o ser, o conviver, o conhecer e o fazer de modo mais integral”. 

Para Adriana Evaldt, estudante da Escola de Humanidades PUCRS e membro do Grupo de pesquisa do Observatório Juventudes: “O impacto na saúde mental é presente, principalmente, na vida de adolescentes e jovens, sendo a questão de adoecimentos tão séria quanto de outras doenças já muito abordadas. Um exemplo visível e recente é o cenário de preocupação no período da pandemia”. 

Cuidado integral com a vida 

Em 2020, foi lançado o guia Saúde mental de adolescentes e jovens em contextos educativos: relações de cuidado humano, com o objetivo de apresentar um olhar informativo e interventivo, dedicado ao cuidado com a vida de adolescentes e jovens impactadas pelo contexto contemporâneo. A publicação foi elaborada pelo Observatório Juventudes PUCRS/Rede Marista com o apoio de profissionais da Assessoria de Proteção à Criança e ao Adolescente, Gerência Educacional dos Colégios da Rede Marista e Núcleo de Apoio Psicossocial da PUCRS. 

Para Simone Martins, supervisora educacional dos Colégios e Unidades Sociais da Rede Marista e integrante da equipe técnica de redação do guia, “o cuidado com a vida, em todas as suas dimensões, constitui-se princípio da proposta educativa. Os espaços de vivências, escutas e diálogos individuais ou coletivos, mediados pelo uso das tecnologias digitais contribuíram à manutenção de vínculos e das relações de cuidado humano no ano que passou e continuarão fazendo parte das intencionalidades pedagógicas a toda comunidade educativa, em 2021″. 

Promover vivências, formações, rodas de conversa e compartilhamento de informações são ações primordiais para que os estigmas sobre as doenças mentais sejam superados e que a sociedade possa, de fato, colaborar com o acolhimento e inclusão de todas as pessoas de forma natural e respeitando os direitos humanos. 

Leia também: Confira orientações para a realização da prova do Enem na PUCRS