Alunos da PUCRS ganham prêmio nacional com pesquisas feitas no InsCer

Os estudantes Francisco Lumertz e Lucca Pizzato Tondo estão entre os vencedores do Prêmio Jovem Neurocientista Raymundo Francisco Bernardes

03/11/2020 - 17h01
pós em medicina, neurologia, tomografia

Foto: Bruno Todeschini

Os estudantes Francisco Lumertz, aluno da Escola de Ciências da Saúde e da Vida da PUCRS, e Lucca Pizzato Tondo, graduando da Escola de Medicina, estão entre os vencedores do Prêmio Jovem Neurocientista Raymundo Francisco Bernardes. A premiação é promovida pela Sociedade Brasileira de Neurociências e Comportamento (SBNEC), a mais importante sociedade científica da área do País, e seleciona estudantes de graduação que desenvolveram estudos sobre temas de Neurociências e Comportamento.  

Os estudantes da PUCRS também são vinculados ao Instituto do Cérebro do Rio Grande do Sul (InsCer) e foram orientados pelo professor da Escola de Medicina e pesquisador do InsCerRodrigo Grassi. 

Leia também: InsCer: cuidado com a vida, inovação e pesquisa 

Possibilidade de recuperação de danos na memória 

A pesquisa Early environmental enrichment rescues memory impairments provoked by mild neonatal hypoxia-ischemia in adolescent mice, desenvolvida Francisco Lumertz, estudante do 10˚ semestre do curso Psicologia da PUCRS, investigou, por meio de experimentos pré-clínicos, se animais que passaram por hipóxia-isquêmia leve na infância conseguiriam recuperar os danos causados na memória ao passarem por um protocolo de enriquecimento ambiental na adolescência.

A hipóxia-isquêmia neonatal (falta de oxigenação no cérebro) é responsável por uma parte significativa dos casos de paralisia cerebral em recém-nascidos. Durante a pesquisa, o teste feito por Lumertz buscou verificar se o enriquecimento ambiental – basicamente ferramentas à disposição do animal para que ele possa explorar o ambiente – seria capaz de recuperar perdas do volume do hipocampo. “Nós observamos que os animais que passaram pela hipóxia-isquêmia e depois pelo enriquecimento ambiental conseguiram resgatar os prejuízos de memória”, avalia o estudante. 

Lumertz conta que conquistar o prêmio foi algo inesperado e reforçou a sua vontade de seguir na área de pesquisa, principalmente por ser aluno de iniciação científica. “O resultado é reflexo da orientação e apoio que o professor Rodrigo e o grupo todo me deram ao longo da graduação”, considera. 

Comprometimento do cérebro pelo uso de drogas 

alunos, inscer, pesquisa, prêmio

Lucca Tondo (esq.) e Francisco Lumertz

A outra pesquisa premiada foi a Diffusion Neuroimaging Evidence for White Matter Impairment in Cocaine Use Disorderrealizada pelo aluno de 8˚ semestre de Medicina Lucca Pizzato Tondo. O trabalho é parte de um estudo maior, realizado pelo grupo de pesquisa Neurociência Cognitiva do Desenvolvimento (DCNL), coordenado pelo professor Rodrigo Grassi. O estudo de Tondo considerou um assunto específico dentro da área de neuroimagem, levando em conta o comprometimento da substância branca por usuários de cocaína. 

A substância branca é a parte do cérebro responsável por conectar todas as regiões cerebrais. O estudante explica que os usuários participantes da pesquisa fizeram o exame de ressonância magnética no InsCer e, a partir dele, foi feita uma sequência específica que permite avaliar como está a integridade dessa substância branca. Entre os resultados encontrados, está a avaliação de que os usuários de crack possuem um comprometimento difuso de todos os principais tratos de substâncias brancas no cérebro. 

“Foi um grande privilégio apresentar esses dados diante de importantes neurocientistas brasileiros”, contou Tondo. O estudante ainda reforçou que é uma grande oportunidade para alunos de graduação poderem mostrar seus trabalhos em um evento científico de tamanha relevância no País.  

aluno da Escola de Medicina ressaltou a grata surpresa de ter sido agraciado com o prêmio, principalmente por ser relacionado a um estudo em desenvolvimento desde 2018. “Fiquei muito feliz de ver esse trabalho de dois anos sendo recompensado, ainda mais como estudante de iniciação científica. Eu tenho muito interesse na área de neurociência e na carreira científica e acadêmica, então foi um super estímulo”, concluiu Tondo. 

Nova estrutura para potencializar pesquisas

O Instituto do Cérebro do Rio Grande do Sul atua no desenvolvimento de estudos multidisciplinares e soluções na área da neurociência. Localizado no Campus da Saúde da PUCRS, o InsCer inaugura a obra de ampliação no dia 9 de novembro, data em que a Universidade completa 72 anos, reforçando e expandindo a atuação da PUCRS em benefício da sociedade. Saiba mais sobre o evento de inauguração clicando aqui.