Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul

Cursos,Especialização,Extensão,MBA,Idiomas,Educação,Vestibular,Pós-Graduação,Educação

Cursos

Graduação

Pós-Graduação

MBA

Vestibular

Balanço e proposições marcam a conclusão do Ciclo Preparatório ao Cres 2018

Iniciativa mobilizou dezenas docentes e pesquisadores ao longo de seis meses na PUCRS

11/05/2018 - 15h40
Ciclo Preparatório PUCRS 2017-2018, CRES,Maria Inês Côrte Vitória

Professora Maria Inês Côrte Vitória
Foto: Bruno Todeschini

Ciclo Preparatório PUCRS 2017-2018 para Conferência Regional da Educação Superior da América Latina e Caribe (Cres) – Unesco Iesalc teve nesta quinta-feira, 10 de maio, seu encerramento. O painel intitulado Propostas para a Educação Superior no marco dos 100 anos da reforma universitária de Córdoba foi apresentado pelos professores Maria Inês Côrte Vitória, gestora de avaliação da Assessoria de Planejamento e Avaliação (Asplan), e Alexandre Anselmo Guilherme, da Escola de Humanidades, com mediação da professora Adriana Kampff, diretora de Graduação. Ocorrida no 6º andar da Biblioteca Central Ir. José Otão, a atividade contou com a presença do reitor, Ir. Evilázio Teixeira, e do professor da Universidade Santiago de Compostela, Miguel Zabalza, que preside a Associação Ibero-americana de Docência Universitária e, no próximo mês de outubro, será contemplado com o título de Doutor Honoris Causa pela PUCRS.

No primeiro momento do evento, a professora Maria Inês apresentou uma síntese retrospectiva dos 100 anos de reforma universitária de Córdoba. O objetivo foi expor elementos que contribuíssem na elaboração de propostas e reflexões, valorizando o legado de educadores, cientistas e investigadores dedicados ao tema. Na reconstrução histórica, a docente destacou as “ideias-força” do reformismo universitário de 1918, sintetizadas em duas dimensões, Programática e Utópica. A primeira, trazia o princípio de participação estudantil, em paridade com a docente, nas decisões das universidades, bem como e autonomia dessas instituições como forma de soberania. Também incluía o aprofundamento da democratização, com uma reforma pedagógica, tendo o estudante no centro das iniciativas. Já na dimensão utópica, o desejo dos estudantes de mudar a sociedade ficou latente na valorização do latino-americanismo e anti-imperialismo, juvenilismo e velha geração. Na avaliação da docente, a dimensão Programática acabou sendo a mais presente ao longo do tempo.

A Educação Superior na AL dos anos 1960 aos anos 2000

Ciclo Preparatório PUCRS 2017-2018, CRES

Professor Alexandre Anselmo
Foto: Bruno Todeschini

Seguindo uma linha do tempo, Maria Inês apresentou os ideais que movimentaram os anos 1960 e 1970, as contradições entre expectativas e realidade de mudança frente aos EUA e Europa, e recordou autores como Darcy Ribeiro, no Brasil, e Risieri Frondizi, na Argentina, que refletiram sobre o legado reformista. Graficamente, a professora ilustrou com fotos das revoltas universitárias de 1968, na França e no Brasil, a forma de expressão dos estudantes naquele contexto.

Nas décadas de 1980 e 1990, com as novas problemáticas, categorias e atores no cenário latino-americano, houve a recuperação do debate sobre a universidade num formato diferente das décadas anteriores. Crises política e econômica, transição democrática, globalização e diminuição da força do ambiente acadêmico como espaço laboral concentraram as discussões nas Cres, alinhadas com órgãos internacionais, como o Banco Interamericano de Desenvolvimento. A Cres de Havana (Cuba), em 1996, trouxe novas perspectivas e mostrou desigualdades e carências da Educação Superior, a aumento dos estabelecimentos privados e do ensino a distância, bem como os desafios do novo contexto mundial.

Nos anos 1990, novos marcos legais, fundos de financiamento e o estreitamento da relação entre as Instituições de Ensino Superior o mercado produtivo mostraram um novo ambiente, também mais exigente à academia.  Na primeira década do século 21, houve o esgotamento do modelo neoliberal e o neo-intervencionismo estatal, mais pessoas ingressaram no Ensino Superior e, também, ocorreu a ampliação do movimento de internacionalização e de regionalização, voltando o olhar do continente para o continente. Também foram citadas as restrições financeiras e a ampliação de mecanismos de avaliação. No manifesto da Cres de 2008, em Cartagena das Índias (Colômbia), destacaram-se tópicos como a Educação Superior como direito humano e bem público social, além do debate universidade, democratização e inclusão educativa. Tratou-se, ainda, da revisão de políticas de ciência e tecnologia latino-americanas.

Propostas para Córdoba 2018   

Ciclo Preparatório PUCRS 2017-2018, CRES, Miguel Zabalza

Professor Miguel Zabalza
Foto: Bruno Todeschini

O professor Alexandre Anselmo, em sua intervenção, contextualizou as demandas e proposições do ano de 1918, manifestadas pelos estudantes na Conferência de Córdoba, avaliando que muitos dos aspectos se mantém atuais, como a importância da qualidade na relação docente-discente como forma de permanência do aluno; a coerência entre ensino e aplicação do saber; e a assistência social aos universitários, bem como autonomia das instituições.

O docente da Escola de Humanidades criou uma síntese com propostas a partir da fala dos onze painelistas nos seis encontros anteriores do Ciclo Preparatório, conforme segue:

1º Eixo – Desafios da Educação Superior

– Compromisso com a qualidade do Ensino Superior, combinando a missão institucional com as necessidades demandadas pela sociedade.
– Articulação da Educação Superior com a Educação Básica.

2º eixo – Desafios sociais

– Enfatizar o compromisso com a questão social, colocando o conhecimento a serviço da comunidade.
– Promover conhecimentos, visando resolver problemas relacionados ao desenvolvimento humano como a equidade nas dimensões social, econômica e científica e cultural.

3º eixo – Diversidade cultural e multicultural

– Desenvolver projetos educativos para incluir e aceitar as diferenças e a diversidade.
– Desenvolver projetos educativos visando educar para o mundo globalizado e preparar para interagir com a América Latina.

4º eixo – Tecnologia e Inovação

– Visar à integração universidade – sociedade – empresa.
– Desenvolver projetos educativos para a nova sociedade na nova economia.

5º eixo – Desenvolvimento Sustentável

– Desenvolver programas educativos voltados à sustentabilidade ambiental para professores, estudantes de graduação e de pós-graduação.
– Desenvolver projetos de pesquisa com foco no desenvolvimento sustentável com impacto local e regional (e global).

6º eixo – Internacionalização

– Enfatizar a importância da Internacionalização em Casa (IaH) e da Internacionalização do Currículo (IoC), visando a uma internacionalização completa da Universidade.
– Desenvolver projetos e conhecimentos conectados ao cidadão global, preparando-o para a nova sociedade e economia.

Uma análise de internacional

Ciclo Preparatório PUCRS 2017-2018, CRES

Ir. Evilázio Teixeira
Foto: Bruno Todeschini

Ao final das apresentações, o professor Miguel Zabalza foi convidado a fazer uma manifestação. Em sua fala, lamentou a redução do ambiente universitário como espaço de pensar, educar e investigar, enquadrando-se na lógica dos governos, que muitas vezes desvalorizam os pesquisadores e suas biografias. “Um investigador, hoje, somente é visto a partir dos conceitos que lhe são atribuídos pelas agências de fomento, independentemente de suas contribuições acadêmicas”, criticou. Em seu país de origem, a Espanha, disse que há um “stand by” emocional, no qual a universidade não é vista como um ambiente de alegria e entusiasmo, não sendo mais possível desfrutar o ato de ser professor. “Um dos trabalhos que temos pela frente é o de recuperar a alegria e a emoção dos professores. A universidade precisa retomar sua importância para a sociedade”, enfatizou Zabalza, repercutindo o sentimento de quem tem uma atuação voltada à formação de professores.

No desfecho das atividades, o Ir. Evilázio Teixeira pontuou que “o Cres é um posicionamento relevante do continente latino-americano frente ao cenário internacional que se apresenta”. Ainda complementou que existem aproximações importantes das IES locais com a Europa e os EUA, mas é preciso ampliar o relacionamento com os países da região (América Latina). Por fim, disse que “precisamos retomar os conceitos fundantes de uma universidade, como  comunidade e espaço de seres aprendentes”.

Sobre o Cres

O Ciclo Preparatório PUCRS ao Cres configurou-se num espaço de reflexão na comunidade acadêmica, entre novembro de 2017 e maio de 2018, abordando os temas centrais da Terceira Conferência Regional da Educação Superior da América Latina e Caribe (Cres) – Unesco Iesalc de 2018. O evento será realizado na Cidade de Córdoba, Argentina, em junho de 2018, a partir do qual serão levadas contribuições à Conferência Mundial de Educação Superior, da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco), prevista para 2019, em Paris (França). A comissão organizadora do Cres, agora, irá elaborar uma carta manifesto com as contribuições e reflexões da PUCRS sobre a Educação Superior.

Compartilhe

Outras notícias Veja todas as notícias

  • Últimas publicadas
  • Mais lidas