Estudantes utilizam realidade virtual na recuperação de pacientes do pós-Covid-19

Tecnologias auxiliam na reabilitação de pacientes com conteúdo interativo associado à outras práticas 

07/05/2021 - 14h56

Estudantes realizam estágio junto a professores e equipe de Fisioterapia do HSL trabalhando na recuperação de pacientes com diferentes patologias, como a Covid-19 / Foto: Lucas Vilella/HSLPUCRS/Divulgação

O Serviço de Fisioterapia do Hospital São Lucas da PUCRS (HSL), associado ao curso de Fisioterapia da Escola de Ciências da Saúde e da Vida da PUCRS, está aplicando um método inovador para a recuperação de pessoas internadas pelo Sistema Único de Saúde (SUS) com sequelas da Covid-19. A reabilitação acontece com o usde tecnologias como realidade virtual, ou Virtual Reality (VR)além de eletroestimulação muscular e treinamento muscular ventilatórioAssim, é trabalhada a retomada da força físicado controle e da coordenação motora além de aspectos lúdicos. 

Com a VR, são apresentados conteúdos interativos que simulam situações reais e do cotidiano como pescarias, escaladas em montanhas e caminhadas na praia. Segundo a professora e chefe do serviço no HSL, Flávia Franzdurante a imersão nessas cenas, a equipe trabalha exercícios funcionais associados aos vídeos que os/as pacientes estão assistindo. “Estimulamos assim, o paciente a elevar as mãos para jogar uma vara de pesca, subir até o cume, colocar os seus pés na areia e até caminhar à beira-mar. Tudo isso auxilia de forma importante na recuperação de sequelas”, explica. 

Junto à equipe de Fisioterapia do hospital, 18 estudantes do curso de Fisioterapia também realizam estágio na recuperação de pacientes com diferentes patologias, como a Covid-19. Coordenado pela professora Clarissa Blattner, o grupo do estágio curricular (com duração de três semestres) vivencia e aplica na prática o que foi aprendido em sala de aula. “O Serviço e a Universidade têm uma atuação integrada que possibilita esse tipo de experiência, enriquecendo a trajetória do aluno e o preparando de forma efetiva para o mercado de trabalho”, comenta Clarissa.  

O começo do projeto 

O projeto teve início após Clarissa propor o uso dos óculos de Realidade Virtual com o grupo de estudantes, há algumas semanas, e a partir disso, apresentou a ideia de implementar a atividade no hospital. No mesmo dia, um paciente em recuperação pós-Covid-19 utilizou o recurso e o retorno foi instantâneo. “Tanto a equipe como os alunos e professores ficaram encantados com o resultado. O que vimos foi a comprovação do que propõe a realidade virtual: a imersão e a interação, promovendo motivação para um trabalho de maior independência funcional aos pacientes”, conta Flávia. 

A fisioterapeuta ressalta que o paciente em questão logo ficou motivado a participar dos estímulos multissensoriais, como os visuais, auditivos e, sobretudo, emocionais. Clarissa acrescenta que com esse tipo de prática o processo de reabilitação se torna mais agradável para os/as pacientes: “apesar de não substituir outros processos inerentes à reabilitação, percebemos que além da vantagem física, a VR impacta na motivação e na adesão ao tratamento”. 

Após o início do projeto, que já atendeu muitas pessoas, o HSL adquiriu cinco novos óculos VR e entregou à coordenação da ação, para que mais pacientes possam utilizar o recurso simultaneamente. 

“Pescaria”, “caminhada na praia” e autoestima renovada  

A estudante Kellyn Gatto, que está no 9º semestre do curso de Fisioterapia, recorda o caso de um paciente de 72 anos que gostava muito de pescar e pode sentir novamente um pouco dessa paixão com o uso da Realidade Virtual. “Ele está internado desde dezembro e, para ajudar a sair um pouco do ambiente hospitalar, simulamos a prática da pesca. Ele pôde fazer o movimento de jogar a rede e puxar a linha, por exemplo, que ajuda a entreter e serve como motivação para realizar exercícios alternativos”, conta. 

Kellyn comenta que se interessou pela da Fisioterapia área ao acompanhar o tratamento do próprio avô, que teve câncer. Segunda ela, com a experiência de estagiar no HSL e atuar na recuperação de pacientes, pôde se aproximar do sonho de cuidar de outras pessoas. No futuro, a estudante espera realizar residência clínica, para trabalhar tanto com adultos quanto com crianças. 

Uma outra paciente utilizou a realidade imersiva na reabilitação após 75 dias de UTI e um quadro de 95% de comprometimento pulmonar causado pelo coronavírus, precisando de traqueostomia e de ventilação mecânica. Para ela, Flávia explica que a equipe utilizou imagens de praia e céu estrelado e lembra que a VR é uma ferramenta eficiente, mas não substitui as técnicas de reabilitação: 

“Com essa paciente, percebemos uma resposta muito significativa do controle cefálico e da motricidade fina, entre outros aspectos, na tentativa de interagir com o cenário. Hoje, ela já consegue controlar a cabeça, o tronco e apresenta simetria nos membros superiores, com maior coordenação. Além disso, notamos uma efetiva melhora em sua autoestima, pois, com esse controle, ela já consegue se comunicar de forma mais eficiente com a equipe e expressar seus sentimentos”. 

Saudade do ônibus e corrida simulada  

Foto: Lucas Vilella/HSLPUCRS/Divulgação

Outro caso relatado pela fisioterapeuta foi o de um paciente que passou 30 dias na UTI, também intubado, e que chegou a passar por uma traqueostomia após o intenso período de ventilação mecânica. Esse paciente relatou à equipe que era motorista de ônibus e que tinha muita saudade de dirigir. 

A equipe então carregou um vídeo de corrida de Fórmula 1 e o resultado foi emocionante. “Ele estava com a cabeça mais lateralizada para a esquerda com um déficit motor muito grande. Notamos imediatamente que ele começou a fazer os movimentos de direção com os membros superiores e a inclinar a cabeça para o outro lado nas ‘curvas’. Foi muito gratificante para a equipe perceber que, ao retirarmos o paciente do ambiente hospitalar, mesmo que figurativamente, passamos a ter um grande aliado no processo de reabilitação”. 

Atuação do Centro de Reabilitação 

Além do Serviço de Fisioterapia do HSL, a PUCRS também possui um Centro de Reabilitação (CR), um espaço de assistência integrada ao processo de ensino, pesquisa e extensão da Universidade. Com foco na atenção à saúde da pessoa como um todo, as ações programáticas do CR são interdisciplinares e também contam com a atuação de 21 estudantes do curso de Fisioterapia.