Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul

Cursos,Especialização,Extensão,MBA,Idiomas,Educação,Vestibular,Pós-Graduação,Educação

Cursos

Graduação

Pós-Graduação

MBA

Vestibular

Múmia egípcia de mais de 2,5 mil anos tem identidade confirmada por pesquisa

Iret-Neferet é de 768-476 a.C. e estava em museu de Cerro Largo, RS

29/05/2019 - 16h09
Tomografia Múmia, Inscer, Ir. Edison

Foto: Bruno Todeschini

A cabeça de uma múmia egípcia que chegou ao Brasil na década de 50 teve a confirmação de idade, sexo e origem em pesquisa realizada na PUCRS. Iret-Neferet (que significa “olho bonito”) viveu entre 768-476 a.C., segundo exame de radiocarbono (C14) realizado nos EUA.  Segundo a pesquisa, a cabeça é de uma mulher de 42 ou 43 anos, que viveu entre o final do Período Intermediário III (1070-712) e o início do Período Tardio (Saíta-Persa: 712-332 a.C.) do Egito. Conforme os resultados do exame de radiocarbono, a múmia deve ter entre 2.495 e 2787 anos. O material estava em um Museu de Cerro Largo, interior do Rio Grande do Sul. O estudo foi realizado pelo Grupo de Estudo Identidade Afro-Egípcias, da Escola de Humanidades da PUCRS.

Iret- Neferet é a primeira múmia do Brasil a ter idade confirmada cientificamente por exame de radiocarbono. “Iret-Neferet, a múmia egípcia de Cerro Largo, se eleva como tributo às múmias perdidas do Museu Nacional e da história, como símbolo perene do povo egípcio, que tem nas múmias suas raízes mais profundas” afirma o coordenador da pesquisa, professor Édison Hüttner.

A cabeça da múmia apresenta também um olho artificial no lado esquerdo, identificado por meio de tomografia realizada no Instituto do Cérebro do Rio Grande do Sul. O olho é composto de uma rocha carbonática de composição calcítica. A cabeça apresenta também uma perfuração sobre o osso etmoide (na altura do nariz), que foi realizada para a remoção do cérebro, procedimento utilizado na mumificação. Além disso, contém 22 faixas de linho que envolvem a cabeça, seda e fios de cabelo.

Como a múmia chegou a Cerro Largo?

A cabeça de Iret-Neferet chegou ao Estado entre as décadas de 50 e 60, como presente de um egípcio a um morador do município de Cerro Largo. No final da década de 70, o material foi doado ao Museu 25 de Julho, no mesmo município, onde permaneceu até 2018, quando foi trazido à PUCRS para ser estudado.

Múmias no Brasil

Outra múmia existente no país atualmente é Tothmea, que chegou dos EUA em 1995 e hoje está no Museu Egípcio Rosa Cruz de Curitiba (Paraná). As múmias do Museu Nacional do Rio de Janeiro foram queimadas em um incêndio no local, em 2018. Estas teriam sido trazidas por D. Pedro I e II no início e final do séc. XVIII.

Exposição ao público

A cabeça de Iret-Neferet estará em exposição gratuita e aberta ao público de 11 de junho a 28 de julho na Biblioteca Central Irmão José Otão, no Campus Central da PUCRS. A abertura ocorre no dia 11 de junho, às 19h.

 

Compartilhe

Outras notícias Ver todas

  • Últimas publicadas
  • Mais lidas