Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul

Cursos,Especialização,Extensão,MBA,Idiomas,Educação,Vestibular,Pós-Graduação,Educação

Cursos

Graduação

Pós-Graduação

MBA

Vestibular

Julián Fuks destaca importância atual da literatura de reflexão

Bate-papo estreou parceria entre TAG - Experiências Literárias e Instituto de Cultura

15/04/2019 - 17h14
Julián Fuks, literatura, Instituto da Cultura, Delfos, Biblioteca Central,

O autor abordou o impacto das redes sociais na literatura. Foto: Carol Vicari

O escritor paulista Julián Fuks lotou, na última sexta-feira, 12 de abril, o saguão da Biblioteca Central Ir. José Otão, quando defendeu, por mais de uma vez, o papel da literatura como um espaço de resistência e reflexão. O bate-papo, que estreou a primeira parceria entre a TAG – Experiências Literárias e o Instituto de Cultura da PUCRS, contou com a presença da escritora e colunista do jornal Zero Hora Julia Dantas e do escritor Reginaldo Pujol Filho.

Ao iniciar a conversa, respondendo sobre seu processo de escrita, Fuks contou que tende por dois caminhos em seus livros, o primeiro foca mais nas questões literárias de teoria e construção de romance. E, no segundo, o escritor gosta de dar destaque a questões políticas e como as reflexões de suas obras podem conversar com outros autores. “A literatura de distração não me interessa muito, o que me interessa é a literatura de reflexão. É possível tentar capturar um tempo sem datar os acontecimentos nem criar algo muito permanente”, argumentou. Mas, para as reflexões ganharem importância, ele acredita que a literatura precisa falar sobre sentimentos contemporâneos. Para ele, é preciso que o escritor esteja mais disposto a narrar sobre o tempo presente do que se propor a escrever sobre um futuro ou passado. “O que permanece na literatura? O que nós quereremos deixar para ser refletido? ”, perguntou o autor ao público presente.

Julián Fuks, literatura, Bibilioteca Central, Instituto de Cultura, Delfos

Julia Dantas, Julián Fuks e Reginaldo Pujol Filho. Foto: Carol Vicari

A travessia entre a ficção e a autobiografia

Para Fuks, o grande problema da literatura contemporânea de resistência é o narcisismo que certos escritores tendem a fazer, não conseguindo separar ficção de autobiografia. Para ele, as pessoas se importam tanto em escrever sobre si que esquecem de criar o outro. “É preciso entender que não só em nós mesmos conseguimos encontrar uma história persistente e interessante”, avalia.

Além disso, lembrou que tem sido cada vez mais comum os autores darem menos importância para os seus personagens. Alguns indícios dessa tendência é a criação de personagens com nomes em forma de siglas ou sem sobrenome. Mesmo destacando livros como Dom Quixote, em que o nome do protagonista está no título, acredita que essa prática tem sido cada vez menos comum.

A literatura de exposição

Quando questionado sobre o impacto das redes sociais na literatura, Fuks lembrou que as pessoas tendem a não mostrar tudo online. “Algo está sendo continuamente escondido quando a gente se expõem. A gente faz uma realidade e uma ‘persona’ online. A literatura tem o papel de expor o lado que ninguém vê“, ressaltou. “O que me incomoda é quando as pessoas falam do Eu, mas contando da tragédia alheia. Elas acabam precisando diminuir a voz do outro para falar sobre si mesmas”, comentou o escritor. Ele destacou que é preciso se aproximar das pessoas, mas sem deixar que o outro desapareça. Com isso, o escritor deu uma prévia sobre o seu próximo livro, em que pretende escrever sobre uma ocupação que conheceu em São Paulo.