Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul

Cursos,Especialização,Extensão,MBA,Idiomas,Educação,Vestibular,Pós-Graduação,Educação

Cursos

Graduação

Pós-Graduação

MBA

Vestibular

Exposição gratuita apresenta múmia egípcia ao público

Pesquisa da PUCRS confirmou identidade de Iret-Neferet

11/06/2019 - 08h00
Tomografia Múmia, Inscer, Ir. Edison

Foto: Bruno Todeschini

A cabeça da múmia egípcia que teve a confirmação de idade, sexo e origem em pesquisa realizada na PUCRS estará em exposição gratuita e aberta ao público a partir desta terça-feira, 11 de junho.   A abertura de Iret-Neferet, a Múmia Egípcia de Cerro Largo-Símbolos e Rituais de Mumificação será às 19h, no saguão da Biblioteca Central Irmão José Otão, prédio 16 do Campus (Av. Ipiranga, 6681 – Porto Alegre/RS). A mostra estará no local até 15 de agosto.

 

Além de Iret-Neferet, estarão expostos objetos e símbolos utilizados nos rituais de mumificação egípcios, provenientes dos museus Egípcio e Rosacruz de Curitiba (PR) e de Arqueologia Ciro Flamarion Cardoso (Ponta Grossa); imagens da história do Egito, e também banners com conteúdo produzido pelos pesquisadores.  A mostra tem curadoria e organização do coordenador do Grupo de Estudo Identidade Afro-Egípcias, da Escola de Humanidades da PUCRS, Edison Huttner; do diretor do Museu de Arqueologia Ciro Flamarion Cardoso, em Ponta Grossa (PR), Moacir Elias Santos e de Eder Huttner.

 

Tomografia Múmia, Inscer, Ir. Edison

Foto: Bruno Todeschini

Iret-Neferet 

A múmia recebeu dos pesquisadores o nome de Iret-Neferet (que significa “olho bonito”) e viveu entre 768-476 a.C., segundo exame de radiocarbono (C14) realizado nos EUA.  De acordo com a pesquisa, a cabeça é de uma mulher de 42 ou 43 anos, que viveu entre o final do Período Intermediário III (1070-712) e o início do Período Tardio (Saíta-Persa: 712-332 a.C.) do Egito. O material estava em um Museu de Cerro Largo, interior do Rio Grande do Sul.

Iret- Neferet é a primeira múmia do Brasil a ter idade confirmada cientificamente por exame de radiocarbono. Outra múmia existente no país atualmente é Tothmea, que chegou dos EUA em 1995 e hoje está no Museu Egípcio Rosa Cruz de Curitiba (Paraná). O Museu Nacional do Rio de Janeiro, que também tinha exemplares de múmias humanas, foi atingido por um incêndio em 2018.