Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul

Cursos,Especialização,Extensão,MBA,Idiomas,Educação,Vestibular,Pós-Graduação,Educação

Cursos

Graduação

Pós-Graduação

MBA

Vestibular

Charlas Schlee traz vida e obra do escritor e criador da camisa canarinho da Seleção

Professores e escritores compõem a mesa de conversas nesta quinta-feira, na Biblioteca Central

11/09/2019 - 14h39
Charlas Schlee,Aldyr Schlee

Aldyr Schlee / Foto: divulgação

A partir da exposição Uma Terra Só, em exibição no saguão da Biblioteca Central da PUCRS, o Instituto de Cultura recebe, no dia 12 de setembro, às 17h30min, o evento Charlas Schlee – Conversas sobre a vida e a obra de Aldyr Schlee. O bate-papo, aberto a público e com entrada gratuita, conta a participação de Maria Eunice Moreira, Luiz Antonio de Assis Brasil, Catia Goulart e Sergius Gonzaga.

Aldyr Garcia Schlee foi autor de 20 livros, sete deles de contos, como Contos de verdades, Contos de futebol e Os limites do impossível – Contos Gardelianos. Durante seus mais de 40 anos de carreira, dedicou-se a escrever sobre o Rio Grande do Sul e o Uruguai, buscando explorar a cultura e a tradição do Sul.

Além de escritor, Schlee ficou conhecido por fazer o design da camisa verde e amarela da Seleção Brasileira, em 1953, conhecida como a camiseta canarinho. Schlee também foi Doutor em Ciências Humanas e professor universitário de Direito Internacional, por mais de 30 anos, na Universidade Federal de Pelotas (UFPel), na qual fundou o curso de Jornalismo.

Em 1963, ganhou o Prêmio Esso de jornalismo por reportagem sobre o xisto betuminoso no Rio Grande do Sul. Recebeu duas vezes o prêmio da Bienal de Literatura e seis vezes o Prêmio Açorianos (pela tradução do livro Facundo, pelo conjunto de sua obra literária e pelos livros Contos de verdades, Limites do impossível, Don frutos e Contos da vida difícil).

Sobre a exposição

Com mais de 40 objetos, a exposição mergulha na alma e obra do escritor. Entre os objetos de Uma Terra Só, estão itens pessoais do autor, como obras de arte, retratos, fotos, livros, o seu Dicionário da Cultura Pampeana, a sua máquina de escrever original, os Prêmio Açorianos que recebeu, uma pedra vulcânica, uma âncora, entre outros. Gratuita e aberta ao público, a mostra segue até o dia 14 de setembro, na Biblioteca Central. Horários: de segunda a sexta das 7h35min às 22h50min e sábado das 7h35min às 17h30min.