Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul

Cursos,Especialização,Extensão,MBA,Idiomas,Educação,Vestibular,Pós-Graduação,Educação

Cursos

Graduação

Pós-Graduação

MBA

Vestibular

Curso de Nutrição

1. Dados do Curso
Curso: Nutrição Currículo Vigente: 3622
CARGA HORÁRIA 3225
CRÉDITOS 184
DURAÇÃO 8 semestres
TURNO tarde
VAGAS Vagas 1° semestre 60
Vagas 2° semestre --
DISCIPLINAS ELETIVAS: total de carga horária no curso 180
ATIVIDADES COMPLEMENTARES: total de horas no curso 105
ESTÁGIO: Carga horária total do Estágio 720
ATOS LEGAIS DO CURSO
Ato de aprovação do currículo em vigor (PUCRS) Resolução nº 4 Data 30/06/2011
Ato do último reconhecimento do curso (MEC) Portaria nº 822 D.O.U 02/01/2015
Diretrizes Curriculares Nacionais vigentes Resolução CNE/CES nº 5 D.O.U 07/11/2001
2. Perfil do Egresso

Os nutricionistas a serem formados pela PUCRS deverão destacar-se por um perfil profissional com as características a seguir:

  • Competência para serem agentes de mudanças sociais, comprometidos com a prevenção, promoção, proteção e reabilitação da saúde, tendo em vista o bem-estar individual e coletivo;
  • Competência para atuar em equipe multiprofissional, contemplando as necessidades sociais da saúde, com ênfase no Sistema Único de Saúde (SUS);
  • Competência para reconhecer a saúde como direito e atuar de forma a garantir a integralidade da assistência, em todos os níveis de complexidade do sistema;
  • Capacidade de tomar decisões, em função das condições de trabalho, a partir de uma avaliação adequada de cada situação;
  • Competência para o gerenciamento e administração de recursos humanos, materiais e da informação, caracterizando-se, nessa ação, pelo espírito de liderança;
  • Capacidade de reflexão, crítica e criatividade para que possam desenvolver suas potencialidades, em um processo de educação continuada;
  • Capacidade para assumir o papel de participantes em equipe interdisciplinar, no processo educativo e terapêutico, em prol da saúde individual e coletiva;
  • Atitudes éticas, responsabilidade e solidariedade a serviço da construção de uma sociedade mais justa e mais fraterna;
  • Capacidade de orientar pessoas com vista à prevenção das doenças oriundas do estilo de vida e à longevidade com qualidade de vida.Com essa proposta pretende-se formar profissionais generalistas com competência e conhecimentos que integrem as ciências sociais, econômicas, biológicas e da saúde com as ciências da alimentação e nutrição, bem como sua tecnologia.A organização curricular proposta está de acordo com as novas Diretrizes Curriculares para Graduação em Nutrição (Brasil, 2001) que prevê o desenvolvimento das seguintes competências e habilidades gerais e específicas, respectivamente:

Competências e habilidades gerais

  • atenção à saúde: os profissionais de saúde, dentro de seu âmbito profissional, devem estar aptos a desenvolver ações de prevenção, promoção, proteção e reabilitação da saúde, tanto em nível individual quanto coletivo. Cada profissional deve assegurar que sua prática seja realizada de forma integrada contínua com as demais instâncias do sistema de saúde, sendo capaz de pensar criticamente, de analisar os problemas da sociedade e de procurar soluções para os mesmos. Os profissionais devem realizar seus serviços dentro dos mais altos padrões de qualidade e dos princípios da ética/bioética, tendo em conta que a responsabilidade da atenção à saúde não se encerra com o ato técnico, mas sim, com a resolução do problema de saúde, tanto em nível individual como coletivo;
  • tomada de decisões: o trabalho dos profissionais de saúde deve estar fundamentado na capacidade de tomar decisões visando o uso apropriado, eficácia e custo-efetividade, da força de trabalho, de medicamentos, de equipamentos, de procedimentos e de práticas. Para este fim, os mesmos devem possuir competências e habilidades para avaliar, sistematizar e decidir as condutas mais adequadas, baseadas em evidências científicas;
  • comunicação: os profissionais de saúde devem ser acessíveis e devem manter a confidencialidade das informações a eles confiadas, na interação com outros profissionais de saúde e o público em geral. A comunicação envolve comunicação verbal, não-verbal e habilidades de escrita e leitura; o domínio de, pelo menos, uma língua estrangeira e de tecnologias de comunicação e informação;
  • liderança: no trabalho em equipe multiprofissional, os profissionais de saúde deverão estar aptos a assumirem posições de liderança, sempre tendo em vista o bem estar da comunidade. A liderança envolve compromisso, responsabilidade, empatia, habilidade para tomada de decisões, comunicação e gerenciamento de forma efetiva e eficaz;
  • administração e gerenciamento: os profissionais devem estar aptos a tomar iniciativas, fazer o gerenciamento e administração tanto da força de trabalho, dos recursos físicos e materiais e de informação, da mesma forma que devem estar aptos a serem empreendedores, gestores, empregadores ou lideranças na equipe de saúde; e
  • educação permanente: os profissionais devem ser capazes de aprender continuamente, tanto na sua formação, quanto na sua prática. Desta forma, os profissionais de saúde devem aprender a aprender e ter responsabilidade e compromisso com a sua educação e o treinamento/estágios das futuras gerações de profissionais, mas proporcionando condições para que haja benefício mútuo entre os futuros profissionais e os profissionais dos serviços, inclusive, estimulando e desenvolvendo a mobilidade acadêmico/profissional, a formação e a cooperação através de redes nacionais e internacionais.

Competências e habilidades específicas

  • aplicar conhecimentos sobre a composição, propriedades e transformações dos alimentos e seu aproveitamento pelo organismo humano, na atenção dietética;
  • contribuir para promover, manter e ou recuperar o estado nutricional de indivíduos e grupos populacionais;
  • desenvolver e aplicar métodos e técnicas de ensino em sua área de atuação;
  • atuar em políticas e programas de educação, segurança e vigilância nutricional, alimentar e sanitária, visando a promoção da saúde em âmbito local, regional e nacional;
  • atuar na formulação e execução de programas de educação nutricional; de vigilância nutricional, alimentar e sanitária;
  • atuar em equipes multiprofissionais de saúde e de terapia nutricional;
  • avaliar, diagnosticar e acompanhar o estado nutricional; planejar, prescrever, analisar, supervisionar e avaliar dietas e suplementos dietéticos para indivíduos sadios e enfermos;
  • planejar, gerenciar e avaliar unidades de alimentação e nutrição, visando a manutenção e/ou melhoria das condições de saúde de coletividades sadias e enfermas;
  • realizar diagnósticos e intervenções na área de alimentação e nutrição, considerando a influência sócio-cultural e econômica que determina a disponibilidade, consumo e utilização biológica dos alimentos pelo indivíduo e pela população;
  • atuar em equipes multiprofissionais destinadas a planejar, coordenar, supervisionar, implementar, executar e avaliar atividades na área de alimentação e nutrição e de saúde;
  • reconhecer a saúde como direito e atuar de forma a garantir a integralidade da assistência, entendida como conjunto articulado e contínuo das ações e serviços preventivos e curativos, individuais e coletivos, exigidos para cada caso em todos os níveis de complexidade do sistema;
  • desenvolver atividades de auditoria, assessoria, consultoria na área de alimentação e nutrição;
  • atuar em marketing de alimentação e nutrição;
  • exercer controle de qualidade dos alimentos em sua área de competência;
  • desenvolver e avaliar novas fórmulas ou produtos alimentares, visando sua utilização na alimentação humana;
  • integrar grupos de pesquisa na área de alimentação e nutrição; e
  • investigar e aplicar conhecimentos com visão holística do ser humano, integrando equipes multiprofissionais. (BRASIL, 2001).
3. Forma de Acesso ao Curso

FORMA DE ACESSO AO CURSO

O acesso aos cursos de graduação da Universidade dá-se mediante processo seletivo, com fundamento no Regimento Geral da PUCRS, cabendo à Câmara de Graduação e Pós-Graduação fixar as normas do referido processo.

Os candidatos aos cursos da PUCRS podem valer-se das seguintes modalidades de acesso: Concurso Vestibular, Vestibular Complementar, transferência, ingresso mediante diploma de curso superior ou PROUNI. Existe, também, a possibilidade de ingresso como estudante-convênio, dentro do limite de vagas estabelecido no respectivo convênio. A mudança de curso por reopção do aluno pode ser concedida, na existência de vaga, pelo Diretor da Faculdade a que está vinculado o curso pretendido.

O detalhamento das normas para o Concurso Vestibular é publicado por meio de edital, do qual se destacam os seguintes tópicos:

As inscrições ao Concurso Vestibular são oferecidas a candidatos que tenham concluído o ensino médio ou equivalente, ou a portadores de diploma de conclusão de curso superior oficial ou reconhecido.

O critério que orienta a seleção dos candidatos é a verificação de capacidades e habilidades intelectuais, nos níveis de conhecimento, compreensão, aplicação e análise. A prova de Língua Portuguesa consta de questões objetivas e de uma questão de redação. As demais provas são objetivas, com questões de múltipla escolha sobre conteúdos específicos. Todas as provas visam verificar as capacidades e habilidades intelectuais do candidato, sendo que, a cada candidato, numa dada disciplina, corresponde um escore bruto e um escore padronizado.

Devido à determinação expressa na Portaria MEC nº 391, de 7 de fevereiro de 2002, candidatos que obtiverem grau zero na redação estarão automaticamente eliminados do Concurso Vestibular. Assim sendo, o mínimo que o candidato deve obter para concorrer a uma vaga na Universidade é a nota 1.

Para cada candidato é calculada a média aritmética ponderada dos seus escores padronizados, considerando-se, para isso, os pesos indicados em tabela constante no Manual do Candidato, que variam de acordo com o curso escolhido. A classificação, visando ao preenchimento das vagas de um curso, é baseada na ordem decrescente das médias obtidas pelos candidatos. Se ocorrer algum empate e não houver possibilidade de aproveitar todos os envolvidos, o desempate será efetuado mediante o emprego da média harmônica dos escores padronizados.

Encerrado o prazo estabelecido para as matrículas de 1ª chamada do Concurso Vestibular e constatado o não comparecimento de candidatos classificados, serão chamados outros candidatos relacionados em lista de espera condicionada às vagas existentes, levando-se em conta os mesmos critérios de classificação já expressos.

No caso de existência de vagas remanescentes após concluído todo o processo de matrículas relativo ao Concurso Vestibular, será realizado Vestibular Complementar, independente, constituído de prova única de redação.

O preenchimento das vagas referente ao Programa Universidade para Todos (PROUNI), instituído pela Lei nº 11.096/2005, é feito com base na classificação do ENEM, fornecida pelo Ministério da Educação.

4. Sistema de avaliação do processo de ensino e aprendizagem

De acordo com o Regimento Geral da PUCRS, o sistema de avaliação define-se conforme extrato do artigo descrito abaixo:

Art. 68.  O aproveitamento escolar do aluno em uma disciplina, no semestre, é expresso por um grau de 0 (zero) a 10,0 (dez), com uma casa decimal, denominado G1.
§ 1o  A forma de obtenção do grau G1 é definida no projeto pedagógico do curso e no plano de ensino de cada disciplina.
§ 2o  O grau G1 é expressão da aprendizagem obtida por meio de instrumentos e procedimentos como um conjunto de verificações, exercícios, trabalhos teórico-práticos, projetos e/ou atividades, relatórios, de acordo com as peculiaridades da disciplina.
§ 3o  O docente responsável pela disciplina deve apresentar aos alunos, no primeiro dia de atividades letivas de cada semestre, os critérios e as modalidades de instrumentos de avaliação e a forma de cálculo para obtenção do grau G1, juntamente com o cronograma da disciplina.
§ 4o  Os critérios de avaliação e a forma de cálculo de obtenção do grau G1 não podem ser alterados durante o semestre.

5. Estágio Curricular

As disciplinas de Estágio Supervisionado em Alimentação Coletiva, Estágio Supervisionado em Nutrição na Saúde Coletiva e Estágio Supervisionado em Nutrição Clínica são teórico-práticas e prevêem a modalidade semipresencial, sendo desenvolvidas ao longo do VI, VII e VIII semestres, respectivamente. A carga horária presencial incluirá o acompanhamento e as orientações do professor/orientador/supervisor ao aluno/grupo de alunos. Toda atividade desenvolvida em campo de estágio deverá ser totalmente presencial e as orientações relacionadas ao trabalho final de estágio e ao relatório terão carga horária presencial e a distância. A carga horária total dos estágios no curso de Nutrição é de 720 horas. As atividades realizadas a distância propiciarão a troca de experiências e saberes entre alunos e professores supervisores, através da elaboração, produção, discussão e revisão do trabalho final da disciplina, do relatório de atividades diárias e do relatório final, assim como a revisão de conteúdos específicos conforme as necessidades dos alunos, com o apoio de ferramentas de educação on-line.
Nestas disciplinas, o aluno deverá desenvolver as atividades pertinentes à atuação do nutricionista. A inserção e atuação do aluno nos processos de trabalho, em campo de estágio, implicam planejamento, avaliação e implantação das ações assistenciais, gerenciais, de ensino e de pesquisa. Tais ações deverão ser desenvolvidas em consonância com as necessidades do contexto do campo de estágio e com os objetivos de ensino e de aprendizagem da FAENFI.

O Estágio Supervisionado em Alimentação Coletiva, com carga horária de 240 horas, será desenvolvido em Unidades de Alimentação e Nutrição, possibilitando ao aluno a vivência de situações concretas do exercício profissional do nutricionista relacionada ao gerenciamento em alimentação para a coletividade, fundamentadas nas teorias gerais da administração, aplicadas à gestão de equipes de trabalho, gestão de recursos materiais, de equipamentos e financeiros, bem como a avaliação do dimensionamento e das instalações de área física e dos processos na previsão, recebimento, produção, distribuição e controle de alimentos em consonância com a segurança alimentar.

O Estágio Supervisionado em Nutrição na Saúde Coletiva, com carga horária de 240 horas, será desenvolvido na Rede Básica de Saúde e na comunidade, possibilitando ao aluno a atuação em equipe, capacitando-o para uma intervenção interdisciplinar, analítica, crítica, investigativa e prepositiva no âmbito da Política Nacional de Alimentação e Nutrição (PNAN) e do Sistema Único de Saúde (SUS). Visa proporcionar uma integração entre trabalho e educação, bem como a articulação entre o biológico, o humano e o social.

O Estágio Supervisionado em Nutrição Clínica, com carga horária de 240 horas, será desenvolvido em hospitais gerais e especializados, e em ambulatórios, proporcionando ao aluno oportunidades para a reflexão crítica, a partir da realidade e da relação entre a teoria e a prática, vivenciadas em unidades de assistência clínica em nutrição, gerenciando com propriedade as situações apresentadas na prática assistencial, contribuindo para a melhoria da qualidade de vida do paciente.
Essas práticas profissionais intensificam as intervenções de nutrição em contextos condizentes com a realidade da população brasileira.

Os estágios das referidas disciplinas serão desenvolvidos sob a orientação e supervisão dos professores nutricionistas.

NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM NUTRIÇÃO

CAPÍTULO I
DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

Art. 1o  A presente Norma tem por finalidade normalizar as ações relacionadas às disciplinas de Estágio Supervisionado em Alimentação Coletiva, Estágio Supervisionado em Nutrição na Saúde Coletiva e Estágio Supervisionado em Nutrição Clínica, do Curso de Graduação em Nutrição, da Faculdade de Enfermagem, Nutrição e Fisioterapia (FAENFI), da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS).
Art. 2o  O estágio supervisionado se caracteriza por atividades teórico-práticas de exercício profissional, de caráter obrigatório, previstas nas Diretrizes Curriculares dos Cursos de Graduação em Nutrição (SESu/MEC), realizadas em situações concretas de trabalho, em serviços de alimentação, de saúde e comunidades, sob a responsabilidade da instituição de ensino. Constitui requisito indispensável para a colação de grau.
Art. 3o  As disciplinas de Estágio Supervisionado em Alimentação Coletiva, Estágio Supervisionado em Nutrição na Saúde Coletiva e Estágio Supervisionado em Nutrição Clínica estão vinculados ao Curso de Graduação em Nutrição da FAENFI.
Art. 4o  As disciplinas de Estágio Supervisionado em Alimentação Coletiva, Estágio Supervisionado em Nutrição na Saúde Coletiva e Estágio Supervisionado em Nutrição Clínica são coordenadas por um (a) dos (as) professores (as) que ministram as referidas disciplinas.
Art. 5o  O objetivo do estágio supervisionado é proporcionar aos alunos do Curso de Graduação em Nutrição, a complementação da formação acadêmica através de vivências nos campos da prática profissional do (a) nutricionista.
Art. 6o  O estágio supervisionado é desenvolvido através das disciplinas de Estágio Supervisionado em Alimentação Coletiva, Estágio Supervisionado em Nutrição na Saúde Coletiva e Estágio Supervisionado em Nutrição Clínica, no VII e VIII Nível respectivamente, do currículo do Curso de Graduação em Nutrição da FAENFI, totalizando 720 horas.
Parágrafo único.  As disciplinas de Estágio Supervisionado em Alimentação Coletiva, Estágio Supervisionado em Nutrição na Saúde Coletiva e Estágio Supervisionado em Nutrição Clínica contam com sistema próprio de planejamento, desenvolvimento, supervisão e avaliação, integrados aos pressupostos do Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em Nutrição.

CAPÍTULO II
DA COORDENAÇÃO DAS DISCIPLINAS ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM ALIMENTAÇÃO COLETIVA, ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM NUTRIÇÃO NA SAÚDE COLETIVA E ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM NUTRIÇÃO CLÍNICA

Art. 7o  São atribuições do (a) professor (a) coordenador (a) das disciplinas de Estágio Supervisionado em Alimentação Coletiva, Estágio Supervisionado em Nutrição na Saúde Coletiva e Estágio Supervisionado em Nutrição Clínica:
I – coordenar a elaboração dos planos de ensino das disciplinas de Estágio Supervisionado em Alimentação Coletiva, Estágio Supervisionado em Nutrição na Saúde Coletiva e Estágio Supervisionado em Nutrição Clínica;
II – elaborar, organizar, manter e atualizar o ambiente virtual das disciplinas de Estágio Supervisionado e, juntamente com os demais professores, corrigir as atividades propostas neste ambiente;
III – coordenar, juntamente com os professores da disciplina, a previsão de participação dos mesmos em congressos e a organização interna da disciplina;
IV – propor, juntamente com os (as) professores (as), com o (a) coordenador (a) do Curso de Graduação em Nutrição e com os (as) nutricionistas dos campos de estágio, os locais para realização do estágio supervisionado;Distribuir, juntamente com os (as) demais professores (as) de Estágio Supervisionado em Alimentação Coletiva, Estágio Supervisionado em Nutrição na Saúde Coletiva e Estágio Supervisionado em Nutrição Clínica, as vagas existentes nos campos de estágio, observando os interesses por áreas de estudo e respeitando o coeficiente de aproveitamento do (a) aluno (a) nas disciplinas já cursadas;
V – elaborar e encaminhar, aos (às) professores (as), as fichas de registro de freqüência e de avaliação das disciplinas de Estágio Supervisionado em Alimentação Coletiva, Estágio Supervisionado em Nutrição na Saúde Coletiva e Estágio Supervisionado em Nutrição Clínica;
VI – providenciar padronização de documentos relativos à apresentação de alunos (as) e professores (as) em instituições para realização do estágio supervisionado;
VII – convocar, sempre que necessário, reuniões com os (as) professores (as) e/ou alunos (as) matriculados (as) nas disciplinas de Estágio Supervisionado em Alimentação Coletiva, Estágio Supervisionado em Nutrição na Saúde Coletiva e Estágio Supervisionado em Nutrição Clínica;
VIII – entregar à coordenação do curso de Graduação em Nutrição da FAENFI, as avaliações dos alunos, da disciplina e as fichas de registro de frequência preenchidas e assinadas;
IX – avaliar permanentemente, em conjunto com o corpo docente, as estratégias utilizadas, propondo mudanças sempre que necessário;
X – manter, na coordenação do Curso de Graduação em Nutrição, arquivo atualizado com os projetos do estágio supervisionado em desenvolvimento;
XI – organizar reunião com os (as) nutricionistas (as) dos campos de estágio;
XII – cumprir e fazer cumprir estas Normas.

CAPÍTULO III
DA SUPERVISÃO ACADÊMICA

Art. 8o  O estágio supervisionado é desenvolvido sob a orientação e supervisão dos professores (as) das disciplinas de Estágio Supervisionado em Alimentação Coletiva, Estágio Supervisionado em Nutrição na Saúde Coletiva e Estágio Supervisionado em Nutrição Clínica, ora denominada supervisão acadêmica e com a efetiva participação dos (as) nutricionistas (as) do serviço onde se desenvolve o referido estágio.
Art. 9o  O (a) supervisor (a) acadêmico (a) tem, entre outros, os seguintes deveres específicos:
I – participar das reuniões de planejamento e avaliação da disciplina, discutindo e propondo estratégias e modificações necessárias;
II – participar de atividades no Ambiente Virtual de Ensino e Aprendizagem propostos para a disciplina e para que isto ocorra, este deverá ter realizado com sucesso a Oficina Moodle oferecida pela PUCRS Virtual e o curso de Concepções Pedagógicas do Modelo Semipresencial da PUCRS oferecido pelo CTE/PROGRAD;
III – orientar seus (as) alunos (as), conforme cronograma das disciplinas atinentes ao estágio supervisionado do Curso de Graduação;
IV – aprovar os projetos de estágio supervisionado e o relatório de estágio;
V – supervisionar e avaliar o (a) aluno (a) em campo de estágio supervisionado;
VI – cumprir e fazer cumprir estas Normas.

CAPÍTULO IV
DA REALIZAÇÃO DO ESTÁGIO CURRICULAR

Art. 10.  O estágio supervisionado é realizado em unidades de alimentação e nutrição, hospitais gerais e especializados, ambulatórios, rede básica de serviços de saúde e comunidade de Porto Alegre, exigindo-se a colaboração de convênio da FAENFI/PUCRS, em conformidade ao artigo 13 da Lei nº 8666/93.
Parágrafo único – Os estágios supervisionados a serem realizados em outros municípios serão analisados, individualmente, pela coordenação da disciplina e coordenação de curso.
Art. 11.  No estágio supervisionado é prevista a participação de um nutricionista da instituição conveniada;
Art. 12.  O estágio supervisionado prevê a realização, pelo (a) aluno (a), de um relatório de estágio supervisionado, que poderá ter formatos diferentes, de acordo com o supervisor acadêmico.

CAPÍTULO V
DOS LOCAIS PARA REALIZAÇÃO DO ESTÁGIO CURRICULAR

Art. 13.  Os locais para a realização do estágio supervisionado devem estar previamente conveniados com a Faculdade de Enfermagem, Nutrição e Fisioterapia e atender aos seguintes requisitos:
I – proporcionar vivência efetiva de situações concretas de trabalho, dentro do campo profissional, de acordo com a Lei do Exercício Profissional;
II – possibilitar aprofundamento dos conhecimentos teórico – práticos;
III – contar com infra-estrutura compatível com o objetivo do estágio, em termos de pessoal, material e ambiente;
IV – possuir nutricionista em seu quadro funcional.

CAPÍTULO VI
DA SUPERVISÃO LOCAL

Art. 14.  O estágio supervisionado conta com a participação efetiva do(a) nutricionista do serviço, ora denominada supervisão local, indicado(a) por meio da coordenação do serviço;
Art. 15.  O (A) nutricionista do serviço é responsável pelo acompanhamento do (a) aluno (a), exclusivamente durante a sua jornada de trabalho na instituição conveniada.
Art. 16.  A atividade de acompanhamento de aluno (a) em estágio curricular obrigatório não configura vínculo empregatício com a instituição de ensino.
Art. 17.  São atribuições do nutricionista do serviço ou supervisor local:
I – fornecer informações e participar da delimitação das estratégias do estágio supervisionado;
II – aprovar preliminarmente o relatório de estágio supervisionado;
III – supervisionar o (a) aluno (a) durante o estágio;
IV – participar das reuniões com o supervisor acadêmico, preferencialmente no seu horário de trabalho.

CAPÍTULO VII
DOS (DAS) ALUNOS (AS) MATRICULADOS NAS DISCIPLINAS DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM ALIMENTAÇÃO COLETIVA, ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM NUTRIÇÃO NA SAÚDE COLETIVA E ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM NUTRIÇÃO CLÍNICA

Art. 18.  O (a) aluno (a) matriculado nas disciplinas de Estágio Supervisionado em Alimentação Coletiva, Estágio Supervisionado em Nutrição na Saúde Coletiva e Estágio Supervisionado em Nutrição Clínica tem, entre outros, os seguintes deveres específicos:
I – frequentar a reunião com o (a) supervisor (a) acadêmico (a) de acordo com o cronograma da disciplina para discussão e aprimoramento de seu relatório;
II – manter contatos sistemáticos com o (a) nutricionista no local de estágio, conforme cronograma do estágio supervisionado;
III – participar e realizar as atividades propostas no ambiente virtual de ensino e aprendizagem, correspondente à carga horária destinada para tal dentro da disciplina.
IV – apresentar ao (à) supervisor (a) acadêmico (a) relatórios parciais, mensais, do desenvolvimento do estágio supervisionado;
V – providenciar cópia do relatório final do estágio para o (a) supervisor (a) acadêmico (a) e para o (a) supervisor (a) local;
VI – realizar o exercício avaliativo global ao final de cada estágio;
VII – cumprir este Normas.

CAPÍTULO VIII
DOS REQUISITOS E DAS VAGAS

Art. 19.  Para fins de matrícula, a disciplina de Estágio Supervisionado em Alimentação Coletiva, terá como requisito especial a disciplina de Alimentação Coletiva e Saúde.
Art. 20.  Para fins de matrícula, a disciplina de o Estágio Supervisionado em Nutrição na Saúde Coletiva, terá como requisito especial a disciplina de Nutrição Materno Infantil e a disciplinas Nutrição Clínica e Social I.
Art. 21.  Para fins de matrícula, a disciplina de Estágio Supervisionado em Nutrição Clínica, terá como requisito especial a disciplina de Nutrição Clínica e Social II.
Art. 22.  A distribuição de vagas para a realização do estágio supervisionado observa o interesse do (a) aluno (a) por área de estudo e respeita o coeficiente de aproveitamento do aluno (a) nas disciplinas cursadas. Alguns locais de estágio realizam seleção de candidatos.

CAPÍTULO IX
DAS DISPOSIÇÕES FINAIS

Art. 23. Os relatórios aprovados poderão ser utilizados pela Faculdade de Enfermagem, Nutrição e Fisioterapia, com o objetivo didático e científico, ressalvados os direitos autorais.
Art. 24.  As situações que não estejam previstas nesta Norma serão analisadas e decididas pela Direção da Faculdade de Enfermagem, Nutrição e Fisioterapia ou, na forma regimental, pelo Colegiado da FAENFI.

Este Regulamento entrará em vigor a partir de 2009/2o semestre.

6. Curriculo Completo
Nome da Disciplina
Carga Horária
Nível
Anatomia Humana
60
1

Disciplina em implantação

Ação Integrada para Nutrição
30
1

Disciplina em implantação

Biofísica
30
1

Disciplina em implantação

Histologia e Embriologia Geral
45
1

Disciplina em implantação

Nutrição e Saúde
60
1

Disciplina em implantação

Parasitologia
30
1

Disciplina em implantação

Química
30
1

Disciplina em implantação

Antropologia da Alimentação
60
2

Disciplina em implantação

Biologia Celular e Genética
60
2

Disciplina em implantação

Bioquímica Estrutural
60
2

Disciplina em implantação

Exame de Proficiência em Língua Inglesa
60
2

Disciplina em implantação

Nutrição, Saúde e Comunidade
60
2

Disciplina em implantação

Trabalho Integrado em Saúde
30
2

Disciplina em implantação

Bioquímica Metabólica
60
3

Disciplina em implantação

Fisiologia Humana
90
3

Disciplina em implantação

Microbiologia Geral e de Alimentos
60
3

Disciplina em implantação

Nutriçâo e Longevidade
90
3

Disciplina em implantação

Técnica Dietética e Higiene dos Aliment.
90
3

Disciplina em implantação

Atividades Complementares (105 Hrs)
105
4

Disciplina em implantação

Bromatologia
60
4

Disciplina em implantação

Disciplinas Eletivas
180
4

Disciplina em implantação

Nutrição Materno Infantil
90
4

Disciplina em implantação

Pesquisa em Saúde
30
4

Disciplina em implantação

Psicologia
60
4

Disciplina em implantação

Técnica Dietética nos Ciclos da Vida
90
4

Disciplina em implantação

Alimentação Coletiva e Saúde
90
5

Disciplina em implantação

Educação para Saúde
30
5

Disciplina em implantação

Farmacologia
30
5

Disciplina em implantação

Nutrição Clínica e Social I
90
5

Disciplina em implantação

Nutrição para o Desporto e Saúde
30
5

Disciplina em implantação

Patologia
30
5

Disciplina em implantação

Tecnologia dos Alimentos
60
5

Disciplina em implantação

Estágio Superv. em Aliment. Colet. (240hrs)
240
6

Disciplina em implantação

Gastronomia
60
6

Disciplina em implantação

Gerenciamento em Nutrição
60
6

Disciplina em implantação

Imunologia
45
6

Disciplina em implantação

Nutrição Clínica e Social II
90
6

Disciplina em implantação

Estág. Superv. em Nutr. na Saúde Col. (240h)
240
7

Disciplina em implantação

Humanismo e Cultura Religiosa
60
7

Disciplina em implantação

Métodos de Investigação em Nutrição
30
7

Disciplina em implantação

Nutrição Clínica e Social III
60
7

Disciplina em implantação

Trabalho de Conclusão I
30
7

Disciplina em implantação

Estág. Superv. em Nutric. Clínica (240hrs)
240
8

Disciplina em implantação

Filosofia e Bioética
60
8

Disciplina em implantação

Inovacao e Desenvolvimento em Nutricao
60
8

Disciplina em implantação

Trabalho de Conclusão II
30
8

Disciplina em implantação

Dados atualizados até 26/11/2020