Intercâmbio proporciona experiência na área da saúde em Moçambique

Formandos da Escola de Medicina puderam conhecer realidade do país africano, e estudante moçambicana está na PUCRS realizando estágio

12/02/2020 - 17h28
intercâmbio,medicina,escola de medicina,estágio,doutorado,pós-graduação,moçambique

Estudantes atuaram na enfermaria de hospital no mês de janeiro / Foto: arquivo pessoal

Vivenciar novas experiências é sempre enriquecedor. Ter a oportunidade de conhecer realidades diferentes e, ao mesmo tempo, aprender e desenvolver habilidades é algo que não só valoriza o currículo como também muda visões de mundo e deixa marcas para toda a vida. Em janeiro deste ano, três doutorandos da Escola de Medicina puderam vivenciar um pouco disso. Durante intercâmbio realizado em Moçambique, na África, Mathias Kunde, Julia Monteiro de Oliveira e Paula Bastos atuaram na enfermaria do Hospital Central de Maputo (HCM).

De acordo com o professor Leonardo Araújo Pinto, coordenador do Núcleo de Pediatria da Escola, é importante que os alunos possam ter a experiência de conviver e trabalhar em locais de realidades diferentes. “O Brasil é um país rico em diversos cenários. Porém, quando vamos para longe, sempre existem rotinas de trabalho e costumes que são distintos, gerando aprendizado profissional e pessoal”, aponta.

Alguns dos problemas relacionados à saúde encontrados pelos doutorandos no país africano também se diferem daqueles com os quais estão mais acostumados a ver em seu dia a dia profissional. A desnutrição, que atinge 821 milhões de pessoas no mundo, segundo dados da Organização das Nações Unidas (ONU), é um deles. “Este é um problema relevante em Moçambique e incomum no Sul do Brasil. Além disso, a elevada incidência de HIV e tuberculose em crianças também torna a realidade diferente, o que multiplica as possibilidades de auxílio e de aprendizado”, diz Pinto.

O professor ressalta que essa é uma cooperação tripla, que inclui a PUCRS; a Universidade da Califórnia em Los Angeles (Ucla), nos Estados Unidos; e o HCM, em Moçambique. “Tudo começou com a parceria com Christopher Buck, que é professor da Ucla, infecto pediatra e trabalha em um projeto de auxílio e ensino da universidade no HCM. Isso tem ajudado na possibilidade de intercâmbio com Moçambique e também com a Ucla”, conta Pinto. Alunos que tenham interesse em fazer intercâmbio no HCM podem entrar em contato pelo e-mail [email protected]

A vivência em Maputo

Um povo acolhedor, receptivo e sempre disposto a ajudar. Essa foi a descrição dos moçambicanos feita pelos doutorandos da Escola de Medicina que estiveram no país. Segundo Julia Monteiro, foi lindo ver a alegria deles, apesar de tantas dificuldades e privações. “Eles têm uma energia única, sorriso sincero e coração puro”, conta.

Para Mathias Kunde, passar um mês no HCM proporcionou uma vivência acadêmica engrandecedora. “Tive a oportunidade de acompanhar uma equipe médica que realiza atendimento voluntário em um orfanato que fica no interior de um dos bairros mais pobres de Maputo”, lembra. Todos os residentes têm histórias de vida associadas a extrema pobreza, doenças infecciosas (particularmente HIV), deficiências físicas e/ou metais, abandono e mendicidade. “Para mim, foi o momento mais marcante. Senti que tinha muito na vida”, afirma.

De acordo com Paula Bastos, a experiência de aprender na prática a rotina médica em pediatria em um hospital grande foi memorável. “Aprendi sobre outras doenças, que são raras no Brasil ou que, pelo menos, não existem na nossa região, como a Malária; e algumas que já são pouco incidentes no Brasil devido a avanços na saúde, como as síndromes de desnutrição infantil e a Aids em crianças, que é muito prevalente. Sem dúvidas me ajudou a crescer muito como profissional”, relata.

Na mala, muito conhecimento e aprendizado

Para Mathias Kunde, o intercâmbio ampliou seus conhecimentos culturais. “Volto para casa trazendo na mala a sensação de não só ter evoluído como estudante, mas também como humano”, enfatiza o formando.

Com uma grande parte da população de Moçambique em extrema pobreza, Paula trouxe consigo um melhor olhar sobre o aspecto social que está por trás de cada paciente. “Lá, muitos estão em situação precária, e isso, somado à cultura e alguns tabus existentes, contribui para o adoecimento ou para o curso que a doença vai tomar, que geralmente é uma progressão até que se procure assistência médica”, explica.

intercâmbio,medicina,escola de medicina,estágio,doutorado,pós-graduação,moçambique

Yolanda está em Porto Alegre desde abril de 2019 / Foto: arquivo pessoal

Para Julia, esse intercâmbio aumentou sua bagagem cultural e o conhecimento médico. Alguns detalhes curiosos e bem regionais também chamaram a atenção da estudante, como a forma de lidar com a doença para o povo moçambicano. “Muitos buscam os curandeiros antes de procurar o médico. Tive várias experiências memoráveis”, comenta.

O olhar de quem é de lá, aqui

A moçambicana Yolanda Monteiro fez o inverso dos três estudantes. Em abril de 2019, veio de Moçambique para Porto Alegre , por meio do Programa de Especialização e Extensão da Escola de Medicina onde realiza curso na área de gastropediatria do Hospital São Lucas da PUCRS (HSL). “Fui recebida muito bem. Os preceptores estão sempre dispostos a ensinar e nos guiar, e a relação e o trabalho com os residentes também é excelente. Esse período aqui no Brasil está sendo muito bom, conheci pessoas, fiz amizades, visitei lugares novos e aprendi um pouco da cultura do Rio Grande do Sul”, destaca Yolanda, que retorna à Maputo na última semana de março.

Compartilhe

Outras notícias Veja todas as notícias

  • Últimas publicadas
  • Mais lidas