Coleção de Abelhas

Apresentação

O acervo da coleção contempla a apifauna do Rio Grande do Sul, onde se verifica alta biodiversidade e casos de endemismo, além de espécies raras e ameaçadas de extinção. Como o Estado representa o limite sul de distribuição de várias espécies, o acervo constitui importante fonte de referência para a comunidade científica.

 

Equipe

Betina Blochtein

[email protected]

Tamanho

Número de espécimes: aproximadamente 55.421

O material encontra-se preparado a seco. Os espécimes apresentam-se montados em alfinetes entomológicos distribuídos em pequenas caixas padronizadas dispostas em gavetas com tampa de vidro. O material é mantido em armários em sala climatizada.

Alcance geográfico

A coleção representa a fauna de abelhas da Região Sul do Brasil, da qual a maioria dos exemplares são oriundos do Rio Grande do Sul. As amostragens são resultantes de pesquisas científicas, em sua maioria vinculadas a trabalhos de mestrado e doutorado, realizadas no Estado. O acervo também contabiliza amostras provenientes de outras regiões brasileiras.

Principais grupos

Na coleção estão representadas cinco famílias de abelhas: Colletidae, Andrenidae, Halictidae, Megachilidae e Apidae. Nesta última, destacam-se 22 espécies de Meliponini, conhecidas como abelhas sem ferrão, as quais são sociais e melíferas. Quatro espécies de Melipona integram a lista vermelha das espécies ameaçadas de extinção no Rio Grande do Sul: Melipona marginata obscurior, Melipona bicolor schencki, Melipona quadrifasciata quadrifasciata e Plebeia wittmanni.

Material-tipo

  • Holótipos: 1
  • Parátipos: 458

A coleção e o estado do RS

A Coleção de Abelhas tem sido utilizada por pesquisadores como referência da fauna do sul do Brasil. Destaca-se a relevância dos dados documentados sobre as plantas visitadas. Estas informações são essenciais, especialmente no que se refere aos aspectos de conservação das espécies de abelhas – delineamento de manejos e políticas de conservação, pois as fontes alimentares são fundamentais para a manutenção das populações de abelhas. Outro aspecto a ser destacado está relacionado ao potencial das abelhas como agentes polinizadores, tanto para a flora nativa quanto para cultivos agrícolas. A polinização efetuada pelas abelhas tem sido progressivamente valorizada na medida em que este serviço ambiental é contabilizado em termos econômicos e as tecnologias de manejo tornam-se possíveis.