Aprender idiomas sozinho ou com professor? Entenda a diferença

Professora e alumna do curso de Espanhol do Centro de Idiomas da PUCRS comentam o assunto

02/08/2022 - 16h57
aprender idiomas sozinho

Foto: Giordano Toldo

De melhores oportunidades profissionais ao contato com novas culturas: não faltam benefícios quando se fala em aprender um novo idioma. Os métodos para isso também variam de pessoa para pessoa. Há aqueles que preferem aprender sozinhos, estudando os conteúdos de ortografia e gramática por conta própria, por meio de filmes, séries de TV e músicas; como há também quem opte por aprender com o auxílio de um professor, muitas vezes em cursos de idiomas.  

É o caso de Laura Bittencourt, alumna do curso de Espanhol do Lexis – Centro de Idiomas da PUCRS. Seu primeiro contato com o idioma foi em 2005, por meio da novela mexicana Rebelde, a qual era grande fã da trama e das músicas que os protagonistas cantavam – todas em castelhano. Assim, Laura começou a se familiarizar com o espanhol. No entanto, isso não foi o suficiente para construir seu aprendizado de forma consistente.  

“Fui aprendendo algumas coisas muito básicas nos anos em que acompanhei a novela. Isso durou dois ou três anos. Após este período, afastei-me de toda cultura e literatura relacionada ao idioma, não podendo avançar na aprendizagem”, conta. 

Porém, ela não desistiu de aprender a língua: anos mais tarde, em 2019, começou o curso de Espanhol do Lexis, tendo completado os oito níveis propostos para desenvolver o idioma, e concluiu seus estudos em 2021. Hoje, mora na Argentina, onde faz mestrado. 

Por que aprender idiomas com um professor? 

aprender idiomas sozinho

Laura Bittencourt é alumna do curso de Espanhol da PUCRS. / Foto: Arquivo pessoal

Laura relata que ter um professor em seu processo de aprendizagem foi fundamental, já que muitas vezes acabava fazendo conexões entre o idioma estudado com a língua portuguesa.   

“O professor é fundamental para nos fazer compreender as similaridades e as diferenças da língua estudada com a nativa. No meu caso, cursando os três anos de Espanhol na PUCRS, pude compreender o idioma de uma maneira natural”, explica. “Além de aprender o idioma, tive a oportunidade de me aproximar de uma cultura rica que até então não tinha conhecimento”. 

Laura também destaca alguns dos diferenciais do Lexis que, para ela, foram de grande valia em sua jornada de aprendizagem do espanhol. Ela explica que as aulas são leves, mesclando o ensino teórico da língua com questões práticas, como a análise de músicas, filmes e vídeos. Além disso, ao final de cada módulo, os alunos muitas vezes têm a oportunidade de fazer apresentações orais sobre temáticas escolhidas por eles. Para a alumna, esses são alguns diferenciais que fazem com que as aulas não sejam cansativas.  

“Hoje, eu entendo que as aulas de Espanhol que frequentei e a presença da professora foram fundamentais para eu conseguir me comunicar plenamente em uma língua que não é a minha nativa. Por isso, eu costumo recomendar os cursos do Lexis a todos que desejam, além aprender um novo idioma, descobrir um mundo de possibilidades novas.”  

Escuta ativa dos professores é diferencial 

Quem também compartilha a mesma paixão que Laura pelo espanhol é a professora Rebeca Martinez, docente do curso de Espanhol do Lexis. Rebeca sempre teve o sonho de ser professora e é apaixonada pela língua, o que a fez decidir estudá-la em profundidade, tentar conhecê-la em todas suas variantes e aprender sobre a cultura hispânica. Segundo ela, os perfis dos alunos do Lexis variam muito, desde aqueles que estão se preparando para uma viagem aos que querem adquirir mais conhecimento.  

“Me arrisco a dizer que a grande maioria procura o Centro de Idiomas da PUCRS para complementar seu currículo e se aperfeiçoar acadêmica e profissionalmente. Seja no âmbito pessoal ou profissional, falar mais de um idioma nos prepara para enfrentar um mundo muito mais competitivo e exigente.” 

Além disso, Rebeca ressalta a importância de uma metodologia de ensino quando se aprende um idioma, sendo uma espécie de “roteiro” que ajuda o professor a determinar as atividades e tarefas mais adequadas para conduzir os alunos em sua aprendizagem. No Lexis, as aulas são estruturadas dentro da abordagem comunicativa (Método Comunicativo), com o objetivo de trabalhar as quatro habilidades linguísticas: leitura, escrita, compreensão auditiva e expressão oral, sempre visando incrementar a competência comunicativa dos alunos. 

Para ela, também, é importante a presença de um professor no processo de aprendizagem de um idioma. Ela afirma que é possível aprender vocabulário, assimilar estruturas simples e conhecer a gramática básica de um idioma por conta própria; no entanto, somente um professor pode ensinar a falar adequadamente dentro de um determinado contexto e passar o conhecimento da correta pronúncia das palavras e seus múltiplos significados. 

Muitas pessoas pensam que ‘falam’ espanhol e inglês, mas cometem erros gravíssimos. Seja para enviar mensagens de texto ou para falar em uma reunião, o professor é o modelo, é quem vai ouvir o aprendiz e corrigir a sua pronúncia, é quem vai mostrar ao aluno como o vocabulário deve ser adequado para cada âmbito, seja ele profissional ou acadêmico. Para o professor de idiomas, cada aluno é único, pois cada um de nós aprende de uma forma diferente em um tempo diferente, e cabe a ele identificar as características de seus alunos e ajudá-los em seu desenvolvimento. O professor conduz, acompanha, incentiva e leva à excelência.” 

Leia também: 5 filmes e séries disponíveis em serviços de streaming para praticar idiomas 

estude idiomas na pucrs: últimos dias de inscrições


Leia Mais Veja todas