Herbário

A memória da nossa biodiversidade

O Herbário MPUC foi iniciado a partir de 572 espécimes vegetais coletados no período de 1930 a 1960. Hoje com mais de 20.000 espécimes, com ênfase na flora nativa no Rio Grande do Sul, contribui para projetos de pesquisa em Graduação e Pós-Graduação, especialmente revisões taxonômicas. Mais recentemente, vem reestruturando-se para desenvolver atividades de pesquisa tanto em Taxonomia quanto em Ecologia Vegetal.


Curadora

Cristiane Follmann Jurinitz

cristiane.jurinitz@pucrs.br

Senecio promatensis
Foto de C.A. Mondin
Coleções Online
Tamanho

Atualmente o Herbário MPUC é composto por cerca de 20.500 espécimes (atualização em março de 2015).

Alcance geográfico

O acervo é composto majoritariamente por espécies coletadas no Rio Grande do Sul e em Santa Catarina. Destaca-se a coleção de referência das plantas nativas no Centro de Pesquisa e Conservação da Natureza Pró-Mata, uma área da Universidade com vegetação singular no município de São Francisco de Paula (Pró-mata). Nesta área foi descrita a espécie endêmica Senecio promatensis Matzenbacher, a qual consta na lista de espécies da flora nativa no Rio Grande do Sul ameaçadas de extinção (Decreto 51.109 de 19 de dezembro de 2014), como "criticamente em perigo" e da qual há exemplares depositados no MPUC. Outro destaque é a coleção proveniente do Herbário URG de Uruguaiana, que está em processo de incorporação, o que agrega ao MPUC importantes testemunhos de localidades como o Parque Estadual do Espinilho e o Cerro do Jarau, tradicionalmente pouco coletadas.

Material-Tipo

Principais grupos representados

A maioria dos espécimes pertence às Angiospermas (cerca de 16.000). Os fungos, embora não sejam plantas, são tradicionalmente incluídos no acervo dos herbários, sendo que os fungos liquenizados são o segundo grupo em tamanho de acervo no MPUC, destacando-se as coletas do gênero Usnea, para o qual possui um dos maiores acervos do Brasil (362 espécimes), segundo a especialista no grupo Alice Gerlach. Além destes grupos, o acervo do MPUC também é composto por Briófitas, Pteridófitas e Gimnospermas.

A coleção e o estado do Rio Grande do Sul

A coleção do MPUC tem um importante valor histórico, com coletas antigas (a partir de 1930), por vezes acompanhadas das anotações originais dos coletores e ainda em ótimo estado de conservação. Algumas destas coletas, como as da região de Porto Alegre e arredores, são testemunho de ambientes não mais encontrados atualmente.

Neste sentido, no acervo dos Fungos Liquenizados, cerca de metade dos espécimes foram coletados em regiões que sofreriam impacto ambiental, como áreas de construção de hidrelétricas no Rio Grande do Sul. Ainda no grupo dos fungos liquenizados, ¼ do acervo é proveniente da Floresta Ombrófila Densa, uma formação vegetacional que abriga grande diversidade deste grupo.

A coleção tem sido visitada predominantemente por estudantes de pós-graduação ao realizarem suas revisões taxonômicas, especialmente quando se trata de trabalhos referentes ao Rio Grande do Sul e ao Sul do Brasil. Neste sentido, em revisão recente do gênero Usnea (um fungo liquenzado da família Parmeliaceae), a pesquisadora Alice Gerlach destacou a importância do acervo de Usnea do MPUC, no qual encontrou uma espécie relativamente rara, Usnea cristatula Motyka, coletada no Parque Estadual do Espinilho.

Acervo histórico: coletas do Irmão Augusto

fotos de C.F. Jurinitz


CPCN Pró-Mata

fotos de C.F. Jurinitz


Outras coleções