30/06/2020 - 15h15

Prefeitura e Pacto Alegre conhecem robô de desinfecção desenvolvido por empresa do Tecnopuc

WhatsApp Image 2020-06-29 at 12.03.15

César Borges Teixeira, líder de infraestrutura do Tecnopuc em Viamão, Jorge Audy, Superintendente de Inovação e Desenvolvimento da PUCRS, Paulo Renato Ardenghi, Diretor de Inovação de Porto Alegre, Miguel Serrano, CEO da Instor, Luiz Carlos Pinto, coordenador do Pacto Alegre e Diretor da Escola de Engenharia da UFRGS, e Carlos Eduardo Aranha, Coordenador de Inovação da Diretoria de Inovação de Porto Alegre e Diretor da Anprotec

Nesta segunda-feira, 29 de junho, a Prefeitura de Porto Alegre e o Pacto Alegre visitaram a Instor, empresa instalada no Parque Científico e Tecnológico da PUCRS (Tecnopuc) em Viamão para conhecer a Jaci, um robô de desinfecção desenvolvido pela empresa. A visita teve como propósito uma análise das possibilidades de uso da tecnologia. A Jaci é um sistema de alta performance para áreas de contaminação e risco de infecção, capaz de eliminar mais de 90% dos vírus e bactérias presentes nos ambientes. 

Paulo Renato Ardenghi, diretor de Inovação da Prefeitura de Porto Alegre, conta que ficou impressionado. “Achei muito legal o projeto do robô e, como diretor de Inovação, estou orgulhoso e satisfeito de ver o ecossistema trabalhando em conjunto: a Universidade que pesquisa sobre o impacto e a utilização do robô, a empresa que desenvolve, os hospitais que testam a tecnologia e o poder público que acompanha o processo”, explica Paulo Renato. 

Luiz Carlos Pinto, coordenador do Pacto Alegre e diretor da Escola de Engenharia da UFRGS, comenta que o robô de desinfecção da Instor é um exemplo da interação entre as forças de Porto Alegre dentro da lógica da Aliança para a Inovação, entre UFRGS, PUCRS e Unisinos, e do Pacto Alegre, com a participação das entidades. “Ele surge de uma demanda mapeada por atores diretamente ligados ao apoio da linha de frente da saúde, na qual algumas operações são muito críticas, como a troca de EPI’s. É um desafio tecnológico desinfectarmos o material e protegermos os profissionais da área da saúde. E aí começa todo um esforço que agrega vários grupos das Universidades, junto com empreendedores do ecossistema”, reforça Pinto. 

WhatsApp Image 2020-06-29 at 12.13.37 (1)O coordenador do Pacto Alegre ainda salienta que o projeto ganhou o apoio da Fapergs para começar a trabalhar tanto a parte de teoria e prática da capacidade de desinfecção com lâmpadas ultravioleta e ozônio combinados. “Ao mesmo tempo já propondo os produtos que podem ser levados para a linha de frente do combate à pandemia. A rapidez que as startups podem trazer ao projeto, desenvolvido a partir da tecnologia da Instor, evidencia como essa lógica da parceria da Aliança funciona para poder gerar resultados mais impactantes em menor prazo e poder colocar o conhecimento à serviço da sociedade”. Pinto conta que participaram do projeto empresas instaladas no Tecnopuc, grupos de pesquisa da Escola de Engenharia da UFRGS, Estudos de Física da UFRGS, Faculdade de Medicina da UFRGS, Faculdade de Agronomia da UFRGS, e outros atores importantes. “Agora,  levaremos isso para o StartHealth, que é uma iniciativa do Pacto Alegre para a Prefeitura Municipal de rapidamente trazer soluções das startups para poderem ser incorporadas ao hall de alternativas que a cidade está colocando à disposição, como foi com a questão dos drones, como é a questão da gestão de leitos e de equipes, que são outras startups que estão trabalhando com a prefeitura”, finaliza Pinto. 

Miguel Serrano, CEO da Instor, conta como foi a realização do trabalho: “recebemos elogios unânimes durante a visita pela qualidade da Jaci e eficiência da equipe da Instor por executar o projeto em apenas 3 meses em plena pandemia, onde enfrentamos desafios como buscar todas as peças dentro do Brasil (na época as importações foram bloqueadas) e com toda a equipe em home office para evitar qualquer contágio”. 

Julio Ferst, gestor do Tecnopuc em Vimão, frisa que o Parque abriga empresas que fazem a diferença neste momento de  pandemia. “Produzem e colocam no mercado gaúcho e nacional  equipamentos de última geração para auxiliar no combate a esta doença que atinge a nossa população. Nos orgulhamos em tê-los em nosso ecossistema”, explica Ferst.

Mais sobre Jaci

  • A Jaci foi pensada para ajudar nos hospitais, aeroportos, aviões, ônibus, rodoviárias, escritórios, indústrias, shoppings, centros comerciais, escolas e universidades
  • No combate a Covid-19, Jaci pode ajudar na desinfecção de ambientes gerando ozônio e irradiando UV
  • Possui um exclusivo sistema de ventilação, que permite desinfecção com maior velocidade
  • Gera ozônio forçado de forma controlada
  • Possui potentes emissores raios ultravioleta que atingem distâncias de até 3,5m
  • Possui detectores de movimento para prevenir exposição acidental de pessoas no ambiente
  • Seu acionamento e comando é remoto via aplicativo
  • Sua torre telescópica alcança uma altura de 1,8m, garantindo desinfecção inclusive do teto das salas
  • Quando a JACI opera, alertas sonoros e luminosos são ligados como segurança
  • A Jaci pode realizar teleconferências ou teleconsultas para reduzir o tempo de exposição dos profissionais da saúde dentro de ambientes altamente contaminados
  • O nome JACI é inspirado na Deusa Lua dos tupi-guaranis, que cuidava deles com sua luz a noite
Compartilhe

Leia Mais Veja todas