08/10/2020 - 09h15

Pós-graduação em Psicologia possibilita atuação em diferentes setores da sociedade

Pesquisa, docência e atuação em assessorias e consultorias públicas e privadas são algumas das possibilidades para quem cursa mestrado ou doutorado na área

pós-graduação,mestrado,doutorado,mestrado e doutorado,psicologia,pós em psicologia,pós-graduação em psicologia,mestrado em psicologia,doutorado em psicologia,pucrs,escola de ciências da saúde e da vida

Além de aprofundar os estudos na área, profissionais podem se dedicar também a atividades práticas / Foto: Pexels

Seguir carreira acadêmica, tornar-se professor ou mesmo atuar no desenvolvimento de aplicativos e softwares de intervenção. Esses são alguns dos muitos caminhos possíveis para quem realiza mestrado ou doutorado em Psicologia. 

Além de poder aprofundar os estudos nas áreas de Cognição Humana, Psicologia Clínica e Psicologia Social, profissionais que concluem a pós-graduação podem se dedicar também a atividades práticas. Por meio de assessorias e consultorias públicas e privadas, é possível contribuir para elaboração e implantação de políticas públicas e serviços em saúde, educação e assistência social. 

Com cinco linhas e 17 grupos de pesquisa, o Programa de Pós-Graduação em Psicologia da PUCRS (PPGP), que está com inscrições abertas para as seleções de mestrado e doutorado até o dia 30 de outubro, possui áreas de concentração consolidadas e alinhadas à investigação de ponta de caráter interdisciplinar. “A fim de contemplar a pluralidade das áreas e os interesses de estudantes, o PPGP conta com docentes qualificados, com formação profissional e acadêmica diversificada”, destaca a coordenadora, professora Irani Iracema Argimon. 

Leia também: É possível realizar mestrado ou doutorado em área diferente da graduação? 

Uma trajetória de qualificação e possibilidades internacionais 

Um dos diferenciais da Pós-Graduação em Psicologia da PUCRS é a quantidade de convênios internacionais: atualmente são nove, além de diversos intercâmbios com outras instituições, que proporcionam a submissão internacional de publicações e projetos, além de missões de estudo de discentes e de trabalhos docentes. 

Ainda em relação a alunos e professores, a coordenadora do PPGP reforça que pesquisas coletivas institucionais – além das referentes às dissertações e teses – fazem parte do dia a dia. “Os docentes são líderes de grupos de pesquisa vinculados ao Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e muitos participam de redes de pesquisadores nacionais e internacionais”, complementa Irani. 

E a trajetória do programa segue sendo de crescente qualificação. Contando com a parceria do Tecnopuc e com os espaços clínicos do Serviço de Atendimento Psicológico e Pesquisa e do Hospital São Lucas, o PPGP se consolida como um polo de atração para alunos com intenção de seguir carreira acadêmica – bem como potencializa a inserção de seus egressos em instituições de ensino superior. 

Pesquisa analisa comportamento de idosos durante a pandemia 

Segundo a coordenadora do Programa de Pós-Graduação em Psicologia da PUCRS, a pandemia da Covid-19 fez com que professores e alunos tivessem que se reinventar e buscar dentro de si recursos ainda não percebidos. “Isso faz com que tenhamos um olhar e um comportamento de respeito e desafio. Quando esse período passar, essas experiências marcarão o acolhimento que exercitamos para viver melhor”, acredita. 

Uma das pesquisas em andamento relacionadas a esse contexto é a da professora Tatiana Quarti Irigaray. O estudo tem como objetivo identificar comportamentos relacionados à saúde adotados por idosos durante e após o período de distanciamento social.  

“Segunda a Organização Mundial de Saúde (OMS), em muitos países os idosos correm mais risco de desenvolver a Covid-19 de maneira grave. Pessoas nessa faixa etária ainda apresentam maiores níveis de estresse, pois estão cientes da maior gravidade e fatalidade em relação a outros grupos populacionais”, explica Tatiana. 

A pesquisa busca identificar como pessoas idosas adaptaram sua rotina nesse período. A partir dos resultados, a ideia seria subsidiar o desenvolvimento de intervenções psicossociais para atender esse grupo, no sentido de identificar comportamentos saudáveis que possam ser estimulados e mantidos, visando uma melhor qualidade de vida. 

“Outra possibilidade seria desenvolver materiais informativos, como cartilhas ou guias, abordando a importância de se manter hábitos saudáveis, bem como um aplicativo que auxilie os idosos na adesão e manutenção de comportamentos que promovam saúde e qualidade de vida”, conclui a professora. 

Leia também: Dia do Idoso: pesquisadores buscam respostas para promover a longevidade 

Saiba mais sobre o PPGP e inscreva-se

Compartilhe

Leia Mais Veja todas

Últimas Notícias

Veja todas notícias