13/11/2020 - 11h09

Dedicação e amor ao trabalho

Quem conhece o Irmão Arlindo Corrent sabe que a gentileza, o carisma e a dedicação integral por tudo o que faz são características muito marcantes de sua personalidade. No dia em que comemoramos o aniversário da Universidade, apresentamos a história de vida e missão do assessor da Pró-Reitoria de A​dministração e Finanças da PUCRS, Irmão Arlindo Corrent. Ele é um dos personagens da quarta edição do projeto Memórias Maristas: histórias de amor e vida.

O filho do casal Bertoldo e Josefina Corrent teve uma infância repleta de carinho e brincadeiras junto com os seus quatro irmãos. Desse período, ele recorda com saudosismo as partidas de futebol e as corridas com carrinho de lomba que fazia junto com as demais crianças. Foi nesse período da infância, que ele conheceu, na escola, o colega Alfredo Crestani. “Quem diria que depois seguiríamos juntos a mesma vocação de Irmão Marista”, enfatiza.​

Atualmente, o Ir. Arlindo atua na Pró-Reitoria de Administração e Finanças da PUCRS

A religiosidade e a fé também são heranças que ele carrega em seu coração desde criança. Sua mãe, Dona Pina, como era conhecida pelos familiares e amigos, era catequista e ensinou o filho a rezar e pedir as intercessões a Nossa Senhora. “Meus pais eram agricultores. Pessoas simples, mas de um enorme coração. Os valores que eu carrego até hoje foram ensinados por eles”, afirma Corrent.

A vocação religiosa​

Quando ainda estava na escola, aos 12 anos, recebeu a visita do Irmão Pedro Luiz, animador vocacional, que fez a pergunta aos colegas da turma: “quem quer ser Irmão Marista?”. Depois de ouvir o relato e saber mais sobre o que os religiosos faziam, Arlindo começou a se interessar pela ideia de ser um Irmão Marista.

Com o apoio total da família, ele iniciou sua formação em Veranópolis. Desse período, ele recorda com muito carinho os ensinamentos do Irmão Pedro Finckler: “o Irmão Pedro era um grande psicólogo. O que mais me tocou nessa convivência foi justamente o fato dele estar próximo das pessoas sempre com muita simplicidade”, ressalta.

Saindo de Veranópolis, em 1946, Arlindo veio continuar os estudos em Porto Alegre, na Casa de Formação Champagnat – mesmo local onde, atualmente, está instalado o Colégio Marista Champagnat –.  “Foi uma aventura! Saímos de Veranópolis e levamos, praticamente, um dia inteiro de viagem até chegar em Porto Alegre”, recorda ele com detalhes.

Além da viagem para a capital, o Irmão também lembra de como era o espaço do atual campus da PUCRS quando ele chegou. “Os lugares onde hoje se encontra a Universidade eram os nossos campos de futebol. Era muito grande e havia diferentes funções: aqui era um lugar de plantação, de criação de animais, e tinha até um cemitério”, conta. Ele também recorda que o Arroio Dilúvio tinha um curso diferente, ele passava onde hoje está o Hospital São Lucas. “A água era tão limpa que nós, pelo menos uma vez por semana, tomávamos banho lá”, afirma.

​Aprendendo a ser educador

A vocação principal de um Irmão Marista é atuar em prol da educação evangelizadora. Depois de concluir todas as etapas da formação religiosa, é chegado o momento de fazer os primeiros votos, a tomada de hábito, como era chamado naquela época.

Toda a família se fez presente na celebração, que o Irmão Arlindo recorda com emoção: “a mãe estava radiante, porque ela queria muito que eu fosse Irmão”. O presente que ele ganhou do pai nesse dia também ficou registrado em sua memória: “ganhei um relógio de pulso. Naquela época, era raro! Olhando hoje é uma coisa simples, mas, na época, o gesto do pai me presentear nesse momento tão importante foi uma atitude que eu nunca vou esquecer”, afirma.

O primeiro envio para trabalhar como professor foi para a Casa de Formação em Veranópolis. Foi um período no qual ele pôde aprender a ser, de fato, um educador. Lá, o Irmão ministrava aulas de ciências, história, geografia, desenho e matemática. “O que é importante para quem vai fazer um trabalho, com qualquer que seja a disciplina é, de fato, fazer com que essa seja uma forma do professor se comunicar bem com os seus alunos. Essa parte da comunicação é que vai fazer com que ele desenvolva o gosto por estudar e queira aprender sempre mais. Sempre devemos presar por uma comunicação humana entre o mestre e os alunos”, avalia.

​Marista Rosário: dedicação de um gestor educador

Grande parte do apostolado do Irmão Arlindo Corrent foi desenvolvido no Colégio Marista Rosário. Atuando como professor e diretor, ele passou 13 anos da sua vida religiosa, em diferentes momentos, nessa escola.

Em 1960, foi a primeira vez que ele entrou nas salas de aula rosarienses como professor. Na época, ministrava aulas para turma​s da terceira série Ginasial. “Nesse período, o colégio ainda era exclusivo para meninos. Foi um ano de aprendizado e crescimento para mim como educador”, avalia.

Em 1961, ele recebeu o envio para atuar em Guaporé, na Serra Gaúcha, onde ficou lecionando por um ano. Em 62, retornou para o Marista Rosário seguindo na função de professor até o início de 1970. “Foram muitos alunos que passaram pela minha sala de aula no Rosário. Um deles é o Dr. Jaderson Costa da Costa, que hoje é diretor do InsCer”, recorda com orgulho.

Durante o período de profe​ssor, ele também dedicou seu trabalho para a recém-fundada Associação de Pais e Mestres do Colégio Marista Rosário (Apamecor). “Foram muitas reuniões, atividades e ações de integração realizadas para aproximar a comunidade escolar. Acompanhei de perto a história da Apamecor durante todo o período que eu estive no Rosário e sempre incentivei que essa relação família/escola fosse mantida”, afirma.

No segundo semestre de 1970, o Irmão Arlindo foi indicado para fazer cursos de aperfeiçoamento e especialização no exterior e retornou para a escola em 1972 assumindo a função de diretor. “O desafio ele existe ao natural, quando você deixa de ser professor e assume uma função de gestão, as atividades são bem distintas. No Marista Rosário, então, esse desafio é maior ainda, porque é um colégio que tem um nome a zelar na cidade, tem uma tradição e uma história de muitos anos. Tradição e nome não podem ser esquecidos na hora  em que se toma qualquer decisão nessa escola”, ressalta Corrent.

Foi nesse período de diretor que nasceu o símbolo mais amado pelos estudantes e educadores do Marista Rosário: o Periquito Rosariense. Popularmente, os rosarienses eram conhecidos na cidade como os periquitos da independência, em função da cor do uniforme escolar. A brincadeira tornou-se sentimento de pertença, e o Irmão Arlindo aproveitou a oportunidade para criar o mascote do Periquito.

“Fiz tudo em segredo. Em um momento que os alunos estavam todos reunidos no pátio, eu pedi para uma pessoa vestir a roupa de Periquito e fiz a apresentação dele para as crianças. Nossa, foi uma festa! Elas ficaram eufóricas. E o mascote ficou até hoje”, conta com orgulho.

Em 1979, ele finaliza o primeiro período como diretor da escola e nos anos seguintes assume mais um novo desafio: ser o provincial da Província Marista de Porto Alegre.

​Desafios à frente da gestão da Província

Durante os anos de 1981 até 1987, o Irmão Arlindo Corrent assumiu a gestão da Província Marista de Porto Alegre. O penúltimo filho do casal de agricultores, agora era o irmão mais velho de todos os Irmãos. Era dessa forma carinhosa que ele definia sua função como provincial.

Os desafios de assumir a liderança de uma instituição religiosa são diversos. Entre eles, o Irmão destaca um muito importante: a coerência. “O maior desafio de ser provincial é ser coerente com a escolha que ele fez de ser Irmão Marista”, avalia.

Durante esse período, ele também assumiu a presidência da Conferência dos Religiosos do Brasil (CRB/RS). O trabalho consistia em articular ações em conjunto entre 125 congregações religiosas diferentes somando, em média, sete mil religiosos no Rio Grande do Sul. “Era um trabalho muito interessante, porque nós tínhamos que trabalhar com carismas diferentes e fazer com q​​ue essas congregações somassem esforços entre si para a glória de Deus e a evangelização das pessoas. Isso é fantástico”, afirma.

​De volta ao Marista Rosário

Após seu período como provincial, surgiu novamente a oportunidade de retornar ao Colégio Marista Rosário. Ele assume então a direção em 1990 e fica até 1996.

Com um cuidado e uma atenção muito especial para a memória institucional e o sentimento de pertença da comunidade escolar, o Irmão reimplantou, na década de 90, a produção do Anuário Ecos Rosariense

A tradicional publicação que conta a história da escola e registra com fotografias os principais fatos do ano, bem como as turmas do colégio, não estava sendo produzida no período anterior a sua gestão. “Essa é uma lembrança da família marista tão bonita que não pode se perder com o tempo”, avalia. Até hoje o Anuário segue sendo produzido na escola e já conta com mais de 65 edições.

Nesse período, o Irmão dividia suas atividades de direção com a função de ecônomo da província. Antes de deixar a função de diretor para assumir a gestão da mais nova escola marista, ele fez um pedido ao então provincial, Irmão Antônio Silva: “eu gostaria de indicar um novo diretor para assumir o meu lugar aqui no Marista Rosário: o Irmão Firmino Caetano Biazus”. O pedido foi aceito com alegria, e o Irmão Firmino assumiu a gestão da escola em 1997.

​Uma escola em homenagem ao Papa

Durante o seu período como ecônomo da província, o Irmão Arlindo recebeu a incumbência de articular a devolução de um prédio que a Rede Marista tinha em Brasília e que estava alugado para a Universidade Católica de Brasília.

A ideia era que a instituição pudesse reorganizar a infraestrutura e fundar nesse local uma nova escola em ensino básico. Depois de fazer todos os trâmites legais e acompanhar de perto as articulações de obras para a nova escola, o Irmão Arlindo recebeu o convite do provincial para assumir a direção do Colégio Marista João Paulo II, o mais novo espaço de missão marista na capital do Brasil.

Ele recorda com detalhes como foi a sugestão do nome para o colégio: “eu lembro que, na ligação que o Irmão Antônio Silva me fez para convidar para eu ser o diretor, ele já pediu para sugerir o nome da escola. Sem precisar pensar muito, eu já disse: João Paulo II. O papa tinha sido eleito pela ONU a personalidade do século XX, era um religioso mariano, que tinha ligação direta com o nosso carisma e, também, era um Papa apaixonado pelas juventudes. Não poderia ter escolha melhor”, conta.

Durante o período que atuou em Brasília, o Irmão também participou da diretoria que fundou a União Marista do Brasil (Umbrasil). Atuou nesse importante espaço de articulação do Brasil Marista durante oito anos, sendo quatro deles como presidente.

Contribuições para a Universidade

O mesmo lugar que recebeu o jovem Arlindo no início de sua formação é onde o Irmão atua nos dias de hoje. O que antes era a Casa de Formação Champagnat atualmente é o campus da Universidade na qual ele atua como assessor e procurador na Pró-Reitoria de Administração e Finanças (PROAF).

“Aqui nós trabalhamos como se administrássemos uma cidade de 30 mil habitantes”, explica empolgado. Prestes a completar 87 anos, ele sente-se ativo e disposto a contribuir. Para conhecer mais sobre essa história inspiradora de amor ao trabalho e doação para a missão marista, acesse o vídeo completo aqui:

 

​Memórias Maristas: histórias de amor e vida

Neste ano de 2020, o projeto Memórias Maristas: histórias de amor e vida chega a sua quarta edição e apresenta em 12 minidocumentários, marcos importantes da nossa caminhada institucional que se cruzam com as histórias de vida dos personagens entrevistados. Muito mais do que narrativas documentais, o projeto humaniza a trajetória da Rede Marista a partir desses relatos. Confira os vídeos da quarta edição aqui.

Compartilhe

Leia Mais Veja todas