Colóquio Internacional de História Brasil-Chile: Golpes de Estado e Ditaduras Civis-Militares – Marinheiros: Memória, Cidadania e Direitos Humanos

O Colóquio Internacional de História Brasil-Chile: Golpes de Estados e Ditaduras Civis-Militares reunirá estudos e debates com foco nos processos de mobilização e resistência de militares de escalões inferiores das instituições navais do Brasil e do Chile, marinheiros e fuzileiros navais, nos contextos que culminaram nos golpes de Estado e consequentes ditaduras civis-militares em ambos os países, durante a segunda metade do século passado. O evento ocorrerá nos dias 9, 11, 16 e 18 de novembro de 2021, terças e quintas-feiras, às 19 horas, tendo quatro mesas com temáticas distintas que ocorrerão por meio da plataforma Zoom, no formato virtual. As inscrições são gratuitas e prévias.

Cronograma:

09/11 às 19h
Mesa 1 – “Proletariado naval”, o marinheiro militar no alvorecer do séc. XX: recrutamento, trabalho e identidade.
Convidados
Prof. Dr. Álvaro Pereira do Nascimento – UFRRJ
Prof. Dr. Edgar Ávila Gandra – UFPEL
Prof. Dr. Jorge Magasich Airola – Institut des Hautes Études des Communications Sociales / Bélgica

11/11 às 19h
Mesa 2
– Marinheiros e Democracia: política, hierarquia, disciplina e os golpes de Estado no Brasil (1964) e no Chile (1973)
Convidados
Prof. Dr. Anderson Almeida – UFAL
Prof. Dr. Jorge Magasich Airola – Institut des Hautes Études des Communications Sociales / Bélgica
Prof. Dr. Danny Monsalvez – Universidad de Concepción / Chile

16/11 às 19h
Mesa 3
– Marinheiros e Direitos Humanos: Memória, Verdade e Justiça
Convidados
Prof. Dr. Ricardo Santos – UNESP
Prof. Me. Roberto Merino – Universidad de Chile
Prof. Me. Robert Wagner Porto da S. Castro – PUCRS

18/11 às 19h
Mesa 4 – Depoimentos
Convidados
Sr. Carlos Garcia
Elizabeth Moraga – Realizadora Audiovisual

Inscreva-se

Informações dos Organizadores

Robert Wagner Porto da Silva Castro: Mestre em História pela Universidade Federal de Pelotas (UFPEL), é doutorando em História pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS), sendo bolsista PROSUC/CAPES. Pesquisador da Diretoria de Patrimônio Histórico e Documentação da Marinha – DPHDM, é também editor da Revista Navigator, pesquisador associado do Núcleo de Pesquisa em História Regional Platina (UFPEL) e do Grupo de Pesquisa e Estudos de História do Tempo Presente (PUCRS). Desenvolve pesquisas no campo da História, com destaque para temáticas vinculadas à: História Social e Militar, História Política, Movimentos Sociais, Ditadura Civil-Militar Brasileira e História Comparada Brasil/Chile.

Leonardo Fetter da Silva: Mestre e doutorando em História pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS), sendo bolsista CNPq. Desenvolve pesquisas em torno dos temas: ditadura civil-militar brasileira, sistema de repressão e informação, direitos humanos e movimentos sociais de defesa dos direitos humanos.

Profa. Doutora Tatyana de Amaral Maia: Professora adjunta do curso de História e do Programa de Pós-Graduação em História da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul. Possui graduação em História pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (2002), mestrado em História Social pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (2005), doutorado em História pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (2010), pós-doutorado em História pela Universidade Federal Fluminense (2012) e pós-doutorado em História pela Universidade do Porto. É pesquisadora colaboradora do Centro de Investigação Transdisciplinar Cultura, Espaço e Memória (CITCEM) da Universidade do Porto. É editora da revista Estudos Ibero-Americanos do PPGH/PUCRS (Qualis A2). Tem experiência na área de História, com ênfase em História do Brasil República e História Contemporânea, atuando principalmente nos seguintes temas: intelectuais, cultura, memória, políticas culturais, ditaduras e ensino.

Informações dos Palestrantes

Prof. Doutor Álvaro Pereira do Nascimento: Bolsista de produtividade do CNPq (PQ2) e professor associado da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro – UFRRJ (campus Nova Iguaçu), onde integra o corpo docente permanente dos programas de Pós-Graduação em História (PPHR) e do Programa de Pós Graduação Interdisciplinar em Humanidades Digitais (PPGIHD). Doutor em História pela Unicamp (2002), em 2003 sua Tese de doutorado foi vencedora do Concurso de Teses de Doutorado sobre Relações Raciais e Cultura Negra no Brasil, do Centro de Estudos Afro-Brasileiros e Fundação Ford, sendo publicada em 2008 com o título “Cidadania, cor e disciplina na Revolta dos Marinheiros de 1910”, pela editora Mauad. Atualmente, desenvolve os projetos Memórias Brasileiras (MEC-CAPES) e Apoio às Instituições de Ensino e Pesquisa Sediadas no Rio de Janeiro (FAPERJ), e ainda coordena o Grupo de Estudos Pós Abolição e os Mundos do Trabalho.

Prof. Doutor Edgar Ávila Gandra: Doutor em História pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul – UFRGS (2004)., atualmente é Professor Associado II da Universidade Federal de Pelotas – UFPEL atuando no Departamento de História, no Programa de Pós Graduação em História – PPGH e no Curso de Educação do Campo. Também Lecionou no MBA em Gestão de Pessoas -UNICENTRO-PR. Tem experiência de pesquisa em temáticas sobre História do Trabalho. História Portuária e Movimentos Sociais. Foi bolsista do Programa de Estágio Sênior Capes no Exterior na Universidade do Porto-PT. Professor colaborador do CITCEM-Universidade do Porto-PT.

Prof. Doutor Jorge Magasich Airola: Doutor em História pela Universidad Libre de Bruselas, Bélgica, é professor titular (jubilado) no Institut des Hautes Etudes des Communications Sociales de Bruselas, Bélgica.

Prof. Doutor Anderson Almeida: Doutor em História Social pela Universidade Federal Fluminense – UFF (2014), desenvolve pesquisas com foco no período da ditadura civil-militar (1964-1985) com uma abordagem voltada para a História Política e a História do Tempo Presente, como também as relações entre Memória, História, Música, Folhetos de Cordel e Biografias. No segundo semestre de 2012 realizou estágio de doutorado (Bolsa CAPES) como pesquisador visitante do Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa/ ICS-UL. Entre 2014 e 2018 atuou como membro da Comissão do Prêmio Memórias Reveladas do Arquivo Nacional. Atualmente é Professor Adjunto da Universidade Federal de Alagoas atuando na Graduação e Pós-Graduação.

Prof. Doutor Danny Gonzalo Monsálvez Araneda: Doutor em História é professor de História do Chile no Departamento de Ciências Históricas e Sociais da Universidad de Concepción e professor da Escuela de Educación Universidad de las Américas, sede Concepción, Chile.

Prof. Doutor Ricardo Santos da Silva: Doutor em Ciências Sociais pela  Universidade Estadual Paulista – UNESP, campus de Marília, e membro do Grupo de Pesquisa “Militares, Democracia e Esquerda Militar” (CNPq).

Prof. Mestre Roberto Merino Jorquera: Mestre em Sociologia Política pela Université Paris 8, Vincennes Saint-Denis, França. É membro do Centro de Estudios Sociales y Políticos del Club Social y Deportivo Colo Colo e do Núcleo de Investigación Sociología del Cuerpo y las Emociones, Departamento de Sociologia da Faculdade de Ciências Sociais da Universidad de Chile.

Sra. Elizabeth Moraga Zamora: Realizadora audiovisual e pesquisadora independente, vinculada à Cooperativa Plan B de Valparaíso, Chile.

Sr. Carlos García Herrera: Marinheiro Primeiro em 1973, servindo no Cruzador Prat. Ingressou na Marinha em 1969, quando teve matrícula na Escola de Grumetes. Após concluir o curso, foi selecionado para compor a guarnição do Navio-escola Esmeralda, em 1970. Seguiu seus estudos na Escola de Eletrônica da Marinha, sendo, em 1973, designado para integrar a tripulação do Cruzador Prat, como mecânico eletrônico, trabalhando nos radares do navio. Foi detido na noite de 7 para 8 de agosto, sendo torturado no Forte Borgoño e condenado a três anos de prisão, onde passou a integrar o Movimiento de Izquierda Revolucionaria (MIR). Quando deixou a prisão, negou-se a partir para o exílio e decidiu continuar lutando nas fileiras do MIR. Detido novamente, em janeiro de 1981, permaneceu preso até novembro de 1992, quando aceitou substituir em exílio sua condenação de prisão. Atualmente vive, ainda exilado, na Bélgica.

Compartilhe