Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul

Cursos,Especialização,Extensão,MBA,Idiomas,Educação,Vestibular,Pós-Graduação,Educação

Cursos

Graduação

Pós-Graduação

MBA

Vestibular

Curso de Fisioterapia

1. Dados do Curso
Curso: Fisioterapia Currículo Vigente: 3615
CARGA HORÁRIA 4000
CRÉDITOS 242
DURAÇÃO 10 semestres
TURNO manha / tarde
VAGAS Vagas 1° semestre 60
Vagas 2° semestre --
DISCIPLINAS ELETIVAS: total de carga horária no curso 180
ATIVIDADES COMPLEMENTARES: total de horas no curso 105
ESTÁGIO: Carga horária total do Estágio 1135
ATOS LEGAIS DO CURSO
Ato de aprovação do currículo em vigor (PUCRS) Resolução nº 48 Data 29/10/2015
Ato do último reconhecimento do curso (MEC) Portaria nº 822 D.O.U 02/01/2015
Diretrizes Curriculares Nacionais vigentes Resolução CNE/CES nº 4 D.O.U 19/02/2002
2. Perfil do Egresso

O Curso de Graduação em Fisioterapia da PUCRS tem como perfil do egresso o Fisioterapeuta com formação generalista, humanista, científica, crítica e reflexiva, capacitado a atuar em todos os níveis de atenção à saúde. Detém visão ampla e global, respeitando os princípios éticos/bioéticos e culturais do indivíduo e da coletividade. Tem como objeto de estudo o movimento humano em todas as suas formas de expressão e potencialidades, objetivando promover, manter, prevenir, proteger e recuperar a saúde das pessoas, na perspectiva da integralidade. Integra-se a ações de saúde, contemplando a elaboração do diagnóstico físico e funcional, planejamento e execução dos procedimentos fisioterapêuticos pertinentes a cada situação.

O Fisioterapeuta formado pelo curso de Fisioterapia da PUCRS deve conhecer, com profundidade, as bases da ciência fisioterapêutica a partir dos princípios educativos do aprender a ser, conhecer e fazer, fundamentado no respeito à pessoa. Deve ser um agente transformador da realidade da saúde, comprometido com a atualização permanente e com a produção de conhecimento, visando a qualidade de cuidado para a comunidade.
O perfil do egresso formado pela PUCRS estará em consonância com as competências e habilidades gerais e específicas enunciadas no parecer CNE/CES nº 4/2002, que instituiu as Diretrizes Curriculares Nacionais para os Cursos de Fisioterapia,

Competências e Habilidades Gerais:

    •  Atenção à saúde: os profissionais de saúde, dentro de seu âmbito profissional, devem estar aptos a desenvolver ações de prevenção, promoção, proteção e reabilitação da saúde, tanto em nível individual quanto coletivo. Cada profissional deve assegurar que sua prática seja realizada de forma integrada e contínua com as demais instâncias do sistema de saúde, sendo capaz de pensar criticamente, de analisar os problemas da sociedade e de procurar soluções para os mesmos. Os profissionais devem realizar seus serviços dentro dos mais altos padrões de qualidade e dos princípios da ética/bioética, tendo em conta que a responsabilidade da atenção à saúde não se encerra com o ato técnico, mas sim, com a resolução do problema de saúde, tanto em nível individual como coletivo;
    • Tomada de decisões: o trabalho dos profissionais de saúde deve estar fundamentado na capacidade de tomar decisões visando o uso apropriado, eficácia e custo-efetividade, da força de trabalho, de medicamentos, de equipamentos, de procedimentos e de práticas. Para este fim, os mesmos devem possuir competências e habilidades para avaliar, sistematizar e decidir as condutas mais adequadas, baseadas em evidências científicas;
    • Comunicação: os profissionais de saúde devem ser acessíveis e devem manter a confidencialidade das informações a eles confiadas, na interação com outros profissionais de saúde e o público em geral. A comunicação envolve comunicação verbal, não-verbal e habilidades de escrita e leitura; o domínio de, pelo menos, uma língua estrangeira e de tecnologias de comunicação e informação;
    • Liderança: no trabalho em equipe multiprofissional, os profissionais de saúde deverão estar aptos a assumirem posições de liderança, sempre tendo em vista o bem-estar da comunidade. A liderança envolve compromisso, responsabilidade, empatia, habilidade para tomada de decisões, comunicação e gerenciamento de forma efetiva e eficaz;
    • Administração e gerenciamento: os profissionais devem estar aptos a tomar iniciativas, fazer o gerenciamento e administração tanto da força de trabalho, dos recursos físicos e materiais e de informação, da mesma forma que devem estar aptos a serem empreendedores, gestores, empregadores ou lideranças na equipe de saúde;
    • Educação permanente: os profissionais devem ser capazes de aprender continuamente, tanto na sua formação, quanto na sua prática. Desta forma, os profissionais de saúde devem aprender a aprender e ter responsabilidade e compromisso com a sua educação e o treinamento/estágios das futuras gerações de profissionais, mas proporcionando condições para que haja benefício mútuo entre os futuros profissionais e os profissionais dos serviços, inclusive, estimulando e desenvolvendo a mobilidade acadêmico/profissional, a formação e a cooperação através de redes nacionais e internacionais.
    • Dotar o profissional dos conhecimentos requeridos para o exercício das seguintes competências e habilidades específicas:

Competências e Habilidades Específicas:

  • Respeitar os princípios éticos inerentes ao exercício profissional;
  • Atuar em todos os níveis de atenção à saúde, integrando-se em programas de promoção, manutenção, prevenção, proteção e recuperação da saúde, sensibilizados e comprometidos com o ser humano, respeitando-o e valorizando-o;
  • Atuar multiprofissionalmente, interdisciplinarmente e transdisciplinarmente com extrema produtividade na promoção da saúde baseado na convicção científica, de cidadania e de ética;
  • Reconhecer a saúde como direito e condições dignas de vida e atuar de forma a garantir a integralidade da assistência, entendida como conjunto articulado e contínuo das ações e serviços preventivos e curativos, individuais e coletivos, exigidos para cada caso em todos os níveis de complexidade do sistema;
  • Contribuir para a manutenção da saúde, bem-estar e qualidade de vida das pessoas, famílias e comunidade, considerando suas circunstâncias éticas, políticas, sociais, econômicas, ambientais e biológicas;
  • Realizar consultas, avaliações e reavaliações do paciente colhendo dados, solicitando, executando e interpretando exames propedêuticos e complementares que permitam elaborar um diagnóstico cinético-funcional, para eleger e quantificar as intervenções e condutas fisioterapêuticas apropriadas, objetivando tratar as disfunções no campo da Fisioterapia, em toda sua extensão e complexidade, estabelecendo prognóstico, reavaliando condutas e decidindo pela alta fisioterapêutica;
  • Elaborar criticamente o diagnóstico cinético funcional e a intervenção fisioterapêutica, considerando o amplo espectro de questões clínicas, científicas, filosóficas éticas, políticas, sociais e culturais implicadas na atuação profissional do fisioterapeuta, sendo capaz de intervir nas diversas áreas onde sua atuação profissional seja necessária;
  • Exercer sua profissão de forma articulada ao contexto social, entendendo-a como uma forma de participação e contribuição social;
  • Desempenhar atividades de planejamento, organização e gestão de serviços de saúde públicos ou privados, além de assessorar, prestar consultorias e auditorias no âmbito de sua competência profissional;
  • Emitir laudos, pareceres, atestados e relatórios;
  • Prestar esclarecimentos, dirimir dúvidas e orientar o indivíduo e os seus familiares sobre o processo terapêutico;
  • Manter a confidencialidade das informações, na interação com outros profissionais de saúde e o público em geral;
  • Encaminhar o paciente, quando necessário, a outros profissionais relacionando e estabelecendo um nível de cooperação com os demais membros da equipe de saúde;
  • Manter controle sobre à eficácia dos recursos tecnológicos pertinentes à atuação fisioterapêutica garantindo sua qualidade e segurança;
  • Conhecer métodos e técnicas de investigação e elaboração de trabalhos acadêmicos e científicos;
    Conhecer os fundamentos históricos, filosóficos e metodológicos da Fisioterapia, seus diferentes modelos de intervenção, atendendo ao sistema de saúde vigente no país, a atenção integral da saúde no sistema regionalizado e hierarquizado de referência e contra-referência e o trabalho em equipe.

 

3. Forma de Acesso ao Curso

FORMA DE ACESSO AO CURSO

O acesso aos cursos de graduação da Universidade dá-se mediante processo seletivo, com fundamento no Regimento Geral da PUCRS, cabendo à Câmara de Graduação e Pós-Graduação fixar as normas do referido processo.

Os candidatos aos cursos da PUCRS podem valer-se das seguintes modalidades de acesso: Concurso Vestibular, Vestibular Complementar, transferência, ingresso mediante diploma de curso superior ou PROUNI. Existe, também, a possibilidade de ingresso como estudante-convênio, dentro do limite de vagas estabelecido no respectivo convênio. A mudança de curso por reopção do aluno pode ser concedida, na existência de vaga, pelo Diretor da Faculdade a que está vinculado o curso pretendido.

O detalhamento das normas para o Concurso Vestibular é publicado por meio de edital, do qual se destacam os seguintes tópicos:

As inscrições ao Concurso Vestibular são oferecidas a candidatos que tenham concluído o ensino médio ou equivalente, ou a portadores de diploma de conclusão de curso superior oficial ou reconhecido.

O critério que orienta a seleção dos candidatos é a verificação de capacidades e habilidades intelectuais, nos níveis de conhecimento, compreensão, aplicação e análise. A prova de Língua Portuguesa consta de questões objetivas e de uma questão de redação. As demais provas são objetivas, com questões de múltipla escolha sobre conteúdos específicos. Todas as provas visam verificar as capacidades e habilidades intelectuais do candidato, sendo que, a cada candidato, numa dada disciplina, corresponde um escore bruto e um escore padronizado.

Devido à determinação expressa na Portaria MEC nº 391, de 7 de fevereiro de 2002, candidatos que obtiverem grau zero na redação estarão automaticamente eliminados do Concurso Vestibular. Assim sendo, o mínimo que o candidato deve obter para concorrer a uma vaga na Universidade é a nota 1.

Para cada candidato é calculada a média aritmética ponderada dos seus escores padronizados, considerando-se, para isso, os pesos indicados em tabela constante no Manual do Candidato, que variam de acordo com o curso escolhido. A classificação, visando ao preenchimento das vagas de um curso, é baseada na ordem decrescente das médias obtidas pelos candidatos. Se ocorrer algum empate e não houver possibilidade de aproveitar todos os envolvidos, o desempate será efetuado mediante o emprego da média harmônica dos escores padronizados.

Encerrado o prazo estabelecido para as matrículas de 1ª chamada do Concurso Vestibular e constatado o não comparecimento de candidatos classificados, serão chamados outros candidatos relacionados em lista de espera condicionada às vagas existentes, levando-se em conta os mesmos critérios de classificação já expressos.

No caso de existência de vagas remanescentes após concluído todo o processo de matrículas relativo ao Concurso Vestibular, será realizado Vestibular Complementar, independente, constituído de prova única de redação.

O preenchimento das vagas referente ao Programa Universidade para Todos (PROUNI), instituído pela Lei nº 11.096/2005, é feito com base na classificação do ENEM, fornecida pelo Ministério da Educação.

4. Sistema de avaliação do processo de ensino e aprendizagem

De acordo com o Regimento Geral da PUCRS, o sistema de avaliação define-se conforme extrato do artigo descrito abaixo:

Art. 68.  O aproveitamento escolar do aluno em uma disciplina, no semestre, é expresso por um grau de 0 (zero) a 10,0 (dez), com uma casa decimal, denominado G1.
§ 1o  A forma de obtenção do grau G1 é definida no projeto pedagógico do curso e no plano de ensino de cada disciplina.
§ 2o  O grau G1 é expressão da aprendizagem obtida por meio de instrumentos e procedimentos como um conjunto de verificações, exercícios, trabalhos teórico-práticos, projetos e/ou atividades, relatórios, de acordo com as peculiaridades da disciplina.
§ 3o  O docente responsável pela disciplina deve apresentar aos alunos, no primeiro dia de atividades letivas de cada semestre, os critérios e as modalidades de instrumentos de avaliação e a forma de cálculo para obtenção do grau G1, juntamente com o cronograma da disciplina.
§ 4o  Os critérios de avaliação e a forma de cálculo de obtenção do grau G1 não podem ser alterados durante o semestre.

 

5. Estágio Curricular

O estágio curricular do Curso de Fisioterapia conta com normas próprias, aprovadas pelo colegiado da Faculdade (Apêndice III), sendo dimensionado em 1135 horas, a serem realizadas no período de 11 meses. O turno do estágio poderá ser manhã ou tarde.

Os cenários de estágio curricular estão divididos em área hospitalar, ambulatorial e comunitária.
O estágio na área hospitalar, realizado no Hospital São Lucas da PUCRS (HSL-PUCRS), abrange as Unidades de Tratamento Intensivo e as Enfermarias. A área ambulatorial é composta pelo ambulatório de Fisioterapia do HSL-PUCRS e pelo Centro de Reabilitação da PUCRS. A área comunitária contempla o Centro de Extensão Universitária da PUCRS e instituições conveniadas.

Os cenários de estágio estão alocados de forma a atender aos três níveis de atenção à saúde e às diretrizes curriculares da Fisioterapia. Buscam propiciar vivências da práxis da Fisioterapia em situações reais de trabalho tanto em nível de prevenção, quanto de promoção e reabilitação da saúde das pessoas.
No estágio curricular, o curso de Fisioterapia, intensifica o desenvolvimento das competências para formação profissional no contexto da integralidade, bem como o aprofundamento de questões teórico-práticas específicas. Neste sentido, a supervisão docente se faz necessária de uma forma bastante intensa devido ao cuidado para com a saúde das pessoas que serão atendidas pelos acadêmicos. Ao contrário de outras profissões da área da saúde, que possuem o treinamento intenso ao longo do curso, os currículos dos cursos de fisioterapia, embora estruturados em mecanismos de complexidade crescente e inserção ao longo do curso do contato com a prática profissional, intensificam no estágio curricular uma parcela importante do treinamento exigido para formação profissional.

Nos cenários onde ocorrem os estágios curriculares obrigatórios do Curso de Fisioterapia, atendendo as diretrizes da Lei Nº 11.788, DE 25 DE SETEMBRO DE 2008, que regulamenta o estágio curricular obrigatório e não obrigatório de todas as categorias profissionais do país, a equipe é formada pelo orientador de estágio (professor do curso de fisioterapia), supervisor de estágio (fisioterapeuta disponibilizado pela instituição que recebe os estagiários) e o coordenador geral dos estágios (professor do curso de fisioterapia em regime de tempo integral).

6. Curriculo Completo
Nome da Disciplina
Carga Horária
Nível
Anatomia de Orgãos e Sistemas
60
1

Disciplina em implantação

Biofísica
60
1

Disciplina em implantação

BioquÍmica
60
1

Disciplina em implantação

Fundamentos de Fisioterapia I
60
1

Disciplina em implantação

Histologia e Embriologia geral
45
1

Disciplina em implantação

Anatomia Músculo - Esquelética
90
2

Disciplina em implantação

Biologia Celular e Genética
30
2

Disciplina em implantação

Fisiologia Humana
90
2

Disciplina em implantação

Fundamentos da Fisioterapia II
60
2

Disciplina em implantação

Aspectos Clínicos da Neurofunção
90
3

Disciplina em implantação

Cinesiologia I
60
3

Disciplina em implantação

Farmacologia Básica
30
3

Disciplina em implantação

Imunologia
30
3

Disciplina em implantação

Inovação e Desenvolvimento em Saúde
30
3

Disciplina em implantação

Microbiologia e Parasitologia
30
3

Disciplina em implantação

Patologia Básica
30
3

Disciplina em implantação

Cinesiologia II
90
4

Disciplina em implantação

Eletrofototermoterapia
60
4

Disciplina em implantação

Filosofia e Bioética
60
4

Disciplina em implantação

Processo de Trabalho em Fisioterapia
30
4

Disciplina em implantação

Recursos Terapêuticos Manuais
60
4

Disciplina em implantação

Vivências em Pilates
30
4

Disciplina em implantação

Cinesioterapia I
45
5

Disciplina em implantação

Fisioterapia Dermatofuncional
60
5

Disciplina em implantação

Fisioterapia Funcional
90
5

Disciplina em implantação

Fisioterapia Músculo - Esquelética I
60
5

Disciplina em implantação

Fisioterapia Neurofuncional I
60
5

Disciplina em implantação

Fundamentos Clínicos do Método Pilates
30
5

Disciplina em implantação

Prática Assistida em Fisio. do Mov. Hum. I
45
5

Disciplina em implantação

Cinesioterapia II
30
6

Disciplina em implantação

Fisioterapia Músculo - Esquelética II
60
6

Disciplina em implantação

Fisioterapia Neurofuncional II
60
6

Disciplina em implantação

Fisioterapia Pélvica
45
6

Disciplina em implantação

Função Cardioventilatória I
60
6

Disciplina em implantação

Prat. Assistida em Fisiot. do Mov. Hum. II
45
6

Disciplina em implantação

Prát. Assist. em Func. Cardioventilatória I
45
6

Disciplina em implantação

Trabalho Integrado em Saúde
30
6

Disciplina em implantação

Cinesioterapia III
60
7

Disciplina em implantação

Fisioterapia Aquática
60
7

Disciplina em implantação

Fisioterapia Desportiva
30
7

Disciplina em implantação

Função Cardioventilatória II
60
7

Disciplina em implantação

Humanismo e Cultura Religiosa
60
7

Disciplina em implantação

Pesquisa em Saúde
30
7

Disciplina em implantação

Prát. Assistida em Função Cardiov. II
45
7

Disciplina em implantação

Psicologia
30
7

Disciplina em implantação

Análise e Interpretação da Literatura Científica
30
8

Disciplina em implantação

Disciplinas Eletivas
180
8

Disciplina em implantação

Estágio Supervisionado I (115H)
115
8

Disciplina em implantação

Exame de Proficiência em Língua Inglesa
60
8

Disciplina em implantação

Função Cardioventilatória III
90
8

Disciplina em implantação

Prática Assistida em Função Cardiov. III
45
8

Disciplina em implantação

Seminários Clínicos em Fisioterapia
30
8

Disciplina em implantação

Estágio Supervisionado II (510h)
510
9

Disciplina em implantação

Trabalho de Conclusão I
30
9

Disciplina em implantação

Atividades Complementares (105 Hrs)
105
10

Disciplina em implantação

Estágio Supervisionado III (510h)
510
10

Disciplina em implantação

Trabalho de Conclusão II
30
10

Disciplina em implantação

Dados atualizados até 26/11/2020