Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul

Cursos,Especialização,Extensão,MBA,Idiomas,Educação,Vestibular,Pós-Graduação,Educação

Cursos

Graduação

Pós-Graduação

MBA

Vestibular

Curso de Física: Geofísica

1. Dados do Curso
Curso: Física: Geofísica Currículo Vigente: 4213
CARGA HORÁRIA 2940
CRÉDITOS 188
DURAÇÃO 8 semestres
TURNO
VAGAS Vagas 1° semestre
Vagas 2° semestre
DISCIPLINAS ELETIVAS: total de créditos no curso 180
ATIVIDADES COMPLEMENTARES: total de horas no curso 120
ESTÁGIO: Carga horária total do Estágio 0
ATOS LEGAIS DO CURSO
Ato de aprovação do currículo em vigor (PUCRS) Resolução nº 67 Data 25/11/2015
Ato do último reconhecimento do curso (MEC) Portaria nº 286 D.O.U 27/12/2012
Diretrizes Curriculares Nacionais vigentes Resolução CNE/CES nº 9 D.O.U 11/03/2002
2. Perfil do Egresso

O Curso de Bacharelado em Física da PUCRS propõe dois perfis de formação que correspondem ao que as diretrizes referem-se como físico–interdisciplinar, produzidos a partir de diferentes eixos disciplinares complementares a um núcleo básico comum de conhecimentos.

Um dos perfis de formação refere-se Bacharel em Física com Linha de Formação em Física Médica, existente na PUCRS desde 1990. Dedicando-se prioritariamente a fazer a conexão entre o instrumental (teórico e/ou experimental) da Física e a área da saúde, este profissional atua de forma conjunta e harmônica com especialistas de outras áreas, tais como médicos, odontólogos, biólogos, engenheiros, químicos e administradores.

O outro perfil, que está sendo proposto, é o do Bacharel em Física com linha de formação em Geofísica. Este profissional atua no planejamento de levantamentos de campo, seleção de equipamentos e metodologias aplicadas na aquisição, processamento e interpretação de dados referentes aos fenômenos físicos da Terra e relaciona-se diretamente com geólogos, geógrafos, engenheiros, matemáticos e administradores.

Do ponto de vista estrutural, o presente projeto propõe uma formação ao mesmo tempo ampla e flexível, que busca desenvolver habilidades e conhecimentos necessários às expectativas atuais, com capacidade de adequação a diferentes perspectivas de atuação futura. Neste sentido, “o formando em Física necessita de qualificações profissionais básicas comuns, que devem corresponder a objetivos claros de formação para todos os cursos de graduação em Física, bacharelados ou licenciaturas” (Parecer CNE/CP 1304/2001, p. 4).

O perfil do egresso do Curso de Física abrange o domínio de conhecimentos básicos de Física e os conhecimentos das formações específicas, a aplicação desses conhecimentos, a postura profissional frente à área de atuação e o comprometimento com sua formação continuada.

Nessa perspectiva, o egresso do Curso de Física, em qualquer uma das formações, deve estar apto a:

  • descrever e explicar fenômenos naturais, processos e equipamentos tecnológicos em sua área de atuação, em termos de conceitos, teorias e princípios físicos gerais;
  • identificar problemas físicos, experimentais ou teóricos, práticos ou abstratos, formulando e encaminhando soluções baseadas em metodologia científica e instrumental apropriadas;
  • compreender a ciência como conhecimento histórico, desenvolvido em diferentes contextos sociopolíticos, culturais e econômicos;
  • agir com autonomia, iniciativa, responsabilidade e consciência ético-profissional-social-ambiental;
  • estabelecer um bom relacionamento com profissionais da sua área e de outras áreas;
  • manter atualizada sua cultura científica geral e sua cultura técnica profissional específica, buscando formas de educação continuada;
  • utilizar a linguagem matemática para expressão dos fenômenos naturais;
  • empregar a linguagem científica, tanto na forma oral quanto escrita, para comunicar os resultados científicos em relatórios técnicos, artigos, seminários e palestras, entre outros;
  • abordar e resolver problemas teóricos e/ou experimentais através de metodologias científicas, sendo capaz de analisar dados e interpretar resultados;
  • propor, elaborar e utilizar modelos físicos, reconhecendo seus domínios de validade;
  • concentrar esforços e persistir na busca de soluções para problemas;
  • utilizar os recursos das tecnologias da informação e comunicação, dispondo de noções de linguagem computacional;
  • desenvolver autonomia no processo de aprendizagem;
  • reconhecer as relações entre o desenvolvimento da Física com outras áreas do saber, tecnologias e instâncias sociais.

As competências apontadas anteriormente são desenvolvidas ao longo do Curso de Física, independentemente da área de atuação.

Cada formação do Curso de Física da PUCRS desenvolve, além das competências gerais especificadas anteriormente, competências específicas relacionadas à atuação profissional.

O Bacharel em Física – Linha de Formação: Física Médica tem sua atuação principal em instituições de saúde, órgãos de vigilância sanitária e empresas de informática, de equipamentos eletromédicos, eletroeletrônicos e de medição. Sua atuação se dá na formação e capacitação de recursos humanos, no desenvolvimento de pesquisas básicas e aplicadas em universidades e centros de pesquisas, em empresas de assessoria e consultoria, em programas de garantia da qualidade, na dosimetria das radiações e na proteção radiológica.

O egresso do Bacharelado em Física – Linha de Formação: Física Médica deve desenvolver competências específicas do físico-interdisciplinar na área biomédica, tais como:

  • elaborar projetos de pesquisa multi e interdisciplinares; desenvolver metodologias científicas no tratamento de problemas;
  • administrar e organizar equipes de trabalho; atuar harmonicamente em equipes multiprofissionais;
  • realizar consultorias e assessorias para a aquisição de materiais e equipamentos eletromédicos;
  • elaborar programas de garantia da qualidade de equipamentos emissores de radiação;
  • identificar e avaliar os parâmetros físicos relevantes para a detecção, processamento e análise de sinais e imagens; elaborar projetos para instalação de equipamentos de terapia e de diagnóstico por imagem e laboratórios destinados ao manuseio de fontes e aparelhos emissores de radiação; realizar e acompanhar rotinas em ambiente hospitalar, tais como, calibração de equipamentos, controle da qualidade, testes para aferição preventiva dos equipamentos e testes de aceitação; manusear com segurança fontes emissoras de radiação ionizante, seladas e não seladas; manter atualizado o seu conhecimento sobre a legislação que rege a sua área de atuação profissional.

O Bacharel em Física – Linha de Formação: Geofísica tem sua atuação principal em empresas de prospecção e extração de água, minerais industriais, rochas ornamentais, minérios e hidrocarbonetos, para avaliação e prevenção de desastres naturais, , monitoramento ambiental, busca de reservatórios de água e desenvolvimento de formas não convencionais de geração de energia; em institutos de pesquisa focados na compreensão dos fenômenos físicos que ocorrem na subsuperfície do Planeta e em suas vizinhanças.

O Bacharel em Física – Linha de Formação: Geofísica deve desenvolver competências específicas físico-interdisciplinar, tais como: elaborar projetos de pesquisa multi e interdisciplinares; desenvolver metodologias científicas no tratamento de problemas; administrar e organizar equipes de trabalho; atuar harmonicamente em equipes multiprofissionais; identificar e avaliar os parâmetros físicos relevantes para a detecção, processamento e análise de sinais e imagens; elaborar projetos para instalação de equipamentos de coleta de dados de fenômenos naturais e artificiais; planejar, realizar e acompanhar rotinas de aquisição de dados em situações no continente (incluindo rios, lagos e reservatórios) e no mar, envolvendo técnicas de gravimetria, sismologia, geomagnetismo, propriedades mecânicas, ópticas e isotópicas de rochas e sedimentos; desenvolver estudos em oceanologia, climatologia, meteorologia, aeronomia, vulcanologia e nas relações Sol-Terra; descrever os movimentos das placas tectônicas e buscar prever desastres naturais como terremotos, erupções, movimentos de massa e tsunamis; auxiliar engenheiros e geocientistas em projetos de engenharia geofísica.

3. Forma de Acesso ao Curso

FORMA DE ACESSO AO CURSO

O acesso aos cursos de graduação da Universidade dá-se mediante processo seletivo, com fundamento no Regimento Geral da PUCRS, cabendo à Câmara de Graduação e Pós-Graduação fixar as normas do referido processo.

Os candidatos aos cursos da PUCRS podem valer-se das seguintes modalidades de acesso: Concurso Vestibular, Vestibular Complementar, transferência, ingresso mediante diploma de curso superior ou PROUNI. Existe, também, a possibilidade de ingresso como estudante-convênio, dentro do limite de vagas estabelecido no respectivo convênio. A mudança de curso por reopção do aluno pode ser concedida, na existência de vaga, pelo Diretor da Faculdade a que está vinculado o curso pretendido.

O detalhamento das normas para o Concurso Vestibular é publicado por meio de edital, do qual se destacam os seguintes tópicos:

As inscrições ao Concurso Vestibular são oferecidas a candidatos que tenham concluído o ensino médio ou equivalente, ou a portadores de diploma de conclusão de curso superior oficial ou reconhecido.

O critério que orienta a seleção dos candidatos é a verificação de capacidades e habilidades intelectuais, nos níveis de conhecimento, compreensão, aplicação e análise. A prova de Língua Portuguesa consta de questões objetivas e de uma questão de redação. As demais provas são objetivas, com questões de múltipla escolha sobre conteúdos específicos. Todas as provas visam verificar as capacidades e habilidades intelectuais do candidato, sendo que, a cada candidato, numa dada disciplina, corresponde um escore bruto e um escore padronizado.

Devido à determinação expressa na Portaria MEC nº 391, de 7 de fevereiro de 2002, candidatos que obtiverem grau zero na redação estarão automaticamente eliminados do Concurso Vestibular. Assim sendo, o mínimo que o candidato deve obter para concorrer a uma vaga na Universidade é a nota 1.

Para cada candidato é calculada a média aritmética ponderada dos seus escores padronizados, considerando-se, para isso, os pesos indicados em tabela constante no Manual do Candidato, que variam de acordo com o curso escolhido. A classificação, visando ao preenchimento das vagas de um curso, é baseada na ordem decrescente das médias obtidas pelos candidatos. Se ocorrer algum empate e não houver possibilidade de aproveitar todos os envolvidos, o desempate será efetuado mediante o emprego da média harmônica dos escores padronizados.

Encerrado o prazo estabelecido para as matrículas de 1ª chamada do Concurso Vestibular e constatado o não comparecimento de candidatos classificados, serão chamados outros candidatos relacionados em lista de espera condicionada às vagas existentes, levando-se em conta os mesmos critérios de classificação já expressos.

No caso de existência de vagas remanescentes após concluído todo o processo de matrículas relativo ao Concurso Vestibular, será realizado Vestibular Complementar, independente, constituído de prova única de redação.

O preenchimento das vagas referente ao Programa Universidade para Todos (PROUNI), instituído pela Lei nº 11.096/2005, é feito com base na classificação do ENEM, fornecida pelo Ministério da Educação.

4. Sistema de avaliação do processo de ensino e aprendizagem

De acordo com o Regimento Geral da PUCRS, o sistema de avaliação define-se conforme extrato do artigo descrito abaixo:

Art. 68.  O aproveitamento escolar do aluno em uma disciplina, no semestre, é expresso por um grau de 0 (zero) a 10,0 (dez), com uma casa decimal, denominado G1.
§ 1o  A forma de obtenção do grau G1 é definida no projeto pedagógico do curso e no plano de ensino de cada disciplina.
§ 2o  O grau G1 é expressão da aprendizagem obtida por meio de instrumentos e procedimentos como um conjunto de verificações, exercícios, trabalhos teórico-práticos, projetos e/ou atividades, relatórios, de acordo com as peculiaridades da disciplina.
§ 3o  O docente responsável pela disciplina deve apresentar aos alunos, no primeiro dia de atividades letivas de cada semestre, os critérios e as modalidades de instrumentos de avaliação e a forma de cálculo para obtenção do grau G1, juntamente com o cronograma da disciplina.
§ 4o  Os critérios de avaliação e a forma de cálculo de obtenção do grau G1 não podem ser alterados durante o semestre.

 

5. Estágio Curricular

Os alunos do curso de Bacharelado em Física – Linha de Atuação Geofísica não serão obrigados a realizar estágios obrigatórios. Suas atividades de treinamento para o exercício da profissão serão desenvolvidas nas saídas de campo nas disciplinas específicas do curso.

6. Curriculo Completo
Nome da Disciplina
Carga Horária
Nível
Astronomia
60
1

Disciplina em implantação

Cálculo I
60
1

Disciplina em implantação

Geometria Analítica
30
1

Disciplina em implantação

Seminários de Física
30
1

Disciplina em implantação

Tópicos de Física Clássica
60
1

Disciplina em implantação

Tópicos de Física Contemporânea
60
1

Disciplina em implantação

Cálculo Diferencial e Integral III
30
2

Disciplina em implantação

Cálculo II
60
2

Disciplina em implantação

Fluídos e Termodinâmica
60
2

Disciplina em implantação

Física Geral e Experimental I
90
2

Disciplina em implantação

Química Geral
60
2

Disciplina em implantação

Ética e Filosofia da Ciência
60
2

Disciplina em implantação

Computação e Solução de Problemas I
60
3

Disciplina em implantação

Cálculo Diferencial e Integral IV
60
3

Disciplina em implantação

Eletricidade e Magnetismo
90
3

Disciplina em implantação

Estruturas Geológicas
60
3

Disciplina em implantação

Pesquisa em Física I
30
3

Disciplina em implantação

Trabalho de Campo A
15
3

Disciplina em implantação

Óptica e Ondas
60
3

Disciplina em implantação

Cartografia
60
4

Disciplina em implantação

Física Moderna
90
4

Disciplina em implantação

Matemática Aplicada
60
4

Disciplina em implantação

Mecânica Clássica II
60
4

Disciplina em implantação

Pesquisa em Física II
30
4

Disciplina em implantação

Álgebra Matricial
30
4

Disciplina em implantação

Física Quântica
90
5

Disciplina em implantação

Humanismo e Cultura Religiosa
60
5

Disciplina em implantação

Instrumentação e Medidas
60
5

Disciplina em implantação

Pesquisa em Física III
30
5

Disciplina em implantação

Sedimentologia e Ambientes de Sedimentação
30
5

Disciplina em implantação

Tectônica e Bacias Sedimentares
30
5

Disciplina em implantação

Teoria Eletromagnética
60
5

Disciplina em implantação

Aerofotogrametria
60
6

Disciplina em implantação

Disciplina Eletiva
180
6

Disciplina eletiva: o horário da disciplina e o docente que a lecionará, dependera da escolha feita pelo aluno no momento de sua matrícula.

Física Nuclear e de Partículas
60
6

Disciplina em implantação

Física Teórica e Computacional
60
6

Disciplina em implantação

Hidrologia Aplicada
60
6

Disciplina em implantação

Teoria da Relatividade
30
6

Disciplina em implantação

Termodinâmica
60
6

Disciplina em implantação

Física do Estado Sólido
60
7

Disciplina em implantação

Mecânica Estatística
30
7

Disciplina em implantação

Origens e Desenvolvimento da Física
60
7

Disciplina em implantação

Sensoriamento Remoto
60
7

Disciplina em implantação

Sismoestratigrafia e Estratigrafia de Sequências
30
7

Disciplina em implantação

Topografia A
60
7

Disciplina em implantação

Atividades Complementares (120h)
120
8

Disciplina em implantação

Geofísica Aplicada
30
8

Disciplina em implantação

Métodos Eletromagnéticos e Potenciais
30
8

Disciplina em implantação

Métodos Sísmicos
60
8

Disciplina em implantação

Perfilagem de Poços
30
8

Disciplina em implantação

Processamento Digital de Imagens
30
8

Disciplina em implantação

Propriedades Físicas das Rochas
30
8

Disciplina em implantação

Sistemas de Informações Geográficas
60
8

Disciplina em implantação

Trabalho de Campo B
15
8

Disciplina em implantação

Dados atualizados até 23/09/2020