08/04/2020 - 14h12 - Por: Correio do Povo, veiculado em 8 de abril

Heróis da saúde, por Juremir Machado

Professor da Famecos conta sua experiência com profissionais do HSL ao ser diagnosticado com a Covid-19

Heróis da saúde, por Juremir Machado

Foto: Ashkan Forouzani/Unsplash

Há categorias que não podem parar numa pandemia. Não param nunca. Mais do que isso, tornam-se mais essenciais do que nunca. Os seus ombros suportam o nosso mundo de tanta fragilidade, medo, incerteza e desconhecimento. No hospital da PUCRS, eu acompanhei o trabalho heroico de médicos e enfermeiros da equipe do doutor Fabiano Ramos. A qualquer hora da noite, sorriam, consolavam, agiam, entregavam-se serenamente ao que estavam fazendo. Eu ficava pensando em cada um deles, moças, rapazes, tão jovens, tão corajosos, tão generosos, tão fundamentais.

Sempre penso nessas pessoas que escolhem as profissões mais difíceis. Como é complexa a natureza humana. Existem os que não sentem medo, os que se dedicam aos outros, os que exercem a grandeza moral com a tranquilidade de quem, fazendo pequenas ou grandes coisas, sabe entregar a vida ao cuidado do próximo. A emoção ainda não me permite falar dos nomes que têm me ajudado. É como se eu guardasse algo sagrado para um momento especial. Penso neles com carinho. Revejo-os por trás de suas máscaras. Lembro-me de cada palavra que me disseram, da tranquilidade, da serenidade, do conhecimento, do sentido de missão.

Sempre digo que heróis são professores, especialmente professores de ensino fundamental e médios, essas mulheres e homens que andam por este Brasil profundo levando luzes, esperanças, consolo, conselhos e informações. Devo acrescentar que o pessoal da saúde não fica atrás. Cada um que entrava no meu quarto, eu me perguntava: como teria escolhido a saúde? De onde viria? Como chegaria em casa depois de uma jornada de trabalho? Como manter a calma em tempos de tanta tensão e incerteza? No entanto, heroicos e impávidos, lá estavam eles todos os dias e noites, tendo a cada entrada de vestir roupas complicadas.

Quero saudar esses profissionais idealistas em geral, hostilizados em alguns lugares, que escolheram cuidar de nós. Neste mundo de serviços, muitas vezes não pensamos que esse não é um serviço como outro qualquer. Deve ser mesmo uma vocação. Vi médicos e enfermeiros, homens e mulheres, jovens ou menos jovens, que carregavam sabedoria nas expressões francas e cristalinas. Eu me sentia tão desemparado. Eles me passavam tanta confiança, tanta força de presença, tanto amparo psicológico. Nessas situações, parece inevitável, há um momento em que a gente se pergunta: por que eu? Por que comigo?

Os profissionais da saúde, heróis do cotidiano, pareciam me responder silenciosa e empaticamente: não importa, estamos aqui contigo para o que der e vier. Eu me sentia constrangido em incomodá-los, em tocar a campainha por um desconforto qualquer, eles liam meus pensamentos e me estimulavam a não hesitar. Imagino o combate desses heróis em todo o Brasil. Eles são os soldados na linha de frente. A luta será longa e com meios limitados. Cada ato será de valentia, de missão e de humanidade. Quantas vezes, por alguma coisa irrisória ou nem tanto, desacreditamos na humanidade. Os heróis da saúde renovaram a minha crença na humanidade, no humanismo e no humanitarismo. Meus heróis agora têm nome, profissão, rostos por trás das máscaras.

“Imagino o combate desses heróis em todo o Brasil. Eles são os soldados na linha de frente. A luta será longa e com meios limitados. Cada ato será de valentia, de missão e de humanidade.”

Compartilhe

Leia Mais Veja todas

Últimas Notícias

Veja todas notícias