Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul

Cursos,Especialização,Extensão,MBA,Idiomas,Educação,Vestibular,Pós-Graduação,Educação

Cursos

Graduação

Pós-Graduação

MBA

Vestibular

Projeto contemplado pelo CNPq testará método de tratamento para Covid-19

Pesquisador da PUCRS Marcus Herbet Jones utilizará óxido nítrico inalado como possível alternativa

19/06/2020 - 10h47
Projeto contemplado pelo CNPq testará método de tratamento para COVID-19 - Pesquisador da PUCRS Marcus Herbet Jones utilizará método com óxido nítrico inalado para tratamentos

Foto: Francisco Venâncio/Unsplash

O projeto de Marcus Herbert Jones, pesquisador e professor da Escola de Medicina da PUCRS, foi um dos contemplados na chamada Pesquisas para enfrentamento da Covid-19, suas consequências e outras síndromes respiratórias agudas graves, do MCTIC/CNPq/FNDCT/MS/SCTIE/Decit Nº 07/2020. Intitulada como Óxido Nítrico Inalado Para Tratamento de Infeção por SARS-CoV-2: um ensaio clínico aberto, paralelo, multicêntrico e randomizadoa pesquisa busca testar a aplicação do gás como possível tratamento para o novo coronavírus. 

De acordo com Jones, a infecção pelo Covid-19 promove uma doença respiratória grave em um grande número de indivíduos e a progressão é imprevisível, ocorrendo ao longo de cinco a 10 dias. “Até o momento há apenas uma alternativa de tratamento (Remdesivir) com efeitos modestos e incerteza se o tratamento reduz a mortalidade”, explica o pesquisador. Dados recentes da China e dos Estados Unidos relatam taxas de hospitalização de 13,8% e índices de internação em cuidados intensivos de aproximadamente 6,1%. 

Óxido nítrico como tratamento 

Esse tipo de gás solúvel (NO) tem efeito vasodilatador pulmonar seletivo e vem sendo usado com sucesso no tratamento de hipertensão pulmonar em adultos e recém-nascidos. “Em doses mais altas o NO tem potente atividade antimicrobiana e antiviral, inclusive contra bactérias multirresistentes. Um estudo mostrou que a inalação da substância reduziu a gravidade da infecção por coronavírus na epidemia de 2002 (SARS-CoV). Vários estudos mostraram efeitos antivirais e antibacterianos tanto in-vitro como em estudos clínicos”, explica Jones. 

A partir de agora, o pesquisador testará a hipótese de que o óxido nítrico inalado reduz o número de pacientes que evoluem para doença grave com insuficiência ventilatória. De acordo com ele, caso a inalação de óxido nítrico seja benéfica seria possível reduzir a mortalidade e o número de leitos de cuidados intensivos e de ventiladores necessários para atendimento desses pacientes. 

Sobre a chamada 

iniciativa é realizada pelo Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC), Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (FNDCT), Ministério da Saúde (MS) e Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos (SCTIE).