Habilidade de ler melhora com o envelhecimento

Pesquisador canadense ministrou curso na Escola de Humanidades

05/12/2017 - 15h30
Maximiliano Wilson

Fotos: Camila Cunha

A PUCRS recebeu na última semana o psicólogo Maximiliano Wilson, professor da Faculdade de Medicina da Université Laval, em Quebec, no Canadá, e pesquisador do CERVO Brain Research Center, na mesma instituição. Sua principal área de pesquisa é a relação, durante o envelhecimento, entre as habilidades de leitura e o conhecimento que as pessoas têm dos conceitos e objetos do mundo que as rodeia. Chamado de memória semântica, este conhecimento se refere aos significados, compreensão e a todas as formas baseadas em conceitos. Para alunos de Letras e Psicologia, da Escola de Humanidades, ministrou o curso Como desenvolver uma tarefa em Psicolinguística e Psicologia Cognitiva? Desde o desenho experimental até a análise estatística. Acompanhe, a seguir, a entrevista em que Maximiliano Wilson explica que envelhecer nem sempre é sinônimo de prejuízo cognitivo.

O envelhecimento pode afetar de forma prejudicial a leitura e a linguagem?

As pessoas têm a ideia de que, com o envelhecimento, a cognição piora sistematicamente. No entanto, vários estudos experimentais mostram que a memória e a leitura semântica são duas habilidades cognitivas que melhoram com o passar do tempo. O interessante é que a melhora nessas habilidades cognitivas também implica mudanças na rede cerebral que suporta a leitura e a semântica. Em outras palavras, nosso cérebro é plástico e é constantemente reorganizado de acordo com a experiência das pessoas com seu ambiente e isso também é verdadeiro durante o envelhecimento para certas habilidades cognitivas, como a leitura e a semântica. Então, durante o envelhecimento chamado “normal” – em oposição ao patológico – a leitura e a semântica melhoram.

O que ocorre no envelhecimento patológico?

Essas mesmas habilidades cognitivas podem piorar. Na doença neurodegenerativa de Alzheimer, por exemplo, as pessoas podem desenvolver dificuldade em ler certo tipo de palavras irregulares, ou seja, que não respeitam as regras de uma língua. Em português, táxi é irregular porque a pronúncia do “x” não segue a regra, como em abacaxi. Assim, um paciente de Alzheimer com dificuldades de leitura leria táxi como lê abacaxi. Essas dificuldades de leitura são chamadas de dislexia superficial. Pessoas com afasia progressiva primária também tendem à dislexia superficial. Eles têm uma alteração progressiva da memória semântica. Nossos estudos de neuroimagem mostram que as áreas cerebrais que se atrofiam no início desta doença são as mesmas envolvidas na leitura e na semântica. Isso destaca a estreita relação entre leitura e conhecimento do mundo ou semântica.

Qual a importância da leitura para idosos saudáveis?

Existem duas maneiras de ler as palavras. Uma é transformar letras em sons e depois acessar o significado (ou semântica) dessas palavras para entender o que está sendo lido. A outra maneira de ler é processar toda a palavra e ativar a semântica e sua pronúncia. Esta segunda é muito mais eficaz do que a primeira e se desenvolve com a experiência. Quanto mais uma pessoa lê, quanto mais conhece as palavras, seu significado e pronúncia, ela se torna um leitor melhor. Nossos estudos mostram que as pessoas mais velhas leem melhor do que os jovens e usam uma estratégia de palavras inteiras para ler todas as palavras, enquanto os adultos jovens só a usam para ler as palavras mais frequentes ou com pronúncia irregular (como táxi). Esta mudança, que torna os leitores mais velhos mais eficazes do que os jovens, tem correlação no cérebro: as estruturas cerebrais ativadas durante o conhecimento semântico são ativadas nos idosos para todos os tipos de palavras.

Maximiliano Wilson“Quanto mais uma pessoa lê, quanto mais conhece as palavras, seu significado e pronúncia, ela se torna um leitor melhor. Nossos estudos mostram que as pessoas mais velhas leem melhor do que os jovens e usam uma estratégia de palavras inteiras para ler todas as palavras.”

O hábito de ler pode prevenir problemas de linguagem e de memória?

Estudos em envelhecimento normal e patológico mostram que os hábitos de leitura aumentam a capacidade cerebral conhecida como reserva cognitiva. Quanto maior a reserva cognitiva, mais tempo demorará para manifestar as dificuldades cognitivas do envelhecimento. Assim, quanto mais uma pessoa lê, mais ela exerce essa habilidade e se torna um leitor melhor. Isto, mais o prazer da leitura, poderiam funcionar como uma espécie de estimulação cognitiva que mantém o cérebro ativo e estimula os idosos, aumentando a sua reserva cognitiva para fazer frente às mudanças associadas ao envelhecimento.

A leitura pode ser um recurso terapêutico para idosos com Alzheimer? Beneficia a memória?

A leitura e a semântica, um dos tipos de memória, estão intimamente ligadas e ambas melhoram durante o envelhecimento normal. Doenças como Alzheimer e afasia progressiva primária afetam a leitura e a semântica. Existem recursos de reabilitação, utilizados na fonoaudiologia, que permitem melhorar essas habilidades, embora de forma limitada e temporariamente. Atualmente, estuda-se o efeito combinado de terapia da fala, com a aplicação de técnicas de estimulação do cérebro, tais como a estimulação transcraniana por corrente contínua (ETCC) ou a estimulação transcraniana magnética (TMS em Inglês). Embora ainda seja cedo para assegurar, a administração conjunta de terapia fonoaudiológica e estimulação cerebral é uma possibilidade promissora de retardar (ou mesmo melhorar) a progressão das dificuldades de pacientes com envelhecimento patológico.