Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul

Cursos,Especialização,Extensão,MBA,Idiomas,Educação,Vestibular,Pós-Graduação,Educação

Cursos

Graduação

Pós-Graduação

MBA

Vestibular

Gripe espanhola pelos registros do acervo Benno Mentz da PUCRS

Por Gislene Monticelli, professora e pesquisadora do Delfos - Espaço de Documentação e Memória Cultural, do Instituto de Cultura da PUCRS

01/05/2020 - 13h33
Em Porto Alegre, a Influenza chegou a contaminar mais de 80 pessoas em um só dia, conforme reportagem em jornal. Crédito Delfos/PUCRS

Em Porto Alegre, a Influenza chegou a contaminar mais de 80 pessoas em um só dia, conforme reportagem em jornal. Crédito Delfos/PUCRS

Gripe Espanhola, como ficou conhecida, tratava-se do vírus Influenza. A Espanha, com grande número de pessoas contaminadas, se encarregou de divulgar a notícia. Isso fez com que o país tenha sido associado, injustamente, à gripe, dando-lhe o nome. 

Na ocasião, em 1918, houve mais mortes pela gripe do que em toda a Primeira Guerra (1914-1918). A população mundial era de 500 milhões de habitantes. Estima-se que 10% da população tenha morrido, ou seja, 50 milhões de pessoas! A epidemia1 alcançou todos os continentes, condição para ser chamada de pandemia2. 

O vírus chegou ao Brasil no final daquele mesmo ano, ocasionando 36 mil mortos. Até mesmo o presidente da República, Francisco de Paula Rodrigues Alves (1848-1919), acabou vitimado, em janeiro de 1919, aos 70 anos, antes mesmo de tomar posse. Foram tantas vítimas que as valas eram coletivas. Os coveiros foram contaminados e afastados do trabalho. Transeuntes e detentos passaram a ser recrutados e obrigados a realizar os sepultamentos. Escolas mandaram crianças para casa, hospitais ficaram abarrotados, bondes estavam vazios e tudo fechou: o comércio, as quitandas, os bares, as lojas de moda, as barbearias. O governo proibiu aglomerações, e os teatros e cinemas foram trancados e lavados com desinfetantes […]”. (SCHWARCZ, 2020)3.  

No Rio Grande do Sul, de outubro a dezembro de 1918, houve 3.971 óbitos decorrentes da gripe4. Na ocasião, havia menos de 2 milhões de habitantes no estado. Para que possamos avaliar o impacto do contágio e a mortalidade: somos atualmente cerca de 11 milhões de pessoas. Isso equivaleria, proporcionalmente, a 22 mil mortos!  

Em Porto Alegre, a Influenza chegou a contaminar mais de 80 pessoas em um só dia, conforme reportagem em jornal existente no acervo Benno Mentz, no Delfos – Espaço de Documentação e Memória Cultural, do Instituto de Cultura da PUCRS5. Segundo censo populacional do período (1910), a capital gaúcha tinha menos de 200 mil habitantes. Foram mais de 12 mil mortos, em 3 meses, sendo destes pelo menos 1.319 mortes atribuídas diretamente à gripe. Os números, no entanto, devem ter sido subestimados.  

Foram adotadas medidas de isolamento, remédios foram especulados como cura, houve corrida às farmácias, recomendavam-se medidas de higiene, usavam-se máscaras em ambientes públicos, proibiram-se cultos religiosos e velórios. Houve desabastecimento de alguns produtos, foi necessário fazer tabelamento de preços e restrição da quantidade de produtos a adquirir. Hospitais e postos de saúde foram improvisados. Tal como vemos agora! 

Outras epidemias já assolaram o mundo, como cólera, varíola, febre amarela, peste bubônica, tifo, malária, sarampo, tuberculose, ebola, HIV, SARS. Por isso, podemos afirmar que o COVID19 ou o novo coronavírus, que nos ataca neste momento (2020), não é a primeira e nem será a última pandemia que a humanidade está (des)preparada a enfrentar, com grande número de vítimas. Infelizmente…  

A boa notícia é que, em todos os casos, tal como na Gripe Espanhola há 102 anos, cada epidemia, com o passar do tempo, perde força, sofre mutações ou desaparece, seja com a adoção de tratamentos de saúde mais adequados, seja pela descoberta de vacinas, capazes de imunizar a população, ou, ainda, com a contenção da propagação do vírus, mediante obediência às medidas sanitárias, por recomendação de cientistas e autoridades médicas.  

O que aprendemos com a História? Nada é para sempre… Isso tudo vai passar! 

Saiba mais 

Há vários livros sobre a história das doenças e epidemias no mundo ao longo do tempo. A editora da PUCRS (EDIPUCRS) publicou, em 2009, a dissertação de mestrado (PPGH/PUCRS), de autoria da professora Janete Silveira Abrão: Banalização da Morte na cidade calada: a Hespanhola em Porto Alegre, 1918.  

Outras pesquisas históricas, de cunho acadêmico, trataram do impacto da gripe em municípios como Pelotas (FERREIRA, 2002)7, Rio de Janeiro (GOULART, 2003, 2005), São Paulo (BERTUCCI, 20008; BERTOLI FILHO, 20039; SOUZA, 200510) e em estados como Bahia (SOUZA, 2010) e Espírito Santo (2016)11. Algumas obras encontram-se disponíveis para consulta em meio digital. 

__________

1 “Epidemia representa a ocorrência de um agravo acima da média (ou mediana) histórica de sua ocorrência. O agravo causador de uma epidemia tem geralmente aparecimento súbito e se propaga por determinado período de tempo em determinada área geográfica, acometendo freqüentemente elevado número de pessoas” conforme MOURA, Alexandre S.; ROCHA, Regina L. Endemias e Epidemias:… Belo Horizonte: Nescon/UFMG, 2012. P. 15.

2 Quando uma epidemia atinge vários países de diferentes continentes passa a ser denominada pandemia.

3 SCHWARCZ, Lilia. Literatura em tempos de pandemia: quando a realidade imita a ficção. Nexo Jornal, 23 mar. 2020.

4 De acordo com o Relatório da Diretoria de Higiene do Rio Grande do Sul (1919 apud ABRÃO, 2009, p. 94).

5 O local reúne quase 50 acervos, disponíveis para pesquisa local.

6 Livro disponível à venda pela loja virtual em http://livrariaedipucrs.pucrs.br/. Email: [email protected],br

7 FERREIRA, Renata Brauner. Epidemia e Drama: a gripe espanhola em Pelotas, 1918. Porto Alegre: UFRGS, 2002. Dissertação (Mestrado em História), Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2002.

8 BERTUCCI, Liane Maria. Influenza, a medicina enferma: ciência e práticas de cura na época da gripe espanhola em São Paulo. Campinas: Ed. Unicamp, 2000.

9 BERTOLII Filho, Cláudio. A gripe espanhola em São Paulo, 1918: epidemia e sociedade. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2003.

10 SOUZA, Christiane Maria Cruz de. As dimensões político-sociais de uma epidemia, a paulicéia desvairada pela gripe espanhola, 2005.

11 FRANCO, Sebastião Pimentel; LOPES, André Fraga; FRANCO, Luiz Felipe Sias. Gripe Espanhola no Espírito Santo: alguns apontamentos. Dimensões, Vitória, v. 36, jan/jun. 2016, p. 404-26.