Dia do Patrimônio Histórico Nacional: aprender com o passado é construir o futuro

Acervo do Delfos reúne obras e documentos que guardam diferentes memórias e permite o ensino sobre o que um dia a humanidade foi

17/08/2020 - 18h03
Dia do Patrimônio Histórico Nacional: aprender com o passado é construir o futuro - Acervo do Delfos reúne obras e documentos que guardam diferentes memórias e permite o ensino sobre o que um dia a humanidade foi

Foto: Arquivo Delfos

Ao longo da história muitos bens materiais e imateriais, móveis ou não, foram destruídos ou se transformaram em ruínas, sem que pudessem contar o seu legado. Por isso, os acervos remanescentes ganham ainda mais importância e, com eles, o peso da responsabilidade de manter o passado vivo. No Dia do Patrimônio Histórico Nacional, 17 de agosto, os/as professores/ da Escola de Humanidades da PUCRS Gislene Monticelli, técnica em memória cultural do Espaço de Documentação e Memória Cultura (Delfos); Ricardo Barberena, diretor do Instituto de Cultura da PUCRS, relembram a importância da data. 

Os patrimônios históricos permitem que tenhamos memória e identidade próprias, que nos diferenciam dos demais. A partir deles reconheçamos a importância da diversidade cultural no interior de uma população e dos demais povos”, destaca a professora Gisleneao reforçar que garantir a permanência de instituições que conservam a história nacional deve ser uma preocupação de todas as pessoas. 

A história em sala de aula     

A Educação Patrimonial, como a criação de roteiros culturais; visitas a museus, exposições e centros históricos; o manuseio de acervos, como livros e documentos, ajuda a resgatar memórias. “As histórias de vida, as tradições orais, as produções materiais que sejam típicas ou até mesmo diferenciadas podem ser valorizadas pela comunidade“, conta Gislene. 

“Um acervo é uma memória do futuro.” RICARDO BARBERENA. 

A partir do estudo de objetos, manuscritos, datiloscritosé possível prospectar várias chaves de entendimento para o amanhã. “Os acervos representam uma política da memória e da identidade. Tentamos construir uma narrativa que não seja baseada na ilusão da sincronicidade de um presente absoluto, como se não tivesse nenhuma conexão com o passado e o futuro. É como uma constelação historiográfica, com muitos desfechos do passado”, acrescenta Barberena. 

Por mais poético que pareça, para Barberena a negligência com o patrimônio histórico representa um vazio na memória pública e coletiva“Talvez uma das cenas mais tristes recentemente, que atravessam a nossa retina e a própria afetividade, assim como a forma de ser e sentir, seja o incêndio do Museu Nacional. Ver o acervo queimar é o fogo dos fósseis do futuro. 

Não fomos sempre do mesmo jeito, ainda que tenhamos tradições que são cultivadas.” GISLENE MONTICELLI. 

Dia do Patrimônio Histórico Nacional: aprender com o passado é construir o futuro - Acervo do Delfos reúne obras e documentos que guardam diferentes memórias e permite o ensino sobre o que um dia a humanidade foi

Foto: Arquivo Delfos

Se não houvesse os acervos, não existiria mais o acesso a grande parte do conhecimento obtido ao longo das gerações. “As pessoas que antecederam deixaram seus registros em sítios arqueológicos, livros, artes, cultura, arquitetura, até mesmo nos saberes e fazeres. E, muitas vezes, eram transmitidos apenas pela tradição oral”, enfatiza Gislene. 

Cuidar do que é nosso 

Em setembro de 2018 um incêndio no Museu Nacional, no Rio de Janeiro, destruiu mais de 20 milhões de itens. O caso trouxe visibilidade para um problema recorrente: a falta de investimento na conservação de acervos. Apesar de ninguém ter se ferido, o acontecimento deixou marcas e sequelas para as futuras gerações que não poderão ter acesso as obras. A instituição, que tem mais de 200 anos de história, foi residência de um rei e dois imperadores. 

Sobre a data 

Criada pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), órgão que tem como principal meta proteger e preservar os bens culturais do País, o Dia do Patrimônio Histórico Nacional é celebrado em 17 de agosto. A data foi escolhida em razão do nascimento do historiador e jornalista Rodrigo Mello Franco de Andrade, Belo Horizonte, que morreu em 1969.