5 artistas negros para conhecer e se inspirar

Confira a seleção realizada pelo Instituto de Cultura da PUCRS para o Dia da Consciência Negra

18/11/2021 - 16h52

O próximo sábado, 20 de novembro, é considerado o Dia da Consciência Negra. A data foi escolhida para marcar a morte de Zumbi, líder do Quilombo dos Palmares que se tornou símbolo popular da resistência negra, e é voltada à reflexão sobre o racismo no Brasil. Pensando nisso, o Instituto de Cultura da PUCRS selecionou cinco artistas negros para conhecer.  

1. Alcione  

Foto: Marcos Hermes

Alcione Dias Nazareth é cantora, compositora e multi-instrumentista. Ao longo de sua trajetória artística, lançou mais de 30 álbuns de estúdio e nove ao vivo. É a artista por trás dos sucessos Não Deixe o Samba Morrer e Você me Vira a CabeçaEm 2021, ela receberá o Mérito Cultural da PUCRS. A cantora possui uma grande relação com o Carnaval, tendo fundado, em 1989, o Clube do Samba ao lado de grandes nomes como Dona Ivone Lara, Martinho da Vila e Clara Nunes. Além disso, se tornou membro destacado da Estação Primeira de Mangueira, fundou a Escola de samba mirim da Mangueira e é presidente de honra do Grêmio Recreativo Cultural Mangueira do Amanhã 

  • Principais trabalhos: os álbuns A Voz do Samba (1975), Pra que chorar (1977), Alerta geral (1978), Da cor do brasil (1982), Fogo da vida (1985), Fruto e raiz (1986), Nosso nome: Resistência (1987), Nos bares da vida (2000) e seu último lançamento, Tijolo por Tijolo (2020).   

 

2. Lucas Litrento 

Foto: Divulgação

O escritor alagoense foi vencedor do Prêmio Delfos de Literatura em 2019, com a obra TXOW. Lançado pela Editora da PUCRS, o livro é composto por quinze contos, que possuem inspiração no rap, na literatura brasileira e na fala cotidiana das ruas de Maceió. Ele também venceu o Prêmio Malê de Literatura, da Editora Malê, e foi finalista do Prêmio Oceanos de Literatura em 2021, organizado pelo Itaú Cultural. Além de escritor, Lucas é realizador cinematográfico e produtor cultural, estuda Jornalismo na Universidade Federal do Alagoas e integra os coletivos Mirante Cineclube e Pernoite. 

  • Principais trabalhos: o livro de contos TXOW, o zine de poesias ROBYN, sua obra de estreia Os meninos iam pretos porque iam e o curta-metragem círculos. 

 

3. Seu Jorge 

Foto: divulgação

Seu Jorge é o nome artístico de Jorge Mário da Silva, que é ator, cantor, compositor e multi-instrumentista. Ele já participou do programa No meu canto, da PUCRS Cultura. Seu trabalho mais recente é no ramo da atuação, interpretando o militante Carlos Marighella no filme Marighella, dirigido por Wagner Moura. Ele foi vencedor dos prêmios Grammy LatinoMTV Video Music BrasilPrêmio Multishow, Troféu Imprensa e Melhores do Ano. No cinema, protagonizou filmes de sucesso, como Cidade de DeusTropa de Elite 2 e The Life Aquatic. Já sua carreira musical destaca-se pelos sucessos Amiga da Minha MulherMina do CondomínioBurguesinha e Carolina 

  • Principais trabalhos: no cinema, seus principais filmes são Cidade de Deus (2002), interpretando Mané Galinha; The Life Aquatic with Steve Zissou (2004), como Pelé dos Santos; Tropa de Elite 2 (2010), com o personagem Beirada; e, mais recentemente, o filme Marighella (2021), onde é o protagonista, representando o guerrilheiro. Já no âmbito musical, destacam-se os álbuns Ana & Jorge (2005), América Brasil (2007), Cru (2004) e Músicas para Churrasco, vol. 1 (2011) e vol. 2 (2015). 

4. Arthur Bispo do Rosário 

Foto: Museu Bispo do Rosário

Dentre os artistas negros selecionados, este é o único já falecido. Artista visual, ele desenvolveu suas obras enquanto estava internado em uma instituição psiquiátrica. Em 1938, enquanto trabalhava como empregado doméstico, na casa do advogado Humberto Leone, afirmou ter uma revelação divina e, após perambular por dias, chegou ao Mosteiro de São Bento, no centro do Rio de Janeiro, sendo encaminhado a um hospício. Sua arte foi construída de maneira improvisada: para os bordados, utilizava linhas azuis desfiadas dos velhos uniformes dos internos e para as demais realizações, eram usados objetos, como canecas, vassouras e garrafas e materiais como pedaços de madeira, arame, papel e fios de varal. 

  • Principais trabalhos: suas obras não foram nomeadas, no entanto, ainda em vida o artista chamou a atenção dos apreciadores de arte e teve seus trabalhos exibidos na mostra Margem da Vida, no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro, embora tenha optado por não ir à exposição. Atualmente, o Museu Bispo do Rosário, na capital carioca, leva o seu nome e preserva suas obras, sendo aberto à visitação de terça a sexta-feira.  

5. Elisa Lucinda 

Foto: divulgação

Ela é uma poetisa, jornalista, escritora, cantora e atriz brasileira, tendo sido vencedora de um Kikito no Festival de Cinema de Gramado pelo filme Por que Você Não Chora?. Em 1998, ela fundou a instituição socioeducativa Casa Poema, que utiliza a poesia falada para capacitar profissionais na sua capacidade de expressão e formação cidadã. Além disso, tem desenvolvido o projeto Palavra de Polícia, Outras Armas, junto à Organização Internacional do Trabalho, pelo qual ensina a arte da poesia falada a policiais, buscando alinhar esses profissionais aos princípios dos direitos humanos e transformar sua forma de operar em relação a questões de gênero e raça. Em 2006, ela recebeu a Ordem de Rio Branco no grau de Oficial suplementar por méritos como poetisa.  

  • Principais trabalhos: possui os CDs de poesia O SemelhanteEuteamo e suas estreiasNotícias de MimEstação Trem – Música e Ô Danada. No cinema, atuou no filme Por que Você Não Chora?. Ela possui uma forte atuação alinhada aos direitos humanos em projetos educativos relacionados à arte da poesia falada.  

Leia também: 5 livros disponíveis na Biblioteca da PUCRS para conhecer escritoras negras brasileiras 


Leia Mais Veja todas