Diferença entre uma Patente e um Artigo Científico

A redação de uma patente apresenta os detalhes técnicos da invenção de forma a permitir o exame técnico do pedido, ou seja, a matéria do pedido é apresentada de forma clara para que o examinador compreenda perfeitamente. A redação não pode dar margem para qualquer concorrente reivindicar outro pedido de patente, para alternativas à mesma invenção (incluir essas alternativas no seu próprio pedido). Assim, todas as concretizações do objeto que se deseja comercializar devem ser especificadas dentro do escopo do pedido.

Ao escrever um artigo, sugerir eventuais aplicabilidades pode antecipar futura patente.

  • À luz desta sugestão anterior, o invento futuro poderá ser considerado óbvio
  • O conceito de atividade inventiva é subjetivo, porém alguns critérios são usados para avaliar sua presença:

– Resultado surpreendente

– Sucesso comercial: se havia demanda não suprida, a disponibilidade de uma solução que gerou elevada procura é indicador de inventividade

Deve-se depositar o pedido de patente ANTES de publicar a invenção

  • Quase sempre haverá invenção MUITO ANTES do ponto em que se escreve um artigo

– Responder aos PORQUÊS em geral consome a maior parte da pesquisa

– Para haver suficiência em uma patente basta a prova do conceito

  • Se um resumo em congresso não conferir suficiência para reprodução, a novidade é preservada
  • Na dúvida – e havendo potencial econômico – é melhor proteger primeiro.