20/05/2020 - 13h52

Pesquisadora da PUCRS promove a preservação dos agentes polinizadores

No Dia Mundial das Abelhas, entenda a importância da data e o impacto no meio ambiente

Pesquisadora da PUCRS promove a preservação dos agentes polinizadores - No Dia Mundial das Abelhas, entenda a importância da data e o impacto no meio ambiente

Foto: Anthony Vela/Unsplash

“Se as abelhas desaparecerem da face da Terra, a humanidade terá apenas mais quatro anos de existência. Sem abelhas não há polinização, não há reprodução da flora. Sem flora, não há animais. Sem animais, não haverá raça humana”, alerta a frase atribuída a Albert Einstein, um dos físicos mais famosos do mundo e criador da teoria da relatividade geral, um dos pilares da física moderna. Apesar de não existirem evidências de que o cientista realmente tenha dito isso, afinal, qual o real papel das abelhas e o impacto do seu sumiço para o meio ambiente? Entre as consequências, estão efeitos negativos na economia, na agricultura e na natureza como ela é conhecida hoje. 

Meio bilhão de abelhas mortas no Brasil 

Nos Estados Unidos e na Europa, os relatos de casos de mortes e desaparecimentos de abelhas começaram a surgir com mais força no início do século 21. No Brasil, desde 2005. Porém, nos últimos anos, esse problema preocupa especialistas pelos números alarmantes. Entre o final de 2018 e o começo de 2019, meio bilhão de abelhas morreram em alguns estados. Foram 400 milhões no Rio Grande do Sul, 7 milhões em São Paulo, 50 milhões em Santa Catarina e 45 milhões em Mato Grosso do Sul, segundo estimativas de Associações de apicultura, secretarias de Agricultura e pesquisas realizadas por universidades, conforme o levantamento divulgado pela Agência Pública, um veículo de checagem de informações. 

“Esse momento que estamos vivendo nos faz refletir sobre questões maiores da natureza e da biodiversidade. Como o homem está se relacionando com o meio ambiente? Quando começamos a ter um contato com a natureza que extrapola, isso nos faz pensar sobre a convivência das espécies”, destaca a bióloga Betina Blochtein, professora da Escola de Ciências da Saúde e da Vida e pesquisadora do Programa de Pós-Graduação em Ecologia e Evolução da Biodiversidade da PUCRS. 

As abelhas têm um papel muito importante para a manutenção da biodiversidade. Os agentes polinizadores propiciam que numerosas espécies de plantas com flores gerem frutos e sementes. “Se diminuirmos a abundância ou a diversidade de espécies de abelhas existentes, a reprodução das plantas muda e as paisagens também. São situações relacionadas que levam à mudança das comunidades de organismos”, conta Betina sobre uma reação em cadeia. 

Impacto global e econômico 

Pesquisadora da PUCRS promove a preservação dos agentes polinizadores - No Dia Mundial das Abelhas, entenda a importância da data e o impacto no meio ambiente

Foto: David Clode/Unsplash

As abelhas são responsáveis pela polinização de 80% das culturas agrícolas em nível global. A produção de frutos silvestres, maçãs, amêndoas e laranjas, entre tantos outros exemplos, se tornaria mais escassa e com preços elevados caso houvesse redução drástica dos agentes polinizadores. A macieira, por exemplo, depende da presença de abelhas para carregar o pólen de uma flor para outra, diferentemente de outras plantas que espalham seus grãos de pólen com a força do vento, como o trigo. 

Geralmente os agricultores fazem altos investimentos na correção do solo, na qualidade das sementes, entre outros aspectos, mas pouco observam sobre a necessidade da polinização, explica a pesquisadora. Este fator pode aumentar a produtividade, a partir de um trabalho adequado à necessidade de cada cultura. “O custo benefício com a inclusão da polinização com abelhas é favorável, mas é necessário mudar práticas. Neste caso a conservação da biodiversidade claramente está vinculada ao ganho de produtividade”, enfatiza. A polinização dirigida à agricultura, com o uso de colmeias, também tem crescido globalmente. Um exemplo do Rio Grande do Sul é a cultura da canola, responsável por 70% do grão produzido no Brasil, utilizado na produção de óleo de cozinha e, com as flores de canola, as colmeias produzem o mel. Essas vantagens são abordadas nos livros Abelhas na Polinização da Canola – benefícios ambientais e econômicos e As abelhas e a agricultura, da EdiPUCRS

Agrotóxico, o vilão 

Faz parte da agricultura convencional no Brasil o uso de agrotóxicos. Diversos estudos evidenciam que esses produtos são prejudiciais não só as abelhas, mas em humanos também. Para reduzir a exposição de abelhas aos agrotóxicos, Betina elenca alguns cuidados que podem ser tomados: 

  • Evitar a aplicação: para começar a mudar essa cultura, uma das opções é analisar a real necessidade do uso de agrotóxicos, evitando os excessos. Não faça aplicações apenas para cumprir um calendário. Isso também traz ganhos financeiros. 
  • Escolher produtos menos tóxicos:  existem agrotóxicos com diferentes graus de toxicidade para organismos não alvo, como as abelhas. Alternativas que reduzam o impacto negativo sobre os polinizadores devem ser adotadas. 
  • Mudar os horários das aplicações: a maioria das abelhas realiza suas atividades externas durante o dia. Aplicar os produtos ao final da tarde ou à noite causa menos exposição dos insetos aos químicos, por exemplo.  
  • Formas de aplicação: evite a deriva dos agrotóxicos, que é o que acontece quando ele é aplicado em um local, mas se dispersas pelo vento ou a chuva, e atinge áreas fora das lavouras e dos pomares. 
  • Não misturar produtos: outra prática que deve ser evitada é a mistura de produtos nos tanques de pulverização. Essa mistura pode ter consequências desconhecidas por causa das reações químicas, impactando negativamente a biodiversidade e ainda sendo prejudicial quanto ao efeito desejado na cultura. 

Segundo a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), ao consumir alimentos rotulados com a identificação do produtor, você contribui para o comprometimento dos mesmos com a qualidade de seus produtos. “A aquisição de alimentos orgânicos ou provenientes de sistemas agroecológicos também é uma opção. Recomenda-se adquirir os alimentos da ‘época’ (safra), que costumam receber, em média, carga menor de agrotóxicos”, informa o portal oficial da agência. 

Uma startup do bem 

Pesquisadora da PUCRS promove a preservação dos agentes polinizadores - No Dia Mundial das Abelhas, entenda a importância da data e o impacto no meio ambiente

Foto: Aaron Burden/Unsplash

É possível fazer o manejo de colmeias para aumentar o número de abelhas nativas nas áreas agrícolas e também nas urbanas. Assim surgiu a startup Mais Abelhas, criada por Betina Blochtein e pelo biólogo Charles Fernando dos Santos, que produz colmeias de abelhas sem ferrão em larga escala, sem risco de ferroadas e de fácil manutenção. A empresa fica localizada no Tecnopuc, em Viamão. 

O desafio é a baixa produção de rainhas para poder multiplicar essas colônias, situação contornada com a sua produção em laboratório. A ideia não é produzir mel, mas aumentar as populações de abelhas nativas com as colônias que não oferecem riscos. Quem adquire uma colmeia recebe um pacote de informações no momento da entrega técnica. 

Sobre a pesquisa 

Pesquisas com a produção de abelhas rainhas, por exemplo, são realizados no Laboratório de Entomologia da PUCRS. O trabalho faz parte do Programa de Pós-Graduação em Ecologia e Evolução da Biodiversidade.

O Dia Mundial das abelhas 

A data foi criada pela Assembleia Geral das Nações Unidas (ONU) para lembrar a importância da polinização para o desenvolvimento sustentável. Insetos podem visitar cerca de sete mil flores por dia, atuando como agentes fundamentais ao equilíbrio dos ecossistemas. Os insetos também são fonte de mel e outros produtos que dão oportunidade de sustento para agricultores. 

Compartilhe

Leia Mais Veja todas

Últimas Notícias

Veja todas notícias