Os pequenos Mateus e Ryan contam os dias para as aulas no Parque Esportivo

Universidade AbertaFotos: Camila Cunha

Ensinando o soccer para guris e gurias

Orlando City e Parque Esportivo formam “tabelinha” para aliar estudos e futebol

POR EDUARDO WOLFF

One, two, three… Go! Com comandos em inglês, os professores do Orlando City Soccer School orientam seus alunos durante os treinos realizados no Parque Esportivo da PUCRS. Essa maneira peculiar de ensinar futebol com um idioma estrangeiro, pregando também a ética entre os jogadores, é fruto da parceria entre o clube norte-americano e a Universidade, iniciada em agosto. A presença do Orlando City Soccer School no Parque é bem visível. Pegadas do Kingston (mascote do time) estão presentes em vários pontos do complexo esportivo. Com a cor roxa predominante, os vestiários, a área administrativa e os campos de futebol caracterizam que o time está em solo brasileiro.

Diferentemente das tradicionais escolas de futebol, utiliza o esporte para que jovens entre 3 e 21 anos se tornem verdadeiros cidadãos. “Buscamos alunos que queiram aprender sobre o futebol, independentemente de suas qualificações. Para os menores é se divertir com conteúdo. Para os maiores, uma porta de entrada para estudar em uma universidade”, enfatiza o representante do Orlando City Soccer School, Pedro Viana. “É um conceito diferenciado, pois atua com inovação no ensino do futebol e no desenvolvimento de crianças e jovens. Além disso, reúne em ambiente educativo a integração e a diversão dos participantes”, reforça o coordenador do Parque, Márcio Müller.

MÉTODO CIENTÍFICO

A metodologia e o cronograma de treinos do Orlando City Soccer School foram desenvolvidos cientificamente nos EUA e são os mesmos utilizados pelo elenco profissional. Professores e treinadores foram selecionados e treinados seguindo a cartilha criada pelas categorias de base de profissionais norte-americanos.

No Parque, famílias admiram a dedicação de filhos e netos. É o caso de Lizete da Rocha, avó do Mateus, 6 anos, que joga na categoria Baby Fut. “Ele fica toda a semana me perguntando se hoje vai jogar. Está encantado com as aulas”, destaca. Raquel Lima, mãe do Ryan, 5 anos, se surpreendeu com a estrutura e a forma de ensinar. “Ele gosta tanto de treinar que pegou uns produtos de limpeza para fazer o circuito em casa”, lembra.

As meninas também têm vez no Orlando City. As gêmeas Laura e Juliana Vieira, de 12 anos, que preferem jogar de atacante e zagueira, respectivamente, mostraram muita disposição nos treinamentos. “É bem legal, o que mais gosto é trocar passes”, comenta Laura.

ALÉM DO ESPORTE

Segundo a professora Karla Loureiro, ex-jogadora profissional e pré-convocada para a seleção brasileira Sub-17, o futebol vai além das quatro linhas. “É preciso transparecer no jogo o respeito e entender as regras”, diz. Além disso, destaca que os treinos são muito envolventes e as gurias adoram. “Em breve, elas farão uma partida no Estádio Universitário.”

O desejo por estudar no exterior é almejado por muitos, como Gustavo Saraiva, 18 anos, da categoria Performance. “Quero estudar Administração na Universidade do Colorado, com enfoque em inovação e empreendedorismo. As análises de desempenho realizadas aqui vão me ajudar a alcançar meu objetivo”, aponta. A coordenadora do curso de Pedagogia, Sônia Bonelli, observa que, mesmo muitos alunos não sendo futuros atletas profissionais, o esporte traz valores e princípios. “É fundamental para o desenvolvimento cognitivo, afetivo e psicomotor. Quando trabalham essas questões, se tornam mais criativos e reflexivos, permitindo que desenvolvam outras habilidades”, analisa.

Estrutura e intercâmbios

Foto: Camila Cunha

Foto: Camila Cunha

O Orlando City Soccer School conta com seis quadras de futebol society em grama sintética, um campo com grama sintética, um campo com dimensões oficiais em grama natural e seis quadras poliesportivas cobertas para as aulas. Por meio do programa Soccer Camps, os profissionais que atuam no Brasil nas áreas de educação física, saúde, fisioterapia e comunicação terão oportunidades de conhecer a estrutura do time na Flórida. “Temos também a ideia de levar um time feminino do Brasil para jogar nos Estados Unidos”, projeta Viana. Vários jogadores notáveis da seleção brasileira tiveram passagens pelo clube. O Orlando Pride (time feminino) é o atual clube da atacante Marta, eleita a melhor do mundo quatro vezes pela FIFA. Já pelo masculino, os ex-jogadores Kaká e Júlio Baptista vestiram a camisa roxa.

CONTATO

(51) 3353-8349 ou pelo e-mail secretaria.rs@ocss.com.br