Laboratório de Tratamento de Imagens e Geoprocessamento mapeia inundações em Porto Alegre

Espacialização das informações mostra os pontos mais críticos na Capital

Por Redação | ASCOM
Principais pontos de alagamento de Porto Alegre, de acordo com reportagens de 2013 e 2014

Os frequentes alagamentos registrados na Capital em dias de chuva forte estão sendo mapeados pelo Laboratório de Tratamento de Imagens e Geoprocessamento – LTIG do Departamento de Geografia da Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas da PUCRS, por meio da espacialização de produtos cartográficos digitais. O projeto "Mapa de Vulnerabilidade Social a Desastres Naturais: terreno sujeito à inundações – Porto Alegre" detecta, por meio de um software desenvolvido pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), as áreas com risco de inundações, e pode auxiliar na prevenção de desastres naturais por alagamento. O levantamento é desenvolvido com o algoritmo hand, que permite mapear zonas vulneráveis à inundações pela simulação do escoamento superficial das águas, feita com base na análise digital do relevo. Esse processo de mapeamento do hand deu origem ao software livre Terra Hidro, que desenvolve aplicativos para análise integrada de recursos hidrológicos. Os softwares estão disponíveis no site www.inpe.br.

O projeto pode auxiliar na prevenção de desastres naturais por alagamento
Foto: Samuel Maciel / PMPA

O coordenador do Laboratório, professor Regis Lahm, explica que matérias publicadas nos veículos de comunicação também colaboraram com as pesquisas. “Conforme descobrimos os pontos de alagamentos, fomos sobrepondo às imagens orbitais. Ao final, traçamos um perfil dos locais com mais incidência, comparando com as informações do hand, que mostrou os mesmos pontos críticos para alagamentos”. A ideia é disponibilizar os dados futuramente para utilização pela Prefeitura de Porto Alegre.

 

As notícias são publicadas pela Assessoria de Comunicação Social - ASCOM