Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul

Cursos,Especialização,Extensão,MBA,Idiomas,Educação,Vestibular,Pós-Graduação,Educação

Cursos

Graduação

Pós-Graduação

MBA

Vestibular

Mobilidade Out

Alunos da PUCRS podem realizar estudos por meio de programa de mobilidade acadêmica em instituições conveniadas com a PUCRS durante um ou dois semestres (Acordos bilaterais ou através dos programas indicados no item “programas”) com aproveitamento dos créditos cursados.


Depoimentos

  • “Claramente, fazer um intercâmbio foi uma das melhores decisões da minha vida! O grande ensinamento, que vem através da experiência que tu te propõe a passar, é o de que ‘é possível’. Vivi em lugares diferentes, com pessoas de países diferentes e realidades diferentes. Aprimorei meu Espanhol e, hoje, faz mais sentido para mim a ideia de um profissional completo e globalizado, independentemente de sua área de atuação. É muito feliz que a nossa universidade, a PUCRS, possa nos proporcionar essa vivência. É com esse olhar à formação humana e internacionalização que seremos melhores e mais aptos aos desafios que virão, nas profissões e funções que ainda não existem. E isso independe o país para onde vamos! Mesmo assim, eu não posso deixar de pensar na América Latina como uma ótima opção. São lugares de muitas possibilidades e, mesmo sendo vizinhos, não são muito explorados. Aprendi a dar mais valor ao meu país e aos que eu amo, assim como aprendi a respeitar e ouvir o diverso, sair da zona de conforto, sabe? Isso move e transforma muita coisa em ti! Fui muito feliz nesse período e estou certo de que voltei acrescido de muito conhecimento e experiência. Isso é ótimo!”

    Lucas da Costa Pimenta, Programa de Mobilidade Acadêmica – Argentina
  • “Participar de uma experiência de intercâmbio significa redescobrir-se em novas interações: consigo mesmo, com os outros, com o mundo. Mais que sair da zona de conforto, a oportunidade de estudar Psicologia na Espanha foi transformadora. Só o fato de estar em uma universidade no exterior já foi motivo de aprendizagem afinal tudo é diferente, desde a organização da sala de aula até o método de avaliação, e permitiu o contato com novas abordagens sobre a formação profissional. Na Universidade de Jaén também fiz o curso preparatório para a proficiência em espanhol (Dele) o qual aprovei para o nível máximo, o que não seria possível em tão pouco tempo não fossem as aulas e a imersão no idioma e na cultura. Também alinhei o meu desejo de aprender mais, tanto espanhol quanto sobre o mundo, trabalhando como voluntária em uma ONG que dava aulas de língua e cultura espanhola para imigrantes. Após o término da aulas, além de viajar, me envolvi em outro trabalho voluntário: em um campo de refugiados na Grécia. Ambas experiências muito enriquecedoras. Posso dizer que aproveitei a mobilidade ao máximo, não me limitando as aulas do meu curso, mas também encontrando novas possibilidades de aprendizagem e de desfrutar o período fora do Brasil. Todas essas vivências ampliaram minha perspectiva sobre o campo de atuação da Psicologia e foram determinantes para decidir que seguirei uma carreira internacional. Sou muito grata à Mobilidade Acadêmica pela oportunidade e aconselho a todos que desejam participar dessa experiência que façam porque os ganhos são imensos.”

    Fabiane Machnacz, Programa de Bolsas Santander – Espanha
  • “As experiências que eu vivi, a vida que eu levei, as pessoas que conheci e os lugares que visitei trouxeram mudanças drásticas no meu ser. Ampliaram meus horizontes, aumentaram o tamanho do meu coração, me mostraram que sou um ser independente e plenamente capaz de conseguir aquilo que quer. Pois afinal de contas, se eu consegui construir uma vida nova no outro lado do mundo, começando do zero, então eu devo ser capaz de ir ainda mais longe, certo?”

    Henry Kammler, Programa Ciência sem Fronteiras – Austrália
  • “Fazer intercâmbio é sair da zona de conforto. É ir encarar o inesperado e descobrir o mundo. Isso transforma teu ponto de vista pela vivência com culturas e pessoas diferentes. Eu tive a oportunidade de conhecer pessoas de todos os cantos do mundo, literalmente, indo pra um país tão multicultural como o Canadá. Estar fora do teu país te mostra todos os aspectos bons que tu não percebe quando está aqui e os os aspectos não tão bons de outros países que também tem problemas. Essa é uma experiência que eu indico a todos que tem vontade de se desafiar e ir conhecer uma nova realidade.”

    Carolini Santos, ELAP (Emerging Leaders in the Americas Program) – Canadá
  • “Morando fora do Brasil a gente passa a ter noção de que as nossas atitudes refletem o nosso país. No momento em que conseguimos observar e experimentar outro tipo de sociedade, fica mais fácil reconhecer o que nós, como brasileiros, temos a aprender. Mas também fica muito mais claro o que temos a valorizar. A oportunidade de conviver com outras culturas durante o período acadêmico, com outras mentes jovens, é imperdível. Pra sair da zona de conforto qualquer país ta valendo, mas eu não deixaria de indicar a América Latina. É uma região fantástica, de cultura riquíssima, que fica do ladinho da gente e mesmo assim não é tão explorada. Vale muito a pena!”

    Dimitria Prochnow, Programa de Mobilidade Acadêmica: Convênios Bilaterais – Chile
  • “Acredito que um intercâmbio te traz conhecimentos não só teóricos, da tua área de profissão, mas também um auto-conhecimento único. Vivenciar outra cultura, outras línguas e conviver com pessoas distintas é uma grande aventura. Essa aventura, além de ser inesquecível, me fez crescer e superar muitos desafios, criando assim mais autonomia e coragem para os meus medos. Vejo que com vontade e persistência, podemos chegar aonde quisermos. Por isso, mova-se, busque oportunidades e ouse se desafiar - a nossa “bolha:” é pequena demais para o que o mundo tem a nos oferecer. ”

    Wagner Fagundes, Programa Ciência sem Fronteiras – Estados Unidos
  • “Fazer intercâmbio foi uma das melhores experiências da minha vida até agora. Estudar a minha profissão com uma visão diferenciada, ver a realidade brasileira de fora, aprender uma nova língua, fazer amigos do mundo todo, conhecer e me inserir em outra cultura e viajar para muitos lugares foram só algumas das coisas que fiz. E todas elas abriram a minha cabeça e mudaram a minha visão de mundo. Quem tiver oportunidade de realizar mobilidade acadêmica, que o faça. Poder sair do conforto de casa faz amadurecer, criar autonomia e independência. Cada novo desafio, um novo aprendizado”

    Gabriel Johnson, Programa de Mobilidade Acadêmica: Convênios Bilaterais – França
  • “Voltei depois de mais de um ano e meio de intercâmbio. E posso dizer que foi uma das melhores experiências da minha vida! Fui chamado no edital que cursa seis meses de inglês anteriores as aulas acadêmicas. Isso me ajudou muito com o idioma, sem dúvida, mas também me deu mais tempo para me ambientar ao lugar e a cultura local. Tanto o inglês quanto as aulas do curso de engenharia da computação aconteceram em Denver, na Universidade do Colorado. Lugar de belezas incríveis e com uma universidade ótima. Aproveitei muito durante essa etapa, mas o estágio de verão foi especial. Participei de um projeto de pesquisa em Maryland onde contamos com a parceria da NASA. Experiência única, onde pude aprender sobre temas que nunca antes tive contato. Lá presenciei workshops realizados por engenheiros e cientistas da NASA. Também desenvolvemos um sistema de telemetria e comando que foi publicado em uma conferência internacional e será utilizado por um nano-satélite de lançamento em 2018. Por isso recomendo que todos que ainda estão na dúvida de ir ou não em busca de intercâmbio, que façam o possível para dar certo.”

    Guilherme dos Santos Korol, Programa Ciência sem Fronteiras – Estados Unidos
  • “Tive a oportunidade de fazer um intercâmbio pelo Programa Ciência Sem Fronteiras para Toronto, no Canadá, por um ano e posso garantir que foi uma das melhores decisões que tomei em minha vida. Pude estudar em uma das melhores universidades do mundo, a University of Toronto, e aprender não só com professores incríveis, mas também com colegas que se tornaram amigos que vou levar para a vida toda. Durante o verão estagiei em um escritório de arquitetura que me proporcionou uma visão diferente sobre a minha profissão e pude trabalhar desde instalações de arte a montar espaços nos jogos Pan-Americanos. Viajei por um país que me mostrou das montanhas e lagos mais lindos a cidades que pareciam sair de filmes e morei na cidade mais multicultural do mundo. Essa experiência me ensinou não apenas sobre outras culturas, mas também sobre a vida em si. Aprendi a me organizar melhor, a dar valor para o que realmente importa, a acreditar mais em mim mesma. Pude até vivenciar melhor a cultura do meu próprio país através de amigos que vinham de diversas regiões dele e passar um pouco do que somos para os canadenses. Vivi inúmeros momentos de alegria, mas também momentos que me mostraram o que é o verdadeiro amor, que permanece independentemente do tempo e da distância e que pode vir de pessoas que tu não esperavas. Enfim, não há palavras que possam descrever tudo o que um intercâmbio pode fazer por ti, mas é algo que indico para qualquer pessoa. Quando você volta sabe que não é mais o mesmo, mas que é uma versão melhor de si.”

    Luísa Pasqualotto, Programa Ciência sem Fronteiras – Canadá
  • “Ter a oportunidade de fazer intercâmbio em meio à formação superior, foi sem duvidas,a melhor decisão da minha vida! Poder ir para uma universidade, que é conhecida como Universidade do Mundo, trocar experiências com gente de outro país, fazer novas amizades, tudo isso eu defino em uma palavra: crescimento! Recomendo demais, quem está em dúvida, vá!! Não há nada igual! Universidade do Porto me recebeu de portas abertas, a mim e a milhares de outros intercambistas! A cidade do Porto, em Portugal, é acolhedora e maravilhosa! Só tenho que agradecer a quem fez viável eu realizar este sonho, e a mobilidade que intermediou tudo, desde o início de mostrando solicita! Obrigada, PUCRS! Obrigada, Universidade do Porto! A melhor experiência da vida!!!”

    Beatriz Caleffi de Miranda, Programa de Mobilidade Acadêmica – Portugal