Trilha da Biodiversidade do Campus da PUCRS

Atividade é atração da Semana do Meio Ambiente da PUCRS 2018

O Campus da PUCRS, em Porto Alegre, pode ser considerado uma ilha verde em meio à paisagem urbana. Com o objetivo de valorizar a diversidade biológica presente no Campus, bem como os serviços e processos ecológicos a ela associados, o Instituto do Meio Ambiente (IMA) propôs uma caminhada pela Universidade guiada pelos professores associados ao IMA.

Nessa quarta-feira, 06 de junho, às 13h, os participantes foram convidados a olhar de uma forma diferente para os contextos ecológicos presentes no Campus. A trilha iniciou-se no chimarródromo, no Largo da Solidariedade, em frente ao prédio 15. A “figueira-da-folha-miúda” (Ficus cestrifolia) presente no local marcou a primeira parada. Sendo da mesma família da amoreira cultivada e do figo comercial, sua reprodução, com a produção dos figos, depende de uma interação bastante específica com uma microvespa, que utiliza as inflorescências como berçário para a sua prole (veja o vídeo demonstrativo deste processo).

A segunda parada teve como destaque a Monstera deliciosa, conhecida popularmente como “costela-de-Adão”. Sua infrutescência carnosa é muito apreciada – por isso, o epíteto específico “deliciosa”. O consumo, no entanto, deve ser feito com cuidado, pois possui cristais de oxalato de cálcio, que podem causar cálculos renais.

A Thunbergia grandiflora – “tumbérgia-azul” – foi o foco do terceiro ponto. A trepadeira se constitui como uma ótima opção para cobertura de paredes verdes e pergolados. Sendo de intenso florescimento, é fonte de alimento (néctar) para visitantes florais mesmo em períodos frios. A quarta parada foi marcada pela Agave atenuata – conhecida como “agave-dragão” ou ainda “tromba-de-elefante”. Originárias do México, são plantadas como ornamentais, mas outras espécies deste gênero são utilizadas na produção de fibras, na fermentação da tequila e na produção de um xarope empregado em substituição ao açúcar.

A Myrsine umbellata, conhecida como “capororoca”, foi a nossa quinta atração. Trata-se de uma árvore nativa comum na Mata Atlântica, cujos frutos servem de alimento para 38 espécies de animais, entre aves e mamíferos. No sexto ponto foi mostrada a Bursera graveolens – popularmente chamada de “palo-santo”. A planta é originária da América tropical e é considerada sagrada por povos nativos, sendo amplamente empregada em rituais religiosos para a purificação de ambientes.

A Schinus terebinthifolius – “aroeira-vermelha” – é uma árvore nativa popularmente conhecida como pimenta-rosa, devido ao seu fruto pequeno, arredondado e de coloração rosa-avermelhado. O destaque da nossa sétima parada é considerado Planta Alimentícia Não Convencional (PANC), sendo seu fruto muito utilizado como condimento no preparo de diversos pratos e na indústria de carnes e embutidos, substituindo a pimenta-do-reino.

A oitava parada contemplou a Artocarpus heterophyllus, “jaqueira” encontrada no Campus. Planta originária da Ásia considerada naturalizada no Brasil, pertence à mesma família das figueiras (Ficus spp.) e da amoreira (Morus nigra). Suas infrutescências são muito apreciadas para consumo, inclusive compondo pratos típicos da culinária brasileira. A nona e última parada foi na horta localizada na Rua da Cultura, inaugurada nesta semana. No espaço, é possível colher chás e temperos que estão à disposição do público.

A Trilha da Biodiversidade do Campus da PUCRS foi uma das atividades promovida dentro da programação da Semana do Meio Ambiente, que faz parte da Agenda Ambiental, calendário de eventos do IMA.

“Figueira-da-folha-miúda”, no Largo da Solidariedade, em frente ao prédio 15

“Costela-de-Adão”, no jardim lateral ao prédio 15

“Tumbérgia-azul”, na parede verde do prédio 30

“Agave-dragão”, no canteiro em frente ao prédio 30

“Capororoca”, no bosque entreo Centro de Pastoral e a Biblioteca Central

“Palo-santo”, no canteiro próximo ao estacionamento em direção ao TECNOPUC

“Aroeira-vermelha” – no estacionamento ao lado do prédio 20

“Jaqueira”, no estacionamento ao lado do prédio 20

Horta localizada na Rua da Cultura