Paulo Henrique L. Fernandes

pauloPaulo Henrique L. Fernandes, professor de Informática da PUCRS, realizou o curso de Ciência da Computação na Universidade Federal do Rio Grande do Sul e se formou no ano de 1987. Curiosamente, a escolha de Paulo inicialmente foi pelo tecnólogo de processamento de dados em decorrência da curta duração de dois anos.

No entanto, ao entrar na fila para se inscrever, Paulo foi informado sobre a substituição do tecnólogo por Bacharelado em Ciência da Computação. Depois de certo tempo esperando na fila com a vontade em fazer o Tecnólogo, o professor optou pela Ciência da Computação.

Sobre a realização de cálculos, Paulo Henrique tem lembranças da época da graduação. “O meu primeiro programa foi feito em cartão perfurado. Desde o segundo semestre eu já fazia isso. O processo para se escrever um programinha pequeno era ficar em um laboratório específico. Mas, com o passar do tempo e com a evolução dos computadores pessoais, os problemas menores e o aprendizado de computação passou a ser fora do laboratório especializado, podia ser em uma sala de aula com micro. Mas, na época da minha graduação, mesmo para o básico, nós íamos para o laboratório”.

O professor, que atua no tema de Ciência da Computação com ênfase em Matemática da Computação, lembra que o processo dos cálculos era demorado e também destaca a importância do Laboratório de Alto Desempenho: “O processo de cálculos antigamente era demorado. Os programas eram rodados umas três ou quatro vezes ao dia, o que era o bastante para a época da minha graduação (1987). Atualmente, a gente não precisa estar fisicamente no laboratório. Eu posso da minha sala abrir uma janela no computador, controlando a máquina de lá. E tudo funciona”.

No Laboratório de Alto Desempenho, o professor Paulo Henrique é coordenador do projeto Paleoprospec, que necessita de alto poder de processamento, por causa de estimativas, que são da ordem de terabytes, com o passado da Terra. No LAD, o projeto necessita de muito processamento, assim como armazenamento.