CAPES - Coordenadoria de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior
PROCAD - Programa Nacional de Cooperação Acadêmica

O projeto integra docentes de quatro Programas de Pós-Graduação de diferentes regiões do País em torno da temática “literatura juvenil e leitura”, com o objetivo de fortalecer essa área em seus Programas e contribuir para sua plena consolidação nos estudos pós-graduados. Visa produzir pesquisa coletiva original e sistemática sobre o tema; realizar reflexão aprofundada sobre a existência de um específico juvenil dentro do campo mais amplo da literatura, investigando verticalmente o estatuto do gênero.

  Siga o projeto  
  @p_Interstícios  
  no Twitter  

Justificativa

O argumento central para a realização de um projeto como este que ora se apresenta concentra-se no inequívoco reconhecimento de que, apesar de todas as iniciativas que se têm materializado no país, ao menos desde o advento da República, não temos, até os dias de hoje, chegado a bom termo no enfrentamento da questão do letramento em nível nacional. Trata-se, sem dúvida, de uma crônica incapacidade de garantir a todas as faixas da população o pleno acesso à cultura letrada e, consequentemente, à cidadania, com as mais nefastas conseqüências daí advindas e com repercussão em diferentes níveis – econômico, cultural, político, entre outros.

O fato de, recentemente, o Brasil ter se integrado a um conjunto de países submetidos a uma avaliação padronizada no que diz respeito a sua capacidade de formar leitores competentes – o PISA (Programme for International Student Assessment), desenvolvido pela OCDE – Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (PISA, 2003), – só fez pôr em máxima evidência o impasse a que chegamos, descrito, explicado e denunciado já há muitos anos por intelectuais de diversos campos do conhecimento e tornado agora brutalmente explícito pelo fato de ter cabido ao Brasil o último lugar quanto à leitura na classificação do ano 2000, para um ranking de 32 países.

Desde então, esse problema candente tem sido inserido nas mais diversas agendas da nação, buscando-se contribuições e estratégias de toda ordem – das mais teóricas às mais práticas – que possam auxiliar a superar o deplorável estado de coisas associado à questão da leitura no país. Dentre os muitos aspectos abordados, tem sido sublinhado o papel substantivo que pode desempenhar o texto literário na formação do leitor, em particular por seu caráter profundamente emancipador, atuando sobre o leitor segundo diferentes funções – psicológica, formadora e de conhecimento do mundo (Candido, 1972).

Por sua vez, dentre os muitos gêneros e subgêneros que alimentam o sistema literário, destaca-se, na formação dos leitores incipientes, a literatura juvenil, fenômeno recente, mas cuja produção se fez maciça nas últimas décadas, com a publicação de inúmeros títulos e a sua circulação marcante no contexto escolar, em meio aos muitos produtos culturais que inundam o mercado e disputam avidamente a atenção dos jovens.

No entanto, apesar do peso considerável que possui atualmente a literatura juvenil no mercado editorial, movimentando números e cifras consideráveis; da vasta produção de títulos de variada gama de literariedade – dos mais artísticos aos mais “comerciais”; dos inúmeros autores já consagrados ou novatos que produzem no gênero; da legitimação que a literatura juvenil acaba por receber por parte de diferentes instituições (prêmios, diretrizes curriculares, congressos, disciplinas de graduação e pós-graduação etc.), é possível constatar que a pesquisa sistemática sobre o assunto é ainda bastante precária, deixando muito a desejar. Há enorme trabalho a realizar na área, tanto no sentido de preencher lacuna relevante num dado campo de pesquisa quanto pela contribuição mais imediata que se pode aportar para a questão do letramento no país e a superação gradativa dos problemas apontados, justificando-se plenamente a proposição de um projeto como este, empenhado em compreender melhor o gênero juvenil nas suas múltiplas dimensões.

Justifica-se, ainda mais, a proposição deste projeto, na medida em que pode ser visto como uma espécie de desdobramento natural do empenho de alguns professores/pesquisadores de diferentes IES, de diferentes regiões do país, em atuar conjuntamente, já há alguns anos, para somar esforços na realização de pesquisas em um campo vasto, ainda pouco explorado e de importância social destacada. Assim, este projeto configura, de uma certa forma, a formalização e a verticalização de uma prática de pesquisa já em curso, ainda que incipiente e que busca exatamente alcançar patamares mais elevados de qualidade, regularidade e impacto social da pesquisa produzida.

Sobretudo no que concerne aos quatro coordenadores das equipes envolvidas, Vera Teixeira de Aguiar, João Luís C. T. Ceccantini, Maria Zaira Turchi e Alice Áurea P. Martha, delineia-se uma história significativa de ações e iniciativas ligadas à pesquisa no campo da literatura juvenil e da formação de leitores que é importante sublinhar e endossa substancialmente a necessidade de levar adiante um projeto como o ora proposto:

a) Os quatro integram o GT “Leitura e Literatura Infantil e Juvenil” da ANPOLL e têm desempenhado papel de coordenação e liderança no GT;

b) Os quatro integram Grupo de Pesquisa do CNPQ, intitulado “Leitura e Literatura na escola”;

c) Três deles são votantes da Fundação Nacional do Livro Infantil e Juvenil – FNLIJ, participando anualmente do processo de seleção e avaliação das obras premiadas pela instituição;

d) Dois deles têm atuado regularmente na coordenação de equipes e emissão de pareceres ligados à avaliação de obras de literatura infanto-juvenil do Programa Nacional de Bibliotecas Escolares – PNBE/MEC, liderado pelo CEALE/UFMG;

e) Dois deles tiveram participação ativa na realização do Proleitura, tablóide publicado durante oito anos, voltado à divulgação de temas como leitura, ensino da literatura e literatura infantil e juvenil, junto a professores do Ensino Fundamental e Médio e de especialistas da área;

f) Os quatro têm se empenhado na organização e participação conjunta de eventos científicos e culturais ligados à leitura e à literatura infantil e juvenil, tais como “Os múltiplos lugares da leitura e da formação do leitor literário” (ABRALIC), “Travessias interdisciplinares: o leitor, a leitura e a literatura” (ABRALIC) ou a “I Bienal do Livro de Goiás”;

g) Os quatro têm participado contínua e conjuntamente de bancas de Mestrado e de Doutorado sobre leitura e literatura infantil e juvenil, seja na condição de orientadores, seja na de participantes de bancas, junto aos programas de pós-graduação a que estão vinculados;

h) Os quatro integram conjuntamente diversas publicações, em especial livros, sobre leitura e literatura infantil e juvenil, na condição de articulistas e/ou organizadores, tais como:

AGUIAR, Vera Teixeira de; MARTHA, Alice Áurea Penteado (orgs.). Territórios da leitura: da literatura aos leitores. São Paulo: Cultura Acadêmica; Assis: ANEP, 2006.
CECCANTINI, João Luís C. T. (org.) Leitura e literatura infanto-juvenil: memória de Gramado. São Paulo: Cultura Acadêmica; Assis: ANEP, 2004.
CECCANTINI, João Luís C. T., PEREIRA, Rony Farto, ZANCHETTA JUNIOR, Juvenal (Orgs.) Pedagogia Cidadã: Cadernos de Formação - Língua Portuguesa (volumes 1 e 2). São Paulo: UNESP-Pró-Reitoria de Graduação, 2004. 128 p e 162 p.
JACOBY, Sissa; RETTENMAIER, Miguel (org.). Além da plataforma nove e meia: pensando o fenômeno Harry Potter. Passo Fundo: Ed. UPF, 2005.
PAULINO, Graça; COSSON, Rildo (orgs.). Leitura literária: a mediação escolar. Belo Horizonte: Faculdade de Letras da UFMG, 2004.
PEREIRA, Rony Farto; BENITES, Sonia Lopes (orgs.). À roda da leitura: língua e literatura no jornal Proleitura. São Paulo: Cultura Acadêmica; Assis: ANEP, 2004.
TURCHI, Maria Zaira, SILVA, Vera Maria Tietzmann (orgs.). Literatura infanto-juvenil: leituras críticas. Goiânia: Ed. UFG, 2002.
TURCHI, Maria Zaira, SILVA, Vera Maria Tietzmann (orgs.). Leitor formado, leitor em formação: leitura literária em questão. São Paulo: Cultura Acadêmica; Assis: ANEP, 2006.

Objetivos

Gerais:
– integrar a atuação de docentes de quatro programas de Pós-graduação de diversas regiões do país em torno de temática comum – literatura juvenil e leitura, fortalecendo essa área nos programas e contribuindo para sua plena consolidação;
– produzir pesquisa coletiva original e sistemática sobre literatura juvenil e leitura, consideradas particularmente no contexto da escola pública;
– incrementar a formação de recursos humanos, em diferentes níveis, propiciando a orientandos de graduação e de pós-graduação experiências de pesquisa e orientação para além dos cursos a que estão diretamente vinculados, bem como a integração entre os dois níveis e a integração entre Universidade e Ensino Básico;
– estimular o envolvimento dos integrantes do projeto em ações de forte impacto científico e social, bem como na elaboração e gestão de políticas públicas.

Específicos:
– levantar obras de autores nacionais, lançadas no mercado desde o final do século XIX e que tenham circulado entre nós especificamente sob a rubrica literatura juvenil;
– selecionar, estudar e analisar as obras juvenis de melhor nível estético e representativas da produção do período, para subsidiar estudos de história, teoria e crítica literária, bem como de ensino da literatura;
– realizar uma reflexão sistemática sobre a existência efetiva de um específico juvenil dentro do campo mais amplo da literatura;
– investigar verticalmente o estatuto da literatura juvenil, definindo-a e caracterizando-a com maior clareza em oposição a outros textos literários e explicitando suas variações segundo gêneros e subgêneros;
– analisar o processo mediação e recepção de textos literários no contexto da escola pública (Ensino Fundamental e Médio), em suas muitas variáveis;
– refletir criticamente sobre práticas pedagógicas sacralizadas pela tradição escolar e discutir aspectos metodológicos para o trabalho com a recepção de textos na escola.

Metas e Resultados Esperados

Metas e Resultados Esperados e Metas Atingidas

a) quanto à formação/aperfeiçoamento de docentes e/ou pesquisadores
– a realização de 5 pós-doutorados, 4 doutorados-sanduíche, 8 mestrados-sanduíche e 13 missões de estudo de iniciação científica de integrantes do Projeto em instituições que não aquelas de origem, permitindo a expansão de horizontes de pesquisa dos participantes;
– o oferecimento de, ao menos, 7 cursos de pós-graduação em programas diferentes daqueles de onde são originalmente ministrados, permitindo o intercâmbio de abordagens e perspectivas teóricas sobre um mesmo objeto e a ampliação do público que tem acesso a esses conteúdos;

b) quanto à melhoria dos programas de pós-graduação participantes
– o fortalecimento dos quatro programas no campo da leitura, da literatura infantil e juvenil e do ensino da literatura, aumentando o número de docentes de cada curso que produz pesquisa na área, oferece disciplinas e realiza atividades de orientação, e permitindo a melhor delimitação das linhas de pesquisa de cada curso e sua esfera de atuação;
– no caso específico da Universidade Estadual de Maringá, a criação do Doutorado, como produto do fortalecimento do curso, uma vez que, atualmente, das 4 IES envolvidas no Projeto, trata-se da única instituição que possui apenas o nível de Mestrado;
– a elevação do patamar de qualidade da abordagem do objeto comum das disciplinas oferecidas dentro de uma mesma linha de pesquisa, na medida em que o maior número de profissionais atuando conjuntamente e mais capacitado permite abordagens simultaneamente verticais e horizontais do objeto;
– a elevação de patamares quantitativos da produção dos programas, implicando um maior número de publicações e orientações.

c) quanto à aplicabilidade dos resultados de pesquisa/impacto previsto
– uma vez ampliado o número de pesquisadores ligados a uma dada área e aprofundada sua formação, a implementação de ações de impacto social junto à rede pública de ensino (como projetos de fomento à leitura e capacitação continuada de docentes), no nível municipal, estadual e mesmo federal, contribuindo de forma substantiva para enfrentar a questão do letramento, e atuar constantemente na elaboração e gestão de políticas públicas ligadas à leitura nas regiões em que se localizam os Programas.

d) quanto às publicações conjuntas
– a publicação de uma coleção de quatro volumes alentados sobre literatura juvenil, contemplando respectivamente história, teoria e crítica da literatura juvenil, bem como o trabalho com esse gênero em contexto escolar;
– a disponibilização de um site de referência na área, priorizando indicações, recensões e resenhas de obras de literatura juvenil de boa qualidade estética, artigos sobre o assunto e um banco de entrevistas com autores nacionais que se dedicam ao gênero, como subsídio a professores e outros profissionais da leitura;
– a elaboração de um catálogo on-line das obras nacionais que têm circulado sob a rubrica literatura juvenil, das origens do gênero entre nós até os dias de hoje, atentando particularmente para o estabelecimento das datas de primeira edição das obras, como subsídio a pesquisadores de diferentes níveis.

Metas Atingidas

É o seguinte o quadro geral da pesquisa, considerando as metas elaboradas para os 4 anos previstos:
- dos 5 pós-doutorados, foi realizado 1 e o 2º está em andamento;
- dos 4 doutorados-sanduíche, 2 estão em realização;
- dos 8 mestrados-sanduíche, foram realizados 2;
- das 13 missões de estudo de iniciação científica, foram realizadas 2;
- dos 7 cursos de pós-graduação, foi realizado 1;
- quanto à proposta de fortalecimento dos programas, foram implantadas duas disciplinas nos currículos de pós-graduação (PUCRS e UEM), bem como aprovada pelo Conselho Universitário a criação de Doutorado na UEM, em fase de exame pela CAPES;
- quanto à qualificação de recursos humanos, foram orientadas 6 trabalhos de conclusão de curso de graduação, 5 iniciação científica, 6 dissertações e 3 teses, havendo em andamento, 8 dissertações e 10 teses (o que revela o incentivo maior para a área nos 2 anos);
- quanto à divulgação e à aplicabilidade dos resultados, foram realizadas comunicações e conferências em eventos nacionais e internacionais, conforme a discriminação no item 5 deste relatório, bem como a publicação de artigos, capítulos de livros e livros completos, conforme dados apresentados no item 12 deste relatório;
- dos 4 volumes de uma coleção sobre literatura juvenil planejada, foi concluído o primeiro volume, atualmente no prelo, intitulado “Literatura juvenil: geração 2000”
- quanto à elaboração de um catálogo online das obras juvenis nacionais, o mesmo está pronto e sendo alimentado pelas resenhas críticas.
Os dados revelam o fortalecimento no campo da leitura, da literatura juvenil e do ensino da literatura, como atestam as orientações, as publicações e a criação de disciplinas em 2 programas de pós-graduação (PUCRS e UEM). A elevação de patamares quantitativos da produção dos programas, implica um maior número de orientações e de publicações, como ficou demonstrado nos quadros 05 e 12 deste relatório, o que comprova o alcance dos objetivos do projeto.

Fundamentação Teórica

Numa reflexão sobre o objeto que convencionalmente é chamado de literatura infanto- juvenil, deve-se chamar a atenção para o fato de que se trata de fenômeno relativamente recente entre nós, remontando suas origens no país a apenas um século, aproximadamente. Além disso, é necessário lembrar que o desenvolvimento de nossa literatura para crianças e jovens começou de forma tímida, passando por um período inicial de formação, em que preponderaram as traduções e as adaptações de autores europeus, particularmente de obras filiadas à tradição oral européia ou de caráter francamente pedagógico. É somente com o projeto literário de maior consistência levado adiante por Monteiro Lobato (1882-1948), a partir da década de 20, e a gradativa consolidação de um público consumidor fiel para o livro infanto-juvenil que essa modalidade literária adquiriu uma face própria e alguma autonomia entre nós, vindo a desembocar no conhecido boom das décadas de 70 e 80. Nesse período, pôde-se testemunhar um crescimento intenso do mercado de livros infanto- juvenis, com uma proliferação de autores e obras, que absolutamente ainda não se esgotou.

Se a trajetória da literatura infanto-juvenil brasileira é evocada aqui, ainda que de forma muito esquemática, é porque remete para um importante argumento de caráter genérico a justificar um projeto como o proposto: a pequena tradição de estudos acadêmicos sobre o assunto, uma vez que nossa produção em matéria de literatura infanto-juvenil é – em termos históricos – bastante recente. Como pode observar qualquer pesquisador do setor, é escassa, até o momento, a bibliografia sobre literatura infanto-juvenil brasileira, vindo a ocorrer uma produção teórica e crítica mais sistemática sobre o gênero apenas nas duas ou três últimas décadas. Na verdade, esta produção ocorreu na esteira da expansão do mercado de livros infanto-juvenis e do esforço nacional para o combate ao analfabetismo e defesa da leitura, num país de tradição iletrada. Estes aspectos, que desencadearam diversas campanhas institucionais de promoção da leitura, em nível nacional e regional, geralmente com grandes investimentos por parte do Estado e mesmo da iniciativa privada – como foi o caso, por exemplo, do Projeto Ciranda de Livros –, foram de certa forma também os grandes propulsores do interesse que a literatura infanto-juvenil passou a ter a partir de um certo momento no meio acadêmico, em particular nos cursos de Letras, Pedagogia e Psicologia (Ceccantini, 2004).

Se um razoável desenvolvimento do estudo da literatura infanto-juvenil no país, nas últimas duas ou três décadas, é inegável, isso não significa, contudo, que o tema esteja nem de longe esgotado como objeto de pesquisa. Apesar dos esforços de muitos estudiosos do assunto para introduzir a disciplina Literatura Infanto-Juvenil nos Cursos de Graduação e Pós-Graduação em Letras, Pedagogia e Psicologia de todo o país; apesar dos inúmeros congressos e reuniões científicas versando sobre o tema, realizados de Norte a Sul; apesar de existir uma bibliografia especializada que, nos últimos anos, começa a ser publicada com maior regularidade, não se pode pensar em um campo de estudos suficientemente investigado.

Do ponto de vista historiográfico, possuímos já há algumas décadas – felizmente – algumas obras que propõem leituras diacrônicas, apresentando a produção infanto-juvenil brasileira de uma forma minimamente sistematizada, organizada e a partir de uma visão de conjunto. É o caso de obras pioneiras como a História da literatura infantil (1959), de Nazira Salem, ou Literatura infantil brasileira: ensaio de preliminares para a sua História e suas fontes (1968), de Leonardo Arroyo. Mais recentemente, deve ser citada Literatura infantil brasileira: história & histórias (1984), de Marisa Lajolo e Regina Zilberman, obra divisora de águas, que apresenta uma visão original de nossa produção no gênero, segundo um enfoque simultaneamente histórico e estético, buscando um permanente contraponto entre a produção infanto-juvenil brasileira, a literatura nacional como um todo e a história social, política e econômica do país. Fora dos grandes panoramas históricos, no entanto, está quase tudo ainda por ser feito no campo dos estudos da literatura infanto-juvenil no Brasil.

É preciso ressaltar que nem mesmo os autores e obras infanto-juvenis já considerados como nossos “clássicos” têm sido sistematicamente estudados ou possuem sua produção devidamente fixada, organizada e analisada segundo um instrumental teórico mais atual. Mesmo Monteiro Lobato que, por ocasião do cinqüentenário de sua morte, foi objeto de novos estudos no país, não teve ainda sua obra infanto-juvenil suficiente e sistematicamente submetida a uma análise que dê conta da riqueza de seu projeto literário. O que dizer de autores como Figueiredo Pimentel (1869-1914), Tales de Andrade (1890-1977), Viriato Corrêa (1884-1967), Orígenes Lessa (1903-1986), entre outros?

No que diz respeito à literatura contemporânea, as lacunas verificadas são igualmente amplas, com o agravante de que, nos últimos anos, os autores de literatura infanto-juvenil multiplicaram-se em progressão geométrica e a publicação de obras se deu num ritmo acelerado e frenético, típico dos fenômenos de mercado e da indústria cultural, nos quais se inclui a literatura infanto-juvenil. Desse modo, num país em que sequer a produção contemporânea da “outra literatura” consegue ser razoavelmente assimilada e deglutida pelo meio acadêmico, o que tem sido feito em termos de pesquisa voltada para os enormes números, dígitos e cifras que envolvem o universo da literatura infanto-juvenil contemporânea deixa ainda muito a desejar. Faltam: obras de referência de toda sorte – bibliografias, dicionários, antologias, entre outros; estudos monográficos sobre um determinado autor ou uma determinada obra, dos mais simples, de natureza preponderantemente formal ou temática, aos mais complexos, que procurem integrar ambos os aspectos na análise; pesquisas mais generalistas, que dêem conta de questões teóricas representativas para a literatura infanto-juvenil brasileira; estudos panorâmicos, considerando conjuntos de autores e obras, empenhados em apontar tendências estéticas, ideológicas etc.; estudos voltados para a recepção da literatura infanto-juvenil em contexto escolar; isto, para citar de modo genérico algumas entre outras lacunas.

Vale a pena destacar também que tampouco os veículos de ampla circulação da grande imprensa têm reservado à literatura infanto-juvenil maior atenção. Se considerarmos revistas como Veja, Istoé ou Época, ou, no contexto paulista, por exemplo, os cadernos de cultura de jornais como Folha de S. Paulo e O Estado de S. Paulo, verificaremos que não há absolutamente colunas que, de forma sistemática e com periodicidade regular, se dediquem à crítica das obras infanto-juvenis lançadas no mercado. Quando muito, nos suplementos infantis ou juvenis desses jornais, ocorre a divulgação dos lançamentos de obras, acompanhada vez por outra por um ou outro comentário breve da equipe de redação ou dos próprios leitores.

No conjunto, é como se houvesse um acordo tácito entre academia e imprensa, que deixa quase que exclusivamente a cargo das editoras a mediação entre a produção da literatura infanto- juvenil brasileira e o contexto em que se dá sua recepção (preferencialmente a escola e, num segundo plano, a família). Não se sabe com certeza se isso ocorre por mera indiferença, por esnobismo, por razões de mercado ou, pura e simplesmente, pela falta de visão sobre o papel que poderia desempenhar o acompanhamento sistemático da produção de literatura infanto-juvenil brasileira no panorama cultural contemporâneo. Mas não deixa de ser preocupante constatar que, nesse complexo processo de circulação em que se dá a cultura e, em particular, a literatura infanto- juvenil, diretamente ligada a um papel de formação do leitor iniciante, o poder que cabe às editoras seja tão monolítico. Estas, como se sabe, fazem o jogo pesado do mercado, deixando freqüentemente que os interesses financeiros se sobreponham a quaisquer outros, como os pedagógicos, os estéticos, os sociais etc.

O exercício crítico regular e freqüente voltado aos inúmeros lançamentos infanto-juvenis que têm chegado ao mercado nos últimos anos tem um papel essencial a cumprir, na medida em que, se divulgado a contento, pode oferecer, em especial ao professor de Ensino Fundamental e Médio, parâmetros de avaliação da produção infanto-juvenil diferenciados em relação àqueles veiculados pelas editoras, por meio do marketing agressivo de que se valem. Hoje, são os catálogos das editoras, cada vez mais requintados, que, invadindo a escola e a casa do professor, dão as cartas no momento da escolha das obras indicadas como leitura para os estudantes. E isso acontece, não apenas pelas condições adversas de trabalho do professor, em geral vítima de formação precária e com falta de tempo para ler e selecionar obras de qualidade, como usualmente se costuma apontar, mas também pela ausência das publicações especializadas que poderiam exercer esse papel de uma triagem rigorosa na produção de literatura infanto-juvenil nacional.

Até aqui, procurou-se invocar argumentos de cunho mais genérico que estão na base da realização de um trabalho como o proposto. No entanto, se for considerada a questão teórica específica ligada à questão do gênero literatura infanto-juvenil, há de se invocar ainda outras razões decisivas que motivam a realização do Projeto, especialmente ligadas ao fato de que a categoria literatura juvenil não tem sido suficientemente analisada pelo debate teórico e sua aceitação no meio acadêmico é pouco pacífica.

Tem sido constante o escamoteamento sistemático da questão do “específico juvenil”. Se a oposição “literatura”/“literatura infantil” se faz presente na absoluta maioria dos textos que compõem a bibliografia teórica em língua portuguesa sobre o assunto (produzida em geral pela Academia), já as oposições “literatura”/“literatura juvenil” ou “literatura infantil”/“literatura juvenil” são quase que deixadas de lado pelos textos que se dispõem a tratar desse polêmico “subgênero” literário. Nem mesmo a bibliografia teórica estrangeira opera de maneira muito diferente. Sob a ambígua rubrica “literatura infanto-juvenil”, utilizada, aliás, até este ponto sem maior questionamento, todos os problemas parecem estar resolvidos, ainda que depois se revelem contradições internas nas obras teóricas, ao acabarem – explícita ou implicitamente – trabalhando com a diferenciação de conceitos. E é bem provável que isto se dê, entre outras razões, porque o próprio conceito de juventude ou adolescência ocupa na sociedade ocidental, um estatuto ainda muito precário, próprio de sua brevidade histórica, que aponta para uma zona de indeterminação, de limbo, de entre-lugar, ou – como preferimos denominar neste projeto – de interstício, terreno do provisório, do indefinido, meio caminho entre a infância (conceito hoje já cristalizado) e a idade adulta, numa configuração de contorno incerto.

O grande paradoxo é que, embora ignorada pela teoria, a categoria “juvenil” é largamente utilizada em diferentes instâncias: o mercado editorial, conforme se expressa claramente nos catálogos das editoras, é muito preciso na oposição que realiza entre “literatura”/ “literatura infantil”/“literatura juvenil”; um número considerável de escritores aceita a divisão e publica sob essa rubrica específica; sobretudo, a prática dos professores, se vale constantemente da categoria “juvenil”; as bibliotecas não operam de modo diverso; os leitores, em sua prática, fazem uso corrente dessa distinção; os “guias de leitura” em geral também não temem a diferenciação; instituições legitimadoras da literatura, por sua vez, como a Câmara Brasileira do Livro ou a Associação Paulista de Críticos de Arte, têm concedido prêmios na rubrica específica “literatura juvenil”. a escola, conforme registram certas diretrizes oficiais de ensino e,

Posto esse paradoxo, como pode uma reflexão teórica séria sobre a produção “para crianças e jovens” passar ao largo do tema? A impressão forte deixada pelos textos acadêmicos é a de que há uma rejeição apriorística do conceito de “literatura juvenil”, sem que, ao menos, se procure fazer uma análise detalhada da questão, que leve em conta os muitos dados de realidade que remetem à idéia da existência de uma “literatura juvenil” autônoma. Isso, independentemente de qualquer julgamento de valor que se venha a emitir. E, sobretudo, se nos valermos do conceito de sistema literário (Candido, 1981; Lajolo, 2003), onde instâncias como a circulação, por exemplo, têm um peso nada desprezível.

Vale dizer, ainda, que, para estudar a questão do “específico juvenil”, pode ser fecunda a opção de dar um tratamento privilegiado ao gênero narrativo, privilegiando as “narrativas longas”, particularmente aquelas publicadas a partir de 1978, ano que constitui uma espécie de baliza para a consolidação do gênero, momento em que há uma nítida expansão do mercado no sentido de atingir uma faixa de público que, até então, não vinha sendo das mais visadas pelas editoras. Como sugere Eliana Yunes, (1989), é a partir do início da década de 80 que, guardadas as devidas proporções, ocorre o salto quantitativo na literatura juvenil brasileira semelhante ao processo ocorrido na década anterior no campo da literatura infantil. A pesquisadora levanta a hipótese de que os leitores infantis formados na década de 70 teriam se convertido nos leitores juvenis da década de 80, num fenômeno muito astutamente percebido pelas editoras. E é bom frisar que, além de questionar o estatuto de uma “literatura juvenil”, é fundamental para a pesquisa proposta também verificar se esse salto quantitativo teve sua contrapartida no plano qualitativo, tal como ocorreu com a literatura infantil.

Equipe

IES Participantes:
PUCRS, UNESP-Assis, UFG e UEM

a) IES Coordenadora Geral: PUCRS

Dr. Vera Teixeira de Aguiar (Coordenadora Geral do Projeto)
Dr. Noelci Fagundes da Rocha
Dr. Regina Kohlrausch
Maurício da Silveira Piccini (DO)
Paula Mastroberti (DO)
Christiane Vieira Soares (ME)
Marcelo Buckowski (ME)
Taís Helena Mallmann (ME)
Talita Felix Schneider (ME)
Aline Santos Barbosa (GR)
Henrique Cardoso Lopes (GR)
Marcira Evangelho Trindade (GR)
Sabrina Rosa Gonçalves (GR)

b) IES Associada 1: UNESP-Assis

Dr. João Luís Cardoso Tápias Ceccantini (Coordenador de Equipe)
Dr. Alvaro Santos Simões Júnior
Dr. Benedito Antunes
Dr. Marco Antônio Domingues Sant’Anna

c) IES Associada 2: UFG

Dr. Maria Zaira Turchi (Coordenadora de Equipe)
Dr. Agostinho Potenciano de Souza
Dr. Goiandira de Fátima Ortiz de Camargo

d) IES Associada 3: UEM

Dr. Alice Áurea Penteado Martha (Coordenadora de Equipe)
Dr. Marilurdes Zanini
Dr. Rosa Maria Graciotto Silva
Sharlene Davantel Valarini (DO)
Lígia Maria Fabretti (ME)
Lucas Macedo (ME)
Marcos Douglas Pereira (ME)
Nathalia Costa Esteves (ME)
Olga Ozaí da Silva (ME)
Andressa Fajardo (PIBIC)
Bruno Ciavolella (PIBIC)
Débora Sodré Esper (GR)

Linhas de Atuação

Ao término do Projeto, os quatro programas estarão preparados para atuar de forma mais incisiva nas seguintes linhas:

a) no oferecimento de disciplinas no âmbito da literatura infantil e juvenil; leitura; ensino da literatura;

b) na orientação de alunos de Iniciação Científica, Mestrado e Doutorado em projetos ligados a esses objetos;

c) na produção de pesquisas/publicações vinculadas a esse campo de atuação;

d) na elaboração de políticas públicas, projetos e ações de impacto social ligados à área, em nível municipal, estadual ou mesmo federal.

Missões

Missões de Pesquisa
Missões de Estudo

Missões de Pesquisa

Os pesquisadores reuniram-se em seis missões de pesquisa e desenvolveram as seguintes atividades:

1-Reunião de trabalho na IES Coordenadora Geral do Projeto – PUCRS
Período: de 04 a 07 de dezembro/2008
Preparação de ementas e programas para a disciplina “Narrativa juvenil”, a ser ofertada nos Programas de Pós-Graduação das quatro IES participantes do projeto
Definição de missões de pesquisa nas IES envolvidas, com participação de alunos de Graduação (IC) e Pós-Graduação (ME e DO)

2-Reunião de trabalho realizada na IES Coordenadora Geral do Projeto – PUCRS
Período: 25 e 26 de março/2009
Planejamento de tarefas e discussão das fases já realizadas: levantamento de obras juvenis nos últimos 40 anos para a consolidação do sistema literário; resenhas das obras selecionadas; preparação da primeira obra coletiva (redação dos capítulos) e do catálogo online de obras juvenis para fazer parte de um site

3-Reunião de trabalho na IES Coordenadora Geral do Projeto – PUCRS
Período: de 20 a 21 de maio de 2009
Discussão dos capítulos já elaborados para o primeiro livro planejado.
Ajustes no ambiente do catálogo online de obras juvenis para fazer parte de um site

4-Reunião de trabalho na IES Coordenadora Geral do Projeto – PUCRS
Período: de 03 a 06 de dezembro de 2009
Proposta de elaboração de site do Projeto, contendo: obras juvenis indicadas para leitura, banco de entrevistas, resenhas de obras; levantamento de obras juvenis
Avaliação da primeira obra coletiva em fase de elaboração (crítica literária)
Discussão sobre a estrutura das demais obras coletivas propostas no projeto (história, teoria, ensino)

5-Reunião de trabalho na IES Coordenadora Geral do Projeto – PUCRS
Período: de 12 a 14 de maio de 2010
Discussão dos capítulos já elaborados para o primeiro livro planejado e organização final do mesmo

6-Reunião de trabalho na IES da equipe associada 1 (UNESP)
Período: 22 a 23 de outubro de 2010
Planejamento do relatório da CAPES.
Distribuição de novo corpus de obras para resenhas.
Avaliação do site em alimentação.
Revisão do livro Literatura juvenil: geração 2000

Missões de Estudo

O quadro a seguir indica as missões de estudo realizadas pelos estudantes de graduação e pós-graduação:

NOME DO ALUNOMODALIDADE DA BOLSAIES DE ORIGEMIES DE DESTINOBOLSAAUXÍLIO-MORADIAINÍCIO DA MISSÃOTÉRMINO DA MISSÃO
Marcelo BuckoskiMEPUCRSUNESPNÃOSIM9/200912/2009
Christiane Vieira dos SantosMEPUCRSUNESPNÃOSIM9/200912/2009
Aline Santos BarbosaICPUCRSUNESPNÃOSIM8/20099/2009
Marcira Evangelho TrindadeICPUCRSUNESPNÃOSIM8/20099/2009
Lucila Bassan ZorzatoDO SWUNESP/ FCLAsPUCRSSIMSIM10/08/201009/12/2010
Luiz Fernando LimaDO SWUNESP/ FCLAsPUCRSSIMSIM10/08/201009/12/2010

Publicações

Informações sobre:
Periódicos, Capítulos de Livros, Livros Organizados e Publicações em Anais

Os seguintes trabalhos foram publicados ou estão em andamento:

Periódicos
CECCANTINI, J. L. Para entender obras literárias complexas. Nova Escola - Gestão Escolar. São Paulo, p.5A - 8A, 2010.
CECCANTINI, J. L. Para trabalhar com narrativas longas. Nova Escola Gestão Escolar. São Paulo, p.1A - 4A, 2010.
CECCANTINI, J. L. Ler narrativas longas ainda é importante. Carta Fundamental; a revista do professor. São Paulo, p.36 - 38, 2009.
MARTHA, A. A. P. “A Literatura infantil e juvenil: produção brasileira contemporânea”. Revista Letras de Hoje, v. 2, p. 17-35, 2008.
MARTHA, A,A. P. “Alice ainda mora aqui: narrativa juvenil contemporânea”. Revista Cerrados. UNB, 2010 (no prelo).

Capítulos de livros
AGUIAR, V. T. A morte na literatura: da tradição ao mundo infantil In: Heróis contra a parede: estudos de literatura infantil e juvenil. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2010, p. 23-42.
AGUIAR, V. T. Escolhas em jogo In: Escolhas (literárias) em jogo. Belo Horizonte: Autêntica, 2009, p. 25-32.
AGUIAR, V. T., CECCANTINI, J. L. Poesia brasileira para crianças: uma ciranda sem fim In: A poesía infantil no século XXI (2000-2008).1 ed.Vigo : Xerais/ Fundacion Caixa Galicia, 2009, v.1, p. 197-219.
AGUIAR, V. T., CECCANTINI, J.L.C.T. Poesia brasileira para crianças: uma ciranda sem fim In: A poesia infantil no século XXI (2000-2008).Vigo: Xerias / Fundación Caixa Galici, 2009, p. 291-301.
CECCANTINI, J. L. A maturidade do subsistema: balanço de um ano de atividade editorial no âmbito da literatura infantojuvenil brasileira In: Literatura infantil e juvenil: leituras, análises e reflexões.1 ed.Palhoça : Ed. UNISUL, 2010, v.1, p. 25-46.
CECCANTINI, J. L. Actividad editorial en Brasil: continuidad e invención In: Anuario sobre el libro infantil y juvenil 2010.1 ed.Madrid : Ediciones SM, 2010, v.1, p. 79-92.
CECCANTINI, J. L. Actividad editorial en Brasil: vigor y diversidad In: Anuario sobre el libro infantil y juvenil 2009 ed.Madrid : Ediciones SM, 2009, v.1, p. 113-134.
CECCANTINI, J. L. Leitores iniciantes e comportamento perene de leitura In: Mediação de leitura: discussões e alternativas para a formação de leitores ed.São Paulo : Global, 2009, v.1, p. 207-231.
CECCANTINI, J. L. Prazer à revelia: sobre a leitura de O Picapau Amarelo no Ensino Fundamental In: Escolhas (literárias) em jogo.1 ed.Belo Horizonte : Autêntica, 2009, v.1, p. 49-80.
CECCANTINI, J. L., VALENTE, T. A. Narrativas utópicas ma non troppo In: Heróis contra a parede: estudos de literatura infantil e juvenil.1 ed.São Paulo; Assis : Cultura Acadêmica; ANEP, 2010, v.1, p. 167-186.
CECCANTINI, J. L., VALENTE, T. A., SANTOS, G. G. Entre fadas e sacis: a literatura infantil brasileira e a tradição oral In: Reescrituras do conto popular (2000-2009).1 ed.Santiago de Compostela : Edicións Xerais de Galicia; Fundación Caixa Galicia, 2010, v.1, p. 189-213.
MARTHA, A. A. P. “Diários de jovens: confissão e ficção. Meu pai não mora mais aqui, de Caio Riter”. IN: AGUIAR, V. T; MARTHA, A.A.P (Org.); Literatura Juvenil: geração 2000 ( no prelo)
MARTHA, A. A. P. “No olho do furacão: situações-limite na narrativa juvenil.” In: AGUIAR, V. T.; CECCANTINI, J. L.; MARTHA, A. A. P. (Org.). Heróis contra a parede: estudos de literatura infantil e juvenil. 1 ed. São Paulo; Assis: Cultura Acadêmica; ANEP, 2010, v. 1, p. 121-142.
MARTHA, A.A. P. “Alice Vieira e Lygia Bojunga: narrativas juvenis e identidades em construção”. In: AGUIAR, V.T.; CECCANTINI, J.L. Teclas e dígitos: leitura, literatura e mercado. (no prelo)
MARTHA, A.A.P. “A recepção de Memórias da Emília por estudantes de Letras”. In: Ceccantini, JL; Martha, A.A. P. (Org.) Monteiro Lobato e o leitor de hoje. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2008.
MARTHA, A.A.P. “Lobato, o caçador de leitores”. IN: CECCANTINI, JL.; PEREIRA, R.F. Narrativas juvenis. Outros modos de ler. São Paulo: Editora UNESP; Assis: ANEP, 2008.
SILVA, R. M. G. “A fábula de Monteiro Lobato e a formação do leitor”. In: MENEGASSI, R. J. (Org.) Leitura, Escrita e Gramática no Ensino Fundamental: das teorias às práticas docentes, Maringá: EDUEM, 2010, p.39-65..
SILVA, R. M. G.”Entre o medo e a morte: a construção da personagem em Lygia Bojunga”. In: AGUIAR, V. T.; CECCANTINI, J. L.; MARTHA, A. A. P. (Org.). Heróis contra a parede: estudos de literatura infantil e juvenil. 1 ed. São Paulo; Assis: Cultura Acadêmica; ANEP, 2010, v. 1, p. 73-98.
SILVA, R. M.G. “Alice no espelho, de Laura Bergallo: diálogos com o leitor”. IN: AGUIAR, V. T; MARTHA, A.A.P (Org.); Literatura Juvenil: geração 2000 ( no prelo)
TURCHI, M. Z. A formação do leitor literário. In: GOMES, C. M. (Org.). Língua e Literatura: propostas de ensino. São Cristóvão: Editora Universidade Federal de Sergipe, 2009, v. 1, p. 42-49.
TURCHI, M. Z. Tendências atuais da literatura infanto-juvenil brasileira. In: Maria Luiza Vasconcelos (Org.). Biblioteca escolar: uma ponte para o conhecimento. Goiânia: Cânone Editorial; Secretaria Estadual de Educação de Goiás, 2009.
TURCHI, M. Z.; SOUZA, F. C. A face obscura da violência na literatura juvenil. In: AGUIAR, V.T., C, J.L; MARTHA, A. A. P.(Orgs.). Heróis contra a parede: estudos de literatura infantil e juvenil. São Paulo; Assis: Cultura Acadêmica; ANEP, 2010. v. 1 P. 99-119.
ZANINI, Marilurdes. “A interação pela linguagem: como e sobre o que falam as adolescentes?” IN: AGUIAR, V. T; MARTHA, A.A.P (Org.); Literatura Juvenil: geração 2000 ( no prelo)

Livros organizados
AGUIAR, V. T., CECCANTINI, J.L.C.T., MARTHA, Alice Áurea Penteado. Heróis contra a parede: estudos de literatura infantil e juvenill. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2010, v.1.
AGUIAR, V. T.; CECCANTINI, J.L. (Orgs.). Teclas e dígitos: leitura, literatura & mercado. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2010.
AGUIAR, Vera Teixeira de (Org.) ; MARTHA, A. A. P. (Orgs.) . Diálogos de Sevilha. Literatura e leitores. 1. ed. Porto Alegre: Nova Prova, 2008. v. 1.
AGUIAR, V. T.; CECCANTINI, J. L.; TURCHI, M.Z; MARTHA, A. A. P. (Orgs.). Literatura Juvenil: geração 2000 ( no prelo)
CECCANTINI, J.L.; MARTHA, A.A.P. (Orgs.) Monteiro Lobato e o leitor de hoje. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2008.

Publicações em Anais
AGUIAR, V. T. Congresso Internacional de Leitura e Literatura Infantil e Juvenil In: Congresso Internacional de Leitura e Literatura Infantil e Juvenil, 2009, Porto Alegre - RS. Congresso Internacional de Leitura e Literatura Infantil e Juvenil. Porto Alegre - RS: EDIPUCRS, 2009.
COSTA, M.H. M. da S.; SILVA, R. M. G. “A produção poética para a juventude: Duelo de Batman contra a MTV, de Sérgio Caparelli”. In: I SINAGEL – Simpósio Nacional de Grupos de Pesquisa em Estudos Literários, Maringá: Departamento de Letras Editora, 2009, p715-772.
FAJARDO, A.; MARTHA, A. A. P. “Machado de Assis e adaptação para leitores jovens: Missa do galo”. IN: MARTHA, A. A. P. et al. ANAIS do I CIELLI (9, 10 e 11 de junho de 2010) ISSN 2177-6350.
MARTHA, A. A. P. “Narrativas de língua portuguesa: temas de fronteira para crianças e jovens”. Anais do II SIMELP (Évora/PT) “Língua portuguesa: ultrapassar fronteiras, juntar culturas”.(Eds.) Mª João Marçalo & Mª Célia Lima-Hernandes, Elisa Esteves, Mª do Céu Fonseca, Olga Gonçalves, Ana LuísaVilela, Ana Alexandra Silva © Copyright 2010 by Universidade de Évora ISBN: 978-972-99292-4-3. SLT 59 – Literatura infantil e juvenil: diálogos em Língua Portuguesa.
MARTHA, A. A. P. “O diário na literatura juvenil contemporânea: Meu pai não mora mais aqui, de Caio Riter”. IN: MARTHA, A. A. P. et al. ANAIS do I CIELLI (9, 10 e 11 de junho de 2010) ISSN 2177-6350.
MARTHA, A. A. P.; ESTEVES, N. C. “Narrativa Juvenil e "bullying": Todos contra D@nte”. 17º COLE. 2009, Campinas. Anais do 17º Congresso de Leitura do Brasil , Campinas: Unicamp/FE;ALB, 2009. CD-ROM. Disponível em: http://www.alb.com.br/portal.html. Acesso em: 8 dez. 2009. ISSN: 2175-0939.
MARTHA, A.A.P. – “Mercado editorial e efeméride: Machado de Assis para crianças e jovens”. In: Anais do II Congresso Internacional de Estudos Linguísticos e Literários da Amazônia – CIELLA, 2009, Belém/ PA, p. 66 a 75.
PIZZANI, M. S. N., SILVA, R. M. G. “A presença do cordel na literatura premiada infantil e juvenil brasileira”. In: I SINAGEL – Simpósio Nacional de Grupos de Pesquisa em Estudos Literários, Maringá: Departamento de Letras Editora, 2009, p.769-778.
SOUZA, R. C. de, SILVA, R.M. G. “A adequação da narrativa policial ao público juvenil em A droga do amor, de Pedro Bandeira”. In: I SINAGEL – Simpósio Nacional de Grupos de Pesquisa em Estudos Literários, Maringá: Departamento de Letras Editora, 2009, p.838-845.
SOUZA, R. C.de; SILVA, R. M. G. “O romance policial para jovens: a saga detetivesca de Os Karas em Droga de Americana!, de Pedro Bandeira”. In: CONGRESSO DE LEITURA DO BRASIL, 17, 2009, Campinas. Anais do 17º COLE, Campinas, SP, ALB, 2009. Disponível em http://wwwalb.com.br/portal html, em 8 dez 2009. ISSN 21750939

Bibliografia

AGUIAR, Vera Teixeira de; MARTHA, Alice Áurea Penteado (orgs.). Territórios da leitura: da literatura aos leitores. São Paulo: Cultura Acadêmica; Assis: ANEP, 2006.
CECCANTINI, João Luís C. T. (org.) Leitura e literatura infanto-juvenil: memória de Gramado. São Paulo: Cultura Acadêmica; Assis: ANEP, 2004.
CECCANTINI, João Luís C. T., PEREIRA, Rony Farto, ZANCHETTA JUNIOR, Juvenal (Orgs.) Pedagogia Cidadã: Cadernos de Formação - Língua Portuguesa (volumes 1 e 2). São Paulo: UNESP-Pró-Reitoria de Graduação, 2004. 128 p e 162 p.
JACOBY, Sissa; RETTENMAIER, Miguel (org.). Além da plataforma nove e meia: pensando o fenômeno Harry Potter. Passo Fundo: Ed. UPF, 2005.
PAULINO, Graça; COSSON, Rildo (orgs.). Leitura literária: a mediação escolar. Belo Horizonte: Faculdade de Letras da UFMG, 2004.
PEREIRA, Rony Farto; BENITES, Sonia Lopes (orgs.). À roda da leitura: língua e literatura no jornal Proleitura. São Paulo: Cultura Acadêmica; Assis: ANEP, 2004.
TURCHI, Maria Zaira, SILVA, Vera Maria Tietzmann (orgs.). Literatura infanto-juvenil: leituras críticas. Goiânia: Ed. UFG, 2002.
TURCHI, Maria Zaira, SILVA, Vera Maria Tietzmann (orgs.). Leitor formado, leitor em formação: leitura literária em questão. São Paulo: Cultura Acadêmica; Assis: ANEP, 2006.

Resultados Obtidos


Ações

Listagem de:
Resultados Obtidos, Orientações, Participação em Eventos e Organização de Eventos

A equipes Coordenadora e Associadas 1,2 e 3 realizaram nos Anos 1 e 2, conforme previsto no plano de trabalho, 5 missões de pesquisa na PUCRS e 1 na UNESP/SP (na sede da Universidade, em São Paulo), das quais participaram coordenadores e pesquisadores das 4 equipes.

Foram realizadas as seguintes atividades: distribuição das tarefas por equipe para atingir as metas do projeto; pesquisas bibliográficas teóricas; levantamento de obras literárias para constituir o corpus do projeto; planejamento das publicações impressas e digitais (livros e site); discussões teóricas e metodológicas; elaboração de artigos críticos para organização do primeiro livro da série; criação e alimentação de um site do projeto com listas de obras juvenis brasileiras indicadas por ano de primeira edição (corpus a ser estudado ao longo do projeto praticamente levantado e fixado) e resenhas dessas obras (processo que continua em andamento), publicação de artigos e organização de obras, simpósios e congresso internacional, bem como participação em mesas redondas, palestras e debates, para a divulgação da pesquisa, em âmbito nacional e internacional. Acrescentem-se as orientações de trabalhos de graduação e pós-graduação, concluídos e em andamento, e estudos de pós-doutorado. No que tange à última ação, no ano de 2009, tal como previsto, foi possível a realização de 01 POS DOC, com usufruto de 7 meses de bolsa, de professor João Luís Cardoso Tápias Ceccantini da UNESP na PUCRS.

No conjunto dos dois anos, portanto, certamente foi bem significativo o incremento na qualidade da formação de recursos humanos propiciado pelo Projeto. A integração com os vários pesquisadores inseridos no Projeto, particularmente os coordenadores de cada IES, efetivamente propiciou o avanço dos estudos sobre a literatura juvenil, foco principal do Projeto, permitindo o compartilhamento de bibliografia em diferentes línguas (português, espanhol, francês e inglês) e planejamento, preparação ou execução dos trabalhos previstos. O livro sobre crítica da literatura juvenil está praticamente concluído, com o título Literatura juvenil: ano 2000; a pesquisa para subsidiar o livro sobre teoria da literatura juvenil está bem avançada, podendo contar, em sua base, com boa parte da investigação realizada no Pós-Doc do prof. João Luís Ceccantini. Além disso, a aproximação entre os pesquisadores da IES influenciou de maneira marcante a produção de outros trabalhos que, embora não previstos no projeto inicial, estão diretamente ligados ao seu desenvolvimento. É o caso do livro Heróis contra a parede, já publicado, ou da obra sobre Poesia infanto-juvenil, em fase de conclusão. Merece destaque, ainda, o planejamento em curso de uma “midiateca” na UNESP/FCLAs IES, aberta à comunidade, que está contando com a colaboração maciça de todos os integrantes do projeto e que, quando implementada, oferecerá contribuição excepcional para pesquisas voltadas à leitura de um modo geral, e da literatura juvenil em particular, consolidando-se um espaço essencial para a formação dos docentes em Letras e prestando valiosos serviços para a população assisense dos bairros periféricos próximos à Universidade, que não contam praticamente com nenhum equipamento cultural voltado às crianças e jovens.

A realização do projeto em questão contribui decisivamente para o trabalho conjunto de diferentes IES na medida em que propicia a integração de docentes de programas de pós-graduação, com o consequente incremento da formação de recursos humanos em diferentes níveis: estágios de pós-doutoramento já concluídos e ainda por concluir; participação de alunos de graduação, Iniciação Científica, Mestrado e Doutorado em atividades de pesquisa nas instituições que integram o projeto.

A reflexão sistemática, de cunho teórico-analítico, sobre a existência do específico juvenil no campo mais amplo da literatura, possibilitou o fortalecimento de linhas de pesquisa, com a criação de disciplinas que tratam do tema nas IES participantes, bem como a orientação de projetos de Iniciação Científica, Mestrado e Doutorado sobre a narrativa juvenil.

No que se refere à produção científica vinculada à linha de atuação do grupo, é possível avaliá-la também de forma positiva em razão dos artigos, livros e capítulos de livros já publicados ou ainda no prelo. Saliente-se ainda que os resultados obtidos foram apresentados em eventos da área, ressaltando sempre sua vinculação ao projeto geral.

As missões de pesquisa propiciaram até aqui um aprofundamento das discussões teórico-analíticas relacionadas ao projeto proposto e um amplo levantamento bibliográfico de obras teóricas sobre o tema e de obras literárias juvenis. A pesquisa realizada tem ainda possibilitado a ampliação da participação de professores e alunos em eventos significativos; a orientação de teses, dissertações, monografias e projetos de iniciação científica no tema da pesquisa; a construção de um site de referência sobre a produção de literatura juvenil, de que constam as publicações ano a ano, além da resenhas críticas; a atuação efetiva dos pesquisadores na escola, buscando melhorar a educação básica; a publicação de artigos e capítulos de livros, e a preparação dos livros previstos como produto final mais relevante no âmbito do projeto proposto.

No que se refere à formação de recursos humanos em nível de pós-graduação, foi criada, na IES Coordenadora Geral, a disciplina “Literatura Juvenil, Arte e Sistema Cultural”. Igualmente, os resultados obtidos pela Equipe Associada 3 (criação da disciplina “Literatura juvenil: arte e indústria cultural” no Programa de Pós-Graduação em Letras e elaboração de proposta de doutorado enviada à CAPES, já aprovada pelo Conselho Universitário da UEM) ressaltam a importância da realização do projeto no contexto da IES e do próprio Programa de Pós-Graduação.


Orientações

Pós-Doutorado
CECCANTINI, J. L. “O específico juvenil e a literatura: um estudo preliminar”. 2009. Pós-Doc (Letras) - Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul.

Teses em andamento
AGUIAR, V.T.; MASTROBERTI, P. (Orientanda). “O livro como ressignificação na literatura juvenil” (Orientanda). 2008-2011. Tese (Letras) - Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul.
AGUIAR, V.T.; PICCINI, M. “Narrativas juvenis em jogos digitais” (Orientando). 2008-2011. Tese (Letras) - Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul.
CECCANTINI, J. L.; ZORZATO, L. B. (Orientanda). “A presença da Literatura Infanto-Juvenil Alemã no Brasil: estudo da circulação e da recepção de obras alemãs entre nosso público leitor (1986-2010)”. 2010. Tese (Letras) - Faculdade de Ciências e Letras de Assis
CECCANTINI, J. L.; LIMA, L. F. M. (Orientando) “Harold Bloom, o fenômeno literário e a implícita concepção de leitor”. 2010. Tese (Letras) - Faculdade de Ciências e Letras de Assis
CECCANTINI, J. L.; SANTOS , G. G. (Orientanda). “A tradição dos contos de fadas na literatura infanto-juvenil galega e brasileira”. 2009. Tese (Letras) - Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho
CECCANTINI, J. L.; MAGRO. L. H. (Orientanda). “A narrativa juvenil e sua recepção na escola pública: 5.a e 6.as séries do Ensino Fundamental”. 2009. Tese (Letras) - Faculdade de Ciências e Letras de Assis
TURCHI, M. Z.; CUNHA, A. F. M. (Orientanda). “Rosa e Azul na coleção Jovens Leitores: uma reflexão sobre as relações de gênero na Literatura Juvenil”. 2010-2014. Tese (Letras) - Universidade Federal de Goiás.
TURCHI, M. Z.; VIEIRA, I. S. G. (Orientanda). “O projeto literário de Ana Maria Machado”. 2009-2012. Tese (Letras) - Universidade Federal de Goiás.
CAMARGO, G.F.O.; SIQUEIRA, E. M. L. (Orientanda). “Literatura de fronteira: para uma educação literária”. 2009-2012. Tese (Letras) - Universidade Federal de Goiás.

Teses defendidas
AGUIAR, V.T.; .PELISOLI, A.C.M. (Orientanda). “O leitor hipermediático” (Orientanda). 2007-2010. Tese (Letras) - Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul.
CECCANTINI, J. L.; FERREIRA, E. A. G. R. (Orientanda). “Construindo histórias de leitura: a leitura dialógica como elemento de articulação no interior de uma biblioteca vivida”. 2009. Tese (Letras) - Faculdade de Ciências e Letras de Assis
CECCANTINI, J. L.; LUIZ, F. T. (Orientando) “Reinações na Jecatatuásia: aspectos sociológicos e estéticos em Monteiro Lobato”. 2009. Tese (Letras) - Faculdade de Ciências e Letras de Assis
TURCHI, M. Z.; CRUVINEL, L. W. F. (Orientanda). “Narrativas juvenis brasileiras: em busca da especificidade do gênero”. 2009. Tese (Letras) - Universidade Federal de Goiás.

Dissertações em andamento
AGUIAR, V.T.; MALLMANN, Taís Helena. Análise do feminino na literatura juvenil. 2011-2012. Dissertação (Letras) - Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul.
AGUIAR, V.T.; SCHNEIDER, T. “A literatura juvenil de Moacyr Scliar”. (Orientanda). 2010-2013. Dissertação (Letras) - Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul.
CECCANTINI, J. L.; SILVA, F. C. (Orientando). “A formação do leitor literário na sala de aula”. 2009. Dissertação (Letras) - Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho
CECCANTINI, J. L.; SILVA, V. F. (Orientanda). “Um estudo comparado de Amigos secretos de Ana Maria Machado, e A casa da luz, do autor galego Xabier P. Docampo”. 2009. Dissertação (Letras) - Faculdade de Ciências e Letras de Assis
MARTHA, A.A.P.; ESTEVES, N. C. (Orientanda). “Narrativas juvenis contemporâneas”. 2009/2010. Dissertação (Mestrado em Letras) - Universidade Estadual de Maringá.
ROCHA, N.F; MOURA, J. (Orientanda). “A literatura juvenil contemporânea’. Dissertação (Letras) - Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul.
SILVA, R.M.G.; SOUZA, R. C. de (Orientanda). “Entre mistérios e enigmas: o romance policial para jovens: série Os Karas, de Pedro Bandeira”. Dissertação (Mestrado em Letras), Universidade Estadual de Maringá, 2009-2010.
TURCHI, M.Z.; XAVIER, A. G. (Orientanda). “As imagens da memória e do esquecimento na obra juvenil de Lygia Bojunga Nunes”. Dissertação (Mestrado em Letras) – Universidade Federal de Goiás, 2010-2011.
CAMARGO, G.F.O.; OLIVEIRA, M. R. (Orientanda). “Os (des) limites da poesia infanto-juvenil em Roseana Murray e Manoel de Barros”. Dissertação (Mestrado em Letras) – Universidade Federal de Goiás, 2009-2010.

Dissertações defendidas
AGUIAR, V.T; BUCKOSKI, M. (Orientando). “A representação do rock em narrativas juvenis brasileiras”. 2009/2010. Dissertação (Mestrado em Letras) – Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul.
AGUIAR, V. T.; LOURENÇO, K. C. (Orientanda). “Biblioteca escolar: da mediação à prática de leitura”. 2010. Dissertação (Letras) - Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul
AGUIAR, V. T.; PRATES, A. E. (Orientanda). “Entre o livro e a leitura: um clic de mediação”. 2010. Dissertação (Letras) - Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul
CECCANTINI, J. L.; BATISTA, V. B. A. (Orientanda) “Calcanhar de Aquiles: um estudo sobre projetos de leitura implementados pelo Governo do Estado de São Paulo (2000/2005)”. 2010. Dissertação (Letras) - Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho
CECCANTINI, J. L.; SANTOS, G. G. (Orientanda) “Pica-Pau à francesa: um estudo da incorporação das personagens dos contos de fada de Charles Perrault na produção literária de Monteiro Lobato”. 2009. Dissertação (Letras) - Faculdade de Ciências e Letras de Assis
MARTHA, A. A. P.; OLIVEIRA, K. de. (Orientanda) “A leitura de mundo nas entrelinhas da crônica”. 2008/2010. Dissertação (Mestrado em Letras) - Universidade Estadual de Maringá. Defendida em agosto/2010.
MARTHA, A.A.P. SEVERO, T. de A. (Orientanda). “Dos catálogos de literatura juvenil ao leitor em contexto escolar. Um estudo da recepção de Dom Casmurro, de Machado de Assis, por alunos de 8ª série de uma escola pública paulista.” Defendida em 2009.

Iniciação Científica
AGUIAR, V.T.; TRINDADE, Marcira Evangelho. Jogos digitais e literatura juvenil. PIBIC. 08.2008 a 07.2011, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul.
AGUIAR, V.T.; GONÇALVES, Sabrina Rosa. Literatura Juvenil Brasileira: a constituição do objeto e suas modalidades narrativas . IC/FAPERGS. 07.2011 a 06.2012, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul.
CECCANTINI, J.L., Bárbara Caires. “Contando Contos e Amarrando Pontos”. PIBIC. 01.08.2010 a 31.07.2010 - Faculdade de Ciências e Letras de Assis
CECCANTINI, J. L. Monique Martins Mendes. “A recepção de A marca de uma lágrima, de Pedro Bandeira, por estudantes do Ensino Fundamental de escolas públicas do Oeste Paulista”. Bolsa BAE. 01.01.2009 a 31.12.2009. (Curso de Letras) - Faculdade de Ciências e Letras de Assis
MARTHA, A.A.P, FAJARDO, A. “Adaptação de obras de Machado de Assis para jovens leitores” – PIC. Período: 01/08/2009 a 31/07/2010.
MARTHA, A.A.P.; FAJARDO, A. “Narrativa juvenil contemporânea: Jorge Miguel Marinho” – PIBIC/CNPq/UEM. Período: 01/08/2010 a 31/07/2011.
MARTHA, A. A. P; OLIVEIRA, A.M.M. de. “Literatura infantil e juvenil no cirberespaço: blog e mediação de leitura” - PIC. Período: 01/02/2010 a 31/01/2011

Trabalhos de Conclusão de Curso de Graduação
AGUIAR, V.T.; SANTOS, Viviane Ferraz dos. “Professor de leitor a mediador”. Trabalho de Conclusão de Curso: Graduação em Letras - Pontíficia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, 2010.
AGUIAR, V.T.; FEIJÓ, L.S. “A representação da escola na literatura infantil: três casos exemplares - Cazuza, de Viriato Corrêa; A Casa da Madrinha, de Lygia Bojunga Nunes, e A fada que tinha ideias, de Fernanda Lopes de Almeida”. Trabalho de Conclusão de Curso: Graduação em Letras - Pontíficia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, 2010.
AGUIAR, V.T.; SAVEDRA, Karina. Chapeuzinho Vermelho: reescrituras na literatura infantil e juvenil brasileira. Trabalho de Conclusão de Curso: Graduação em Letras - Pontíficia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, 2011.
AGUIAR, V.T.; ANNUNZIATO, Rosângela. O conto juvenil: uma proposta de leitura em sala de aula. Trabalho de Conclusão de Curso: Graduação em Letras - Pontíficia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, 2011.
AGUIAR, V.T.; ETHUR, L. A fábula na literatura de Lygia Bojunga. Trabalho de Conclusão de Curso: Graduação em Letras - Pontíficia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, 2011.
SILVA, R.M.G.; AFONSO, G. T. “Raciocínio e mistério: a relevância de personagens jovens em Assassinato na literatura infantil, de João Carlos Marinho”. Trabalho de conclusão de curso de graduação: Letras, Universidade Estadual de Maringá, 2009.
SILVA, R.M.G.; SILVA, S.P. da. “O romance policial para jovens: Awankana o segredo da múmia inca, de Giselda Laporta Nicolelis”. Trabalho de conclusão de curso de graduação: Letras, Universidade Estadual de Maringá, 2009.
SILVA, R.M.G.; VASCONCELOS, N. D. de. “A narrativa policial juvenil: O dia em que Felipe sumiu, de Milu Leite”. Trabalho de conclusão de curso de graduação: Letras, Universidade Estadual de Maringá, 2009.
SILVA, R.M.G; PALLADINI, A. A. “Do romance policial à ficção científica: um estudo sobre A câmara do sumiço, de Laura Bergallo”.Trabalho de conclusão de curso de graduação: Letras, Universidade Estadual de Maringá, 2009.
SOUZA, A.P.; GONZAGA, R.C.N. “Literatura em sala de aula: um incentivo à leitura.” Trabalho de conclusão de curso de graduação: Letras, Universidade Federal de Goiás, 2009.
SOUZA, A.P.; ASSIS, G.C.M. “Literatura para o vestibular e os Best-sellers: temas e gêneros”. Trabalho de conclusão de curso de graduação: Letras, Universidade Federal de Goiás, 2009.


Participação em eventos nacionais e internacionais

AGUIAR, V. T. XV Encontro Nacional de Didática e Prática de Ensino, 2010. (Encontro) A literatura e a cultura literária no mundo contemporâneo: qual seu lugar no currículo?.
AGUIAR, V. T. História da literatura e ensino: questões contemporâneas, 2010. (Outra) História da literatura e ensino: questões contemporâneas.
AGUIAR, V. T. I Colóquio Internacional de Estudos Linguisticos e Literários e IV Colóquio de Estudos Linguisticos e Literários, 2010. (Outra) Literatura na peneira: uma reflexão sobre leitura e obras literárias no contexto do PNBE.
AGUIAR, V. T. XII Simpósio Nacional de Letras e Linguistica / II Simpósio Internacional de Letras e Linguística, 2009. (Simpósio) A literatura juvenil contemporânea: Gustavo Bernardo.
AGUIAR, V. T. I Simpósio PROCAD: Interstícios literatura juvenil e formação do leitor, 2009. (Simpósio) Narrativas juvenis de autores brasileiros da geração 2000.
AGUIAR, V. T. VI Seminário Nacional sobre Ensino de Língua Materna e Estrangeira e de Literatura, 2009. (Seminário) O ensino de literatura na escola básica.
AGUIAR, V. T. 55 Feira do Livro de Porto Alegre, 2009. (Outra) O que é qualidade na literatura infantil e juvenil: com a palavra o educador.
AGUIAR, V. T. Literatura em debate: a literatura infantil e juvenil, 2009. (Outra) Qual o melhor critério para adoção de um autor na escola?.
CECCANTINI, J. L. Conflito de gerações, conflito de culturas: um estudo da personagem em narrativas juvenis brasileiras, 2009. (Conferência ou palestra,Apresentação de Trabalho) UNESP/ SJRP
CECCANTINI, J. L. Estudo da narrativa juvenil brasileira, 2009. (Conferência ou palestra,Apresentação de Trabalho). PUCSP
CECCANTINI, J. L. Juventude acossada: representações do bullying na literatura juvenil brasileira, 2009. (Conferência ou palestra,Apresentação de Trabalho). I Feira do Livro Marília/Cristo Rei
CECCANTINI, J. L. Monteiro Lobato e a recepção: ontem e hoje, 2009. (Conferência ou palestra,Apresentação de Trabalho) UNISUL
CECCANTINI, J. L. Narrativas Juvenis - a geração 2000: De carona com nitro, de Luís Dill, 2009. (Simpósio,Apresentação de Trabalho). PUCRS
CECCANTINI, J. L. Letramento literário entre os jovens: socialização e protagonismo. 2010. (Comunicação. Apresentação de Trabalho) PUCRS
CECCANTINI, J. L. O que é qualidade na produção artística para crianças e jovens? Com a palavra o educador. 2010. (Conferência ou palestra,Apresentação de Trabalho). Bienal do Livro do PR
CECCANTINI, J. L. Conflito de gerações, conflito de culturas: um estudo de personagens em narrativas juvenis brasileiras e galegas. 2010. (Conferência ou palestra,Apresentação de Trabalho). IBBY
CECCANTINI, J. L. A TV vê o livro, o livro vê a TV. 2010. (Conferência ou palestra,Apresentação de Trabalho). O Jogo do Livro VIII
CECCANTINI, J. L. Reescrituras atuais do conto popular. 2010 (Conferência ou palestra,Apresentação de Trabalho). USC
CECCANTINI, J. L. Um olhar nas obras de Monteiro Lobato. 2010. (Conferência ou palestra,Apresentação de Trabalho) 12.o salão FNLIJ
CECCANTINI, J. L. Um (sub)gênero trintão – a literatura juvenil brasileira de 1980 a 2010. 2010 (Conferência ou palestra,Apresentação de Trabalho). UNESP/FCLAs
CECCANTINI, J. L. Narrativa juvenil; entre arte e indústria cultural. 2010 (minicurso). UEM
CECCANTINI, J. L. Literatura na peneira: uma reflexão sobre leitura e obras literárias no contexto do PNBE. 2010. (Conferência ou palestra,Apresentação de Trabalho). UEM
CECCANTINI, J. L. Monteiro Lobato, livro a livro. 2010. (Conferência ou palestra,Apresentação de Trabalho). Embaixada do Brasil em Buenos Aires
CECCANTINI, J. L. Literatura para jovens: aspectos da prosa contemporânea. 2010. (Conferência ou palestra,Apresentação de Trabalho). UENP
CECCANTINI, J. L. A literatura e a cultura literária no mundo contemporâneo: qual seu lugar no currículo? (Conferência ou palestra,Apresentação de Trabalho). ENDIPE/UFMG
MARTHA, A. A. P. – “Mercado editorial e efeméride: Machado de Assis para crianças e jovens”. In: II CIELLA. Congresso Internacional de Estudos Linguísticos e Literários da Amazônia, de 06 a 08 de abril de 2009.
MARTHA, A. A. P. “Narrativas de Língua Portuguesa: temas de fronteira para crianças e jovens”. II Simpósio Mundial de Estudos de Língua Portuguesa/V Simpósio Internacional sobre práticas na escola. Letramento e Representação. Universidade de Évora/Portugal, de 06 a 11 de outubro de 2009.
MARTHA, A.A.P – “Letramento literário”. Simpósio de Estudos Linguísticos e Literários da UNICENTRO. Universidade Estadual do Centro-Oeste, de 05 a 08 de maio de 2009. (Palestra)
MARTHA, A.A.P. – “A narrativa juvenil de Jorge Miguel Marinho”. II Congresso Internacional de Leitura e Literatura Infantil e Juvenil – I Fórum Latino-Americano de pesquisadores de Leitura. Pontifícia Universidade católica do Rio Grande do Sul. De 12 a 14 de maio de 2010.
MARTHA, A.A.P. – “O direito à leitura de qualidade”. I Fórum de Estudos da Linguagem. Universidade Federal do Pará, Belém, de 30 a 31 de outubro de 2009. (Palestra)
MARTHA, A.A.P. –“A Literatura infantil e juvenil brasileira como campo de pesquisa”. I Encontro de Literatura Infantil e Juvenil do Norte do Paraná. Universidade Estadual do Norte do Paraná – UENP, 16 de abril de 2010. (Mesa redonda)
MARTHA, A.A.P. “Desenredo: Leitura e identidade”. In: II Simpósio Mundial e Estudos de Língua Portuguesa, 2009, Évora. Panorâmica de Linguística, Literatura e Cultura do II Simpósio Mundial de Estudos de Língua Portuguesa. Universidade de Évora, 2009.
MARTHA, A.A.P. “O diário na literatura juvenil contemporânea: Meu pai não mora mais aqui, de Caio Riter”. 4º CELLI – Colóquio de Estudos Lingüísticos e Literários e 1º CIELLI – Colóquio Internacional de Estudos Lingüísticos e Literários, Universidade Estadual de Maringá-PR, 9 a 11 de junho de 2010.
MARTHA, A.A.P.; ESTEVES, N.C. – “Narrativa Juvenil e bullyng: Todos contra D@nte”. 17º Congresso de Leitura do Brasil. Universidade Estadual de Campinas, de 20 a 24 de julho de 2009.
MARTHA, A.A.P.; FAJARDO, A. – “Machado de Assis e adaptação para leitores jovens: Missa do galo”. 4º CELLI – Colóquio de Estudos Lingüísticos e Literários e 1º CIELLI – Colóquio Internacional de Estudos Lingüísticos e Literários, Universidade Estadual de Maringá-PR, 9 a 11 de junho de 2010.
ROCHA, N.F. “Que bruxa é essa? A figura da bruxa na literatura infantil e juvenil contemporânea”. 53º Congresso Internacional de Americanistas – Simpósio Literatura e leitura: Identidade na Globalização?, Ciudad de México, 19 a 24 julho de 2009
SILVA, R. M. G. “A literatura juvenil no compasso do romance policial” SILEL - XII Simpósio Nacional de Letras e Lingüística - II Simpósio Internacional de Letras e Lingüística do Instituto de Letras e Lingüística da Universidade Federal de Uberlândia/ 2009.
SILVA, R. M. G. “Do ciberespaço ao meio impresso: interações midiáticas na literatura infantil e juvenil”. 4º CELLI – Colóquio de Estudos Lingüísticos e Literários e 1º CIELLI – Colóquio Internacional de Estudos Lingüísticos e Literários, Universidade Estadual de Maringá-PR, 9 a 11 de junho de 2010.
TURCHI, M. Z. A formação do leitor no século XXI. Mesa redonda na 62ª Reunião anual da SBPC Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência, 28 de julho de 2010.
TURCHI, M. Z. Autor e leitor no mundo digital: o novo estatuto da obra literária. Apresentação no II Congresso Internacional de Leitura e Literatura Infantil e Juvenil e I Fórum Latino-Americano de Pesquisadores de Leitura, 12 a 14 de maio de 2010 PUC/RS.
TURCHI, M. Z. Literatura Infantil e Juvenil no Brasil: percursos e perspectivas. Mesa redonda no III Congresso Latino-Americano de Compreensão Leitora, Brasília, UnB, 15 de outubro de 2010.
TURCHI, M. Z. Literatura infantil: da voz à explosão de imagens visuais. Apresentação no XXV Encontro da Associação Nacional de Pós-Graduação em Letras e Lingüística (ANPOLL), Belo Horizonte, UFMG, 1 a 3 de julho de 2010.
TURCHI, M. Z. Literatura juvenil e escola: a palavra que educa. Palestra proferida na Semana Nacional de Leitura e de Literatura na Cidade de Goiás, 3/11/2009, realização da Superintendência da Educação Básica da Secretaria de Estado da Educação de Goiás.
TURCHI, M. Z. Young people’s literature in Brazil: gender and sexual orientation minorities. Apresentação no 32º Congresso Internacional do IBBY (International Board on Books for Young People), Santiago de Compostela, Espanha, 8 a 12 de setembro de 2010.
ZANINI, M. “PS Beijei: a interação pela linguagem no ciberespaço”. I Fórum Latino-Americano de pesquisadores de Leitura. Pontifícia Universidade católica do Rio Grande do Sul. De 12 a 14 de maio de 2010.


Organização de simpósios e eventos nacionais e internacionais

MARTHA, A.A.P.; AGUIAR, V.T. de - Campo literário e formação de leitores (I e II). II CONALI. Congresso de linguagens em interação. Universidade Estadual de Maringá, de 07 a 10 de outubro de 2008
MARTHA, A.A.P.; AGUIAR, V.T. - Leitura e literatura infantil e juvenil: produção, divulgação, circulação e consumo de bens culturais
Universidade Federal de Uberlândia, de 17 a 19 de novembro de 2009. http://www.mel.ileel.ufu.br/silel2009/relatorio/dados_proposta_aprovados.asp?cpf=15189155072
MARTHA, A. A. Penteado; AGUIAR, V. T. de. Literatura e leitura: identidade na globalização? – Simpósio/ 53º Congresso Internacional de Americanistas. Universidad Iberoamericana, Cidade do México, México, de 19 a 24 de julho de 2009. http://www.53ica.com/simposios/lit/2/lit12.pdf
MARTHA, A.A.P.; AGUIAR, V.T. de. Literatura juvenil entre a arte e a indústria cultural: da produção à recepção.

 
Últimas Atualizações

Últimas Missões
de Pesquisa

Ampliações
do Projeto

Feira do Livro
de Porto Alegre

Links

PUCRS

UNESP-Assis

UFG

UEM

CAPES

Contato

procad.intersticios@pucrs.br