Página Anterior     Próxima Página     Página Inicial     Diminuir Fonte     Aumentar Fonte  
CAPÍTULO III - A HETERONOMIA A QUE PAULO FREIRE SE OPÕE


      Paulo Freire no livro Pedagogia da autonomia afirma que o educador que trabalha com crianças deve "estar atento à difícil passagem ou caminhada da heteronomia para a autonomia" (FREIRE, 2000a, p. 78). Este é um dos grandes temas que atravessam o pensamento de Freire. Ele não diz textualmente o que entende por autonomia e heteronomia, mas a partir de seu pensamento sócio-político-pedagógico podemos afirmar que autonomia é a condição sócio-histórica de um povo ou pessoa que tenha se libertado, se emancipado, das opressões que restringem ou anulam a liberdade de determinação. A autonomia tem a ver com o que Freire (1983, p. 108) chama de "ser para si" e no contexto histórico subdesenvolvido dos oprimidos para quem e com quem Freire escreve, autonomia está relacionada com a libertação. Já heteronomia é a condição de um indivíduo ou grupo social que se encontra em situação de opressão, de alienação31, situação em que se é "ser para outro" (idem, p. 38). Segundo o que defendemos a partir de Freire, as opressões, em geral, vão configurar uma situação de heteronomia, e uma educação voltada para a libertação pode conduzir as pessoas a serem autônomas. Também destacamos que os escritos de Freire são uma denúncia aos sistemas social, político, econômico, educacional, que favorecem a perpetuação da heteronomia. Ele denuncia as realidades que levam a heteronomia e propõe uma educação que busca construir uma realidade social que possibilite a autonomia, propõe um processo de ensino que possibilite a construção de condições para todos poderem ser "seres para si".
      Freire cria um pensamento engajado, pensamento que é práxis32 com e para o povo oprimido. Sua opção é pelos mais fracos, pelos esquecidos, em especial pelos povos chamados subdesenvolvidos, que historicamente mais foram oprimidos com o colonialismo, com os neocolonialismos, com as ditaduras militares e com o neoliberalismo. Sua opção é de professor democrático e progressista que busca a superação da heteronomia e construção da autonomia. Neste capítulo vamos ver quais as heteronomias a que ele se opôs com seu pensamento.


  Página Anterior     Próxima Página     Página Inicial