Acervos:



Maria Dinorah Luz do Prado

(Porto Alegre, 1925 – Porto Alegre, 2007)
Vida e Obra   |    Álbum de Imagens   

Maria Dinorah Luz do Prado nasceu em Porto Alegre no dia 13 de maio de 1925. Foi professora, diplomada em Pedagogia e fez curso de Pós-Graduação Língua Portuguesa na Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Em 1944, lança seu primeiro livro, Alvorecer. Exerceu o cargo de Coordenadora do Setor de Promoções Culturais da Secretaria de Educação do Estado do Rio grande do Sul. Foi organizadora e apresentadora do Programa Viva o Livro, da rádio Feplan/RBS. A Biblioteca do Parque Moinhos de Vento recebeu o nome de Biblioteca Ecológica Infantil Maria Dinorah, em 1985.
Recebeu vários prêmios como o Guararapes, da União Brasileira de Escritores/SP, e Jorge de Lima, do Instituto Nacional do Livro. Em 1989 foi patrona da XXXV Feira do Livro de Porto Alegre. A Biblioteca Parque Moinhos de Vento recebeu o nome de Biblioteca Ecológica Infantil Maria Dinorah, em 1985.


Cronologia de Vida

1925 - Nasce, em13 de maio, em Porto Alegre, Maria Dinorah, filha de Antônio Luz e Adyles Dinorah Britto Luz.

1928 - Os pais mudam - se para a colônia de São Pedro, perto de Torres.

1931 - À procura de melhores condições de trabalho, a família muda - se para Torres, onde Maria Dinorah frequenta a escola até a 5ª. Série.

1938 - A família novamente muda - se, agora para Gravataí.

1941 - Maria Dinorah vai estudar em São Leopoldo, no colégio São José. Termina o “curso complementar” com láurea, e logo é convidada para ser professora alfabetizadora. Permanece lá por dois anos, e volta a Gravataí, onde foi contratada pelo Estado para trabalhar em escolas muito pobres.

1943 - Casa - se como o médico Luiz Bastos do Prado. Desse casamento tiveram quatro filhos: dois homens e duas mulheres.

1944 - Alvorecer, primeira obra de Maria Dinorah, é publicada com a organização e edição de seu pai. Neste mesmo ano publica o primeiro artigo jornalístico em periódico de São Leopoldo.

1945 - Nasce o primeiro filho do casal, Luiz Carlos Prado.

1947 - O segundo filho do casal, Luiz Alberto Prado, vem ao mundo.

1949 - Nasce Maria Luiza Luz do Prado.

1958 - Nasce Carmen Silvia Prado (futuramente Nogueira).

1963 - Falecimento de Luiz Bastos do Prado, esposo de Maria Dinorah.

1964 - Maria Dinorah muda - se com os filhos para Porto Alegre. Leciona e estuda à noite, na Faculdade Porto - Alegrense de Letras.

1965 - 1989 - Trabalha como professora alfabetizadora na Escola Dom Diogo de Souza, em Porto Alegre. Foi também professora de português na Escola Agrícola de Cachoeirinha.

1970 - Passa a colaborar no Jornal do Comércio, com a página infantil Com Mercinho.

1973 - Publica a coleção infantil Pirulin. Assume o cargo de Coordenadora do Setor de Promoções Culturais da Secretaria de Educação do Estado do Rio Grande do Sul.

1975 - O macaco preguiçoso recebe o prêmio Os Melhores de 1975, pela Associação Paulista de Críticos de Arte, São Paulo.

1975 - Toma posse na Academia Literária Feminina do Rio Grande do Sul, no dia 11 de novembro., ocupando a cadeira número 36.

1978 - Casa - se com Francisco Belvedere.

1979 - Maria Dinorah faz doação de livros para a sede da administração do Parque Moinhos de Vento (Porto Alegre), resultante de uma mobilização popular junto a empresas e instituições diversas.

1982 - As obras A fábrica de gaiolas, Solidão e mel, e Uma e uma, recebem o Prêmio Guararapes da União Brasileira de Escritores, São Paulo.

1985 - A inauguração da Biblioteca Ecológica Infantil Maria Dinorah ocorre no dia 9 de novembro no Parque Moinhos de Vento, tornada oficial pelo Decreto de Nº 1.847 de 26 de fevereiro de 2008. A biblioteca possui um acervo de mais de 2.000 livros, de educação ambiental, didáticos, jogos pedagógicos e uma coletânea de gibis.

1988 - Organiza e apresenta o programa Viva o Livro, na Rádio Feplan/RBS/PA, comentando a produção de livros de literatura infanto - juvenis no país.

1989 - Em homenagem da Câmara Rio - Grandense do Livro, de Porto Alegre, é a primeira mulher patrona da Feira do Livro.

1992 - Lança a obra Geometria de sombra, editado pelo Instituto Estadual do Livro, e recebe os prêmios Jabuti, da Câmara Brasileira do Livro e Imprensa Oficial, e Jorge de Lima, do Instituto Nacional do Livro.

1993 - Separa - se de Francisco Belvedere.

1996 - Participa, em Lisboa, de seminário no Instituto Jean Piaget, a convite de Portugal, por ter participado do concurso internacional de poesias para crianças. É a única representante do Brasil.

1998 - Recebe o título Amigo do Livro, pela Câmara Rio - Grandense do Livro.

2001 - Viagem à Feira do Livro de Frankfurt (Alemanha) e de Londres (Inglaterra). Vai a Paris.

2007 - Em 15 de dezembro, Maria Dinorah vem a falecer, em Porto Alegre, no Hospital Luterano, em decorrência de complicações respiratórias.

2009 - Em 14 de julho, a Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul recebe o acervo de Maria Dinorah, em doação de seus herdeiros. O espólio conta com documentos inéditos, manuscritos, cartas, fotografias, fitas de áudio, diplomas, peças teatrais, entre outros documentos.

 

Fontes:

- Website: www.mariadinorah.com.br
- Jornais:
* Correio Popular, São Paulo, 2 de novembro de 1979.*
* Diário de São Paulo, São Paulo, 23 de março de 1979.*
* Diário da Manhã, Ribeirão Preto - SP, 9 de março de 1979.*
- Documentos encontrados no Delfos - Espaço de Documentação e Memória Cultural - Biblioteca Central Irmão José Otão, da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul.
- Biografia manuscrita de Maria Dinorah, encontrada no Delfos.


Bibliografia do Autor

Alvorecer. 1944.
No tempo e na vida [S.l].: Própria, 1952.
Seara de luz. Porto Alegre: Globo, 1963.
Ensinando com poesia: estudos sociais e ciências naturais para o primeiro ano primário. Porto Alegre: Tabajara, 1968.
Educando para o trânsito. Porto Alegre. 1971.
Gramaticolândia: com nova ortografia. Porto Alegre, 1972.
Pinto verde e outras estórias. São Paulo: Bels, 1973.
A formiguinha e as festas da escola. Porto Alegre: SEC-SMED, Fin-Hab, 1974.
Catavento e outras histórias. Porto Alegre: Bels, 1974.
O macaco preguiçoso e outras histórias. Porto Alegre: Bels, 1975.
O coelho dim-dim e outras estórias. Porto Alegre: Bels, 1976.
Dedé. Porto Alegre: Bels, 1976.
Frufru. Porto Alegre: Bels, 1977.
A caranguejola do Zeca e outras histórias. São Paulo; Bels, 1977.
A medida do sorriso. São Paulo: Melhoramentos, 1978.
Felpudo e Olho Grande: mais outras histórias para brincar. Porto Alegre: Globo, 1979.
Hora nua. Porto Alegre: Movimento, 1980.
O cata-vento. Petrópolis: Vozes, 1980.
Três voltas de ciranda. São Paulo: Melhoramentos, 1980.
Simplesmente Maria. São Paulo: Melhoramentos, 1981.
O galo superdotado. São Paulo: Pioneira, 1982.
O vôo do pássaro e outras histórias. São Paulo: Melhoramentos, 1982.
Quando explodem as estrelas. São Paulo: Do Brasil, 1982.
A gaitinha do seu Zé. São Paulo: Pioneira, 1983.
Solidão e mel. Porto Alegre: Movimento, 1983.
Cantiga de estrela. Porto Alegre: Mercado Aberto, 1984.
Festa no parcão. Porto Alegre: Secretaria Municipal do Meio Ambiente, 1985.
Mata-tira-tirarei. Porto Alegre: L&PM, 1985.
Roda de chimarrão. Porto alegre: Tchê, 1985.
A falta que ela nos faz. São Paulo: Melhoramentos, 1986.
Barco de sucata. Porto Alegre: Mercado Aberto, 1986.
Boi boá. São Paulo: Melhoramentos, 1986.
Panela no fogo, barriga vazia. Porto Alegre: L&PM, 1986.
A coragem de crescer. São Paulo: FTD, 1987.
Futebol no céu. Porto Alegre: Tchê, 1987.
O livro na sala de aula: uma alternativa em educação e leitura. Porto Alegre: L&PM, 1987.
Tudinha. Porto Alegre: Tchê, 1987
O ontem do amanhã. São Paulo: Melhoramentos, 1988.
Um peixe muito sabido. Porto Alegre: Tchê, 1988.
A cesta de gatos. Porto Alegre: Ricel, s/d.
Flauta do silêncio. São Paulo: ícone, 1989.
Chapéu de vento. Porto Alegre: Tchê, 1989.
Seu Zé. Porto Alegre: Sulina, 1989.
Tudo pode, nada pode. Porto Alegre: Sulina, 1989.
Coragem de sonhar. São Paulo: Moderna, 1990.
Coração de papel. São Paulo: Moderna, 1990.
Guardados de afeto: repensando a alfabetização. Belo Horizonte: Lê, 1990.
Poesias para datas festivas da escola. Porto Alegre: Tabajara, 1990.
Dom gato.  Belo Horizonte: Miguilim, 1991.
Menino na avenida. São Paulo: Do Brasil, 1991.
Iara aruana. São Paulo: Do Brasil, 1991.
Tem que dar certo. São Paulo: Melhoramentos, 1991.
Meu verde mar azul. São Paulo: Moderna, 1992.
O ursinho azul. São Paulo: Moderna, 1992.
O parque. São Paulo: Moderna, 1992.
Pitangas e vaga-lumes. Belo Horizonte: Lê, 1992.
Pra falar de amor. São Paulo: Santuário, 1992.
Ver de ver. São Paulo: FTD, 1992.
Vinte pontos de uma vez. Belo Horizonte: Lê, 1992.
Meu gatinho. Rio de Janeiro: Memórias Futuras, 1993.
A flautinha do Pirulin. Petrópolis: Vozes, 1993.
Bom-dia, Maria! Petrópolis: Vozes, 1993.
Ecocirandinha. Porto alegre: Mercado Aberto, 1993.
Geometria das sombras. Rio de Janeiro: Instituto Estadual do Livro, 1993.
O poema da flor. Petrópolis: Vozes, 1993.
O território da flor e outras histórias. São Paulo: Melhoramentos, 1993.
Dona raposíssima da silva. São Paulo: Melhoramentos, 1994.
Piá também conta causo. Porto Alegre: Tchê, 1994.
História de fadas e prendas. São Paulo: Ática, 1994.
Dengue-dengue cara de merengue. Porto Alegre: Globo, 1995.
Giroflê, giroflá. Belo Horizonte: Lê, 1995.
O livro infantil e a formação do leitor. Rio de Janeiro: Vozes, 1995.
Que falta ela nos faz. Belo Horizonte: Lê, 1995.
Um pai para Vinícius. São Paulo: FTD, 1995.
Semente mágica. Porto Alegre: EU, 1996.
Verso e reverso. São Paulo: Paulinas, 1996.
História para vovó dormir [S.N.E.]
O desafio da liberdade. Belo Horizonte: Dimensão, 1997.
Um amor de lagartixa. Caxias do Sul: Maneco, 1997.
Poesia sapeca. Porto Alegre: L&PM, 2002.
Dobrando o silêncio. Porto Alegre: Editora AGE, 1997.
A lagoa encantada. Caixas do Sul: Maneco, 1998.
Os gêmeos. Porto Alegre: Editora da Universidade/UFRGS, 1999.