Acervos:



Cartilhas, seletas e
outros materiais de leitura

Apresentação   |    Álbum de Imagens   |    Acervo

Composto por diversos materiais destinados ao ensino e à prática da leitura, este acervo tem um grande valor histórico e cultural. É notória a sua importância para a documentação da evolução do processo de ensino e aprendizagem no País. Encontram-se também preciosos marcos da história do Brasil e do uso da literatura. Cultura, política, ideologias pedagógicas e costumes sociais acompanham de modo explícito ou não os processos de alfabetização, as lições de leitura.

Entre as diversas obras das quais se compõe o acervo encontram-se títulos emblemáticos para a trajetória das cartilhas de alfabetização como a Cartilha Maternal, idealizada por João de Deus, uma das primeiras publicadas no Brasil, e a Caminho Suave, de Branca Alves de Lima, que está entre as mais utilizadas. Presentes há muito tempo nas escolas brasileiras, as cartilhas têm sido instrumento fundamental no ensino e na aprendizagem, sendo inclusive material de referência para diversas teses e pesquisas no âmbito da educação, da linguística, etc. Constituídas do sistema silábico (o famoso “Ivo viu a uva”), ou utilizando sofisticados versos e trava-línguas, as cartilhas foram e são presenças marcantes em sala de aula.

A existência de algumas obras recentes, em sua maioria livros escolares, concede um nível de abrangência que faz do acervo um vasto campo de observação das transformações da alfabetização ao longo do tempo. As mudanças ocorridas tanto no ensino quanto nas características dos alunos, seus interesses, gostos e particularidades, podem ser evidenciadas nos novos materiais, que são visualmente atrativos, têm conteúdos mais pragmáticos, próximos dos dias atuais, da rotina de crianças acostumadas com a internet.

O material utilizado no MOBRAL (Movimento Brasileiro de Alfabetização), que também está presente no acervo, traz em suas páginas importantes marcas de um período conturbado da história de nosso País, sendo um importante objeto de análise das interações entre sala de aula, política e sociedade. Mais que uma ferramenta de ensino, configura-se como marca de uma geração. Impossível não perceber ideologias e conceitos políticos no modo de alfabetizar jovens e adultos.

As cartilhas de leitura e livros de teoria literária também merecem seu destaque. É possível encontrar legítimas raridades, obras de conteúdo variado, oferecendo a seus leitores desde seletas de grandes mestres da literatura até preces e textos de cunho religioso, por exemplo, obra Através do Brasil de Olavo Bilac e Manuel Bonfim, protagonizada por dois jovens irmãos que atravessam diversos estados em busca de seu pai desaparecido. O livro explicita com propriedade os conceitos pedagógicos do início do século XX, focados na educação cívica e moral, no patriotismo. Foi utilizado por muitos anos em escolas de todo o país. Ao conter livros que oferecem e conceituam a literatura, o acervo apresenta um panorama das formas de tratamento da arte da palavra a crianças e jovens.

A presença de gramáticas antigas oferece um vasto campo para pesquisas cientificas no âmbito da linguagem. A diferença na grafia de algumas palavras é apenas uma amostra dos diversos aspectos interessantes e pitorescos desses documentos, que constituem uma excelente ferramenta para a compreensão da evolução permanente da língua.

O acervo também oferece materiais para a compreensão e a pesquisa da literatura nos processos de ensino, especialmente no período da alfabetização. Ao reunir materiais representativos da trajetória do ensino da leitura, reúne também um painel da sociedade, pois cada um dos livros traz consigo características de seu tempo.


Lista com algumas das obras do acervo de cartilhas

Campos, Anita Souza. Brasileirinho do amanhã : cartilha .São Paulo: Pedagógica Brasileira, [1978?].

Lourenço Filho, Manuel Bergström. Cartilha do povo : para ensinar a ler rapidamente. São Paulo: Melhoramentos,1978.

Ministério da Educação e Cultura. Roteiro alfabetizador Rio de Janeiro; Bloch, 1978.

Rebêlo, Marques. Cartilha o cruzeiro Rio de Janeiro: Cruzeiro, 1978.

Souza, Anna Amélia Amaral de. Aventuras em alfabetização : livro 1B : plano de aula Rio de Janeiro: Waldyr Lima,1978.

Tavares, Oneide de Souza. Ler e aprender com Leni e Mário São Paulo: Monumento, 1978.

Oliveira, Maria do Carmo Maia de . Leiturinhas : iniciação à leitura silenciosa Rio de Janeiro: Livro Técnico, 1979.

Olavo, Bilac. Através do Brasil: livro de leitura para o curso médio das escolas primárias. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1939.

Nunes, José de Sá. Língua Vernácula: gramática e antologia. Porto Alegre: Globo, 1941.

Alvarenga, Lúcia. Seleta para o curso de admissão: trechos de autores brasileiros. São Paulo: Companhia Nacional, 1941.

Kruel, Yolanda Betim Paes Leme de. Nova cartilha moderna Porto Alegre: Globo, 1981.

Souza, Joanita . Brincando com as palavras : comunicação e expressão : primeiro grau 1. série São Paulo: Ed. do Brasil ,1981

Persuhn, Janice Janet. Escrevivendo : comunicacao e expressao : primeiro grau : 2ª serie São Paulo: Ed. do Brasil, 1982.

Marote, João Teodoro d’Olim ABC : cartilha São Paulo: Ática,1983.

Rialva, Rita Amil de. Minhas lições : cartilha Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1984.

Setubal, Maria Alice. Letra viva : programa de leitura e escrita : alfabetização Belo Horizonte: Formato, 1994.

Cócco, Maria Fernandes . ALP: análise, linguagem e pensamento: um trabalho de linguagem numa proposta socioconstrutivista São Paulo: FTD, 1995.

Garcia, Regiane Cristina . A toca do tatu : alfabetização: cartilha São Paulo: Saraiva, 1995.

Bragança, Angiolina Domanico. Porta de papel : língua portuguesa : 1 São Paulo: FTD, 1996.

Bragança, Angiolina Domanico. Viva vida: alfabetização São Paulo FTD, 1996.

Correia, Maria Emília. Cartilha : como é fácil!: alfabetização São Paulo: Scipione, 1996.

Luna, Claudia Maria. Idéias em contexto : língua portuguesa São Paulo: Ed. do Brasil, 1997.

Portes, Branca. Roda pião : alfabetização Belo Horizonte: Formato, 1997.

Batista, Zizinha. Mergulho : alfabetização São Paulo: Ed. do Brasil, 1998.