Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul

Cursos,Especialização,Extensão,MBA,Idiomas,Educação,Vestibular,Pós-Graduação,Educação

Cursos

Graduação

Pós-Graduação

MBA

Vestibular

Prêmio Jovem Cientista recebe trabalhos de graduação, mestrado e doutorado

Inscrições estão abertas até 31 de julho, e estudantes do Ensino Médio também podem participar

11/07/2018 - 12h01

2018_05_07_premio_jovem_cientista(907x520)Estão abertas até 31 de julho as inscrições de trabalhos para o Prêmio Jovem Cientista 2018, promovido pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq). Em sua 29ª edição, a premiação tem como tema Inovações para Conservação da Natureza e Transformação Social, e apresenta três categorias: Mestre e doutor, estudante do Ensino Superior e estudante do Ensino Médio. O Prêmio será entregue até dezembro de 2018, em cerimônia no Palácio do Planalto. Os três melhores de cada categoria serão agraciados com bolsas integrais de estudo do CNPq, no valor total correspondente a R$ 775 mil. Mais informações sobre o regulamento para envio de trabalhos e o Prêmio Jovem Cientista 2018 podem ser obtidas neste link.

A pesquisa na Graduação

A diretora de Pesquisa da PUCRS, Fernanda Morrone, ressalta a importância do estímulo à pesquisa no Brasil, principalmente na graduação. “O ano de 2018 tem trazido muitos desafios, o que chama a atenção para a urgência de pesquisas de impacto para a sociedade. Os jovens empenhados em atividades do tipo adquirem conhecimentos e habilidades relacionadas ao desenvolvimento tecnológico e de processos de inovação, que poderão ser revertidos para a solução de problemas”, afirma. O Prêmio Jovem Cientista, para ela, também é uma oportunidade para revelar novos talentos.

A pesquisa na Pós-Graduação

prêmio jovem cientista 2018, pesquisa, pesquisadores, prêmio, cientistasNo Brasil, a pesquisa é desenvolvida predominantemente nos programas de mestrado e doutorado das instituições de ensino superior. É o que afirma o diretor de Pós-Graduação da PUCRS, Christian Kristensen. “Sem investimento em ciências, tecnologia e inovação, não é possível assegurar desenvolvimento social ou econômico em nosso país em médio e logo prazo”, defende. Ele garante que, para os discentes e egressos dos programas de Pós da Universidade, as vantagens em se inscrever em prêmios do tipo estão centradas em ao menos quatro aspectos: divulgação da pesquisa realizada, oportunidades para o seguimento da formação através de bolsas, incentivo financeiro e reconhecimento acadêmico.


Dicas para os concorrentes

Para o coordenador de Iniciação Científica da Universidade, Júlio César Bicca-Marques, o envolvimento em pesquisas é de extrema importância, pois capacita os alunos a integrarem teoria e prática, bem como a desenvolverem os métodos e o espírito crítico necessários para a promoção de soluções e avanços científicos. Como dica para os interessados em se inscrever, ele sugere que as propostas abordem o problema com realismo e transmitam confiança na resolução, sempre escritas com precisão gramatical. “Considerando o tema, um texto escrito com rigor científico, mas que inclua uma dose de ‘coração’ com sabedoria pode fazer a diferença”, ressalta. Ainda segundo Bicca-Marques, acima dos prêmios para os três melhores classificados, os concorrentes devem pensar no concurso como uma oportunidade de ter suas ideias divulgadas e avaliadas por especialistas.

 

Um vencedor na PUCRS

izete zanesco, adriano moehlecke, energia solar, células fotovoltaicas, módulos fotovoltaicos

Foto: Bruno Todeschini

Em 2002, o professor da Escola de Ciências e coordenador do Núcleo Tecnológico de Energia Solar da PUCRS Adriano Moehlecke conquistou o primeiro lugar na categoria graduado, com trabalho sobre células solares para a produção de energia elétrica. Como explica Moehlecke, além do prêmio em espécie, a conquista foi muito importante, pois proporcionou que a tecnologia premiada, assim como novos projetos de energia solar fotovoltaica, fossem amplamente apresentados. Ele cita como exemplo o projeto que surgiu em 2004, financiado pelo então Ministério da Ciência e Tecnologia, a Financiadora de Estudos e Projetos (FINEP), a Petrobras, a Eletrosul e a Companhia Estadual de Energia Elétrica (CEEE), com o objetivo de transferir essa tecnologia para uma planta piloto de produção, e que totalizou aproximadamente R$ 6,6 milhões em investimentos.

 

Mais informações

A inscrição e a submissão dos trabalhos científicos são feitas individualmente e, nas categorias de Mestres e doutores e de estudantes do Ensino Superior, devem ser realizadas exclusivamente no site do Prêmio. Os resultados serão divulgados em novembro de 2018, em uma coletiva de imprensa realizada em Brasília (DF) e também publicados no site.

Compartilhe

Outras notícias Veja todas as notícias

  • Últimas publicadas
  • Mais lidas