Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul

Cursos,Especialização,Extensão,MBA,Idiomas,Educação,Vestibular,Pós-Graduação,Educação

Cursos

Graduação

Pós-Graduação

MBA

Vestibular

Iniciativa em prol de crianças do Hospital busca doações

Projeto Alegria Sobre Rodas prioriza o desenvolvimento lúdico de menores em atendimento ambulatorial

17/05/2017 - 08h00

Alegria sobre rodas“Crianças e adolescentes que precisam enfrentar atendimentos ambulatoriais em hospitais passam por diversos desafios. Frequentemente acabam desvinculando-se da escola, de amigos e colegas, prejudicando seu desenvolvimento geral, cognitivo, psicomotor e social, sem falar no déficit lúdico”. Quem descreve a situação é o professor Sani Belfer Cardon, da Escola de Humanidades e da Faculdade de Educação Física e Ciências do Desporto. Ele é um dos coordenadores do projeto Alegria Sobre Rodas, que proporciona atividades lúdicas para menores que frequentam o Hospital São Lucas da PUCRS sob essas condições.

A iniciativa tem o intuito de tornar mais leves os momentos passados nas salas de espera do Hospital, humanizando-os através da ludicidade. Voluntários treinados realizam atividades com as crianças, utilizando uma brinquedoteca e uma biblioteca móveis. Há dois meses, o projeto foi posto em prática de maneira provisória. A Escola de Humanidades emprestou tablets e uma parcela da verba do seu programa de pós-graduação para a construção dos carrinhos temporários de brinquedos e livros. Agora, os idealizadores do programa buscam uma maneira de arcar com seus custos definitivos.

A Agência de Gestão Tecnológica (AGT), uma das estruturas de estímulo e viabilização de projetos da PUCRS, atua no processo de captação de recursos e na execução do projeto, o auxiliando em sua divulgação e na busca de empresas que o apoiem. Para a arrecadação dos fundos, foi criada uma página de financiamento coletivo na plataforma Catarse, através da qual todos podem contribuir. Lá estão elencados os valores necessários para a execução do Alegria Sobre Rodas e para o que serão destinados. A construção dos carrinhos dentro das normas técnicas exigidas pela área de higienização hospitalar, a compra de brinquedos, materiais gráficos e tablets e a confecção dos uniformes dos denominados “pilotos da alegria” são algumas das finalidades da arrecadação.

Para contribuir financeiramente, acesse este link. Interessados em ser voluntários podem entrar em contato com o professor Sani Cardon através do e-mail scardon@pucrs.br. Outras informações sobre o projeto podem ser consultadas na página do Alegria Sobre Rodas no Facebook.

 

Sobre o projeto

Alegria sobre rodasA ideia surgiu através de uma iniciativa da também coordenadora do projeto Bettina Steren dos Santos, decana associada da Escola de Humanidades. Os idealizadores visitaram o Hospital e identificaram a necessidade de realizar atividades com as crianças que esperavam atendimento ambulatorial.

O programa conta com a participação de diversas áreas da Universidade, envolvendo alunos do curso de Pedagogia, da Especialização em Psicopedagogia Clínica e Institucional, da Faculdade de Educação Física e Residentes de diferentes áreas. A Escola de Humanidades abriga um grupo significativo de colaboradores. O projeto gráfico do Alegria Sobre Rodas foi desenvolvido pelo Espaço Experiência, laboratório de comunicação da Faculdade de Comunicação Social. Já a projeção dos carrinhos provisórios de brinquedos e livros foi feita pelo professor Paulo Ricardo Bregatto, da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo.

Atualmente, cerca de 60 crianças são atendidas no Hospital São Lucas, de segunda a sexta-feira, nos períodos da manhã e da tarde. Elas se dividem em duas salas: a do convênio e a do Sistema Único de Saúde (SUS). O projeto conta com 12 voluntários, mas os coordenadores pretendem ampliar este número. “Pessoas de qualquer curso podem participar, desde que encontrem alguma forma de colaboração e se identifiquem com crianças”, informa o professor Cardon. O retorno, após os primeiros 60 dias de ações, tem sido positivo. “Já percebemos menos choro e menos correria nas salas. As crianças ficam mais tranquilas”, conclui.