Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul

Cursos,Especialização,Extensão,MBA,Idiomas,Educação,Vestibular,Pós-Graduação,Educação

Cursos

Graduação

Pós-Graduação

MBA

Vestibular

A hora de dormir: ajudando crianças e pais

Obra dá dicas de como transformar o sono em um momento tranquilo

Por: Greice Beckenkamp Pires

28/03/2016 - 10h43

Por que não gosto da hora de dormir?Assunto que preocupa muitos pais, o sono de bebês e crianças está sempre nas rodas de conversas de quem tem filhos pequenos. Mas, com a ajuda da família, a hora de dormir pode ser um momento prazeroso, com bastante tempo de sono. Este é o propósito da neuropediatra e professora da Faculdade de Medicina da PUCRS Magda Lahorgue Nunes e da psicóloga e doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Medicina e Ciências da Saúde da Universidade Luciana Tisser, que lançaram a obra Por que não gosto da hora de dormir?, da editora Sinopsys. Com uma linguagem leve e didática e muitas ilustrações, o livro é direcionado às crianças, mas pode também ser lido pelos pais, e dá dicas simples e práticas para auxiliar este momento.

Segundo Magda, estudos mostram que de 5 a 30% da população de 0 a 19 anos tem problemas de sono. E o papel dos pais é primordial: são eles que devem estabelecer a rotina, em que todos os dias a criança faz o mesmo processo antes de ir para a cama, no mesmo horário, o que a deixa mais segura por saber o que vai acontecer. Luciana lembra que, além da falta de rotina, os vilões são os hábitos familiares inadequados no processo de adormecimento, a má alimentação e a ansiedade – tanto infantil quanto dos pais e cuidadores.

Muitos costumes considerados inofensivos acabam prejudicando a qualidade do sono, como assistir desenhos antes de dormir. “Os eletrônicos hiper-excitam o cérebro e a luz emitida por eles informa inadequadamente o organismo que ainda é dia. Quando escurece, começa a produção de melatonina, que prepara para o adormecimento. Estes aparelhos confundem e atrapalham esta produção”, afirma Luciana. O ideal é manter os pequenos longe da TV, tablets e smarthphones de uma a duas horas antes de ir para a cama.

E o que é considerado normal para cada faixa etária? Magda esclarece que, no primeiro mês, o bebê tem o ciclo de dormir, acordar e mamar repetidamente. A partir do segundo mês, já consegue diferenciar o dia e a noite. Já depois do sexto ou sétimo mês, uma criança saudável e com um bom ganho de peso pode dormir dois grandes intervalos durante a noite, acordando somente uma vez para mamar. Já a partir de um ano, não é mais necessário despertar para mamar durante a noite.

Para os maiores, os grandes vilões são o medo e os pesadelos: “Quando eles se tornam muito repetitivos, talvez seja necessário um acompanhamento psicológico”, lembra a pesquisadora. Além disso, a insônia (dificuldade para dormir ou acordar várias vezes durante a noite) e as situações em que a criança associa o ato de dormir a alguma pessoa, ação ou objeto podem atrapalhar o sono, e são caracterizados como aspectos comportamentais. “A privação do sono traz prejuízos cognitivos e comportamentais, como irritabilidade e falta de concentração”, ressalta.

Há, porém, casos de doenças mais graves ligadas ao tema, como a Síndrome da Apnéia Hipopnéia Obstrutiva do Sono, em que a pessoa para de respirar momentaneamente enquanto dorme. “Quando a doença é crônica e não tratada, pode levar a problemas pulmonares, cardíacos e ao déficit cognitivo” alerta Magda.

Bebê dormindo

Foto: fujikama/pixabay.com

Pesquisas na área

Uma das mais recentes pesquisas feitas na área, na PUCRS, divulgada no The Journal of Pediatrics no final do ano passado, concluiu que as crianças de 1 a 4 anos que dormem menos de dez horas por noite são mais propensas a ter excesso de peso ou obesidade. A dissertação de mestrado da aluna do Programa de Pós-Graduação em Medicina e Ciências da Saúde, Camila El Halal, foi orientada pela professora Magda.

Outra pesquisa inédita está em fase de coleta de dados e busca fazer uma avaliação do sono de crianças e adolescentes brasileiros, de 0 a 19 anos. Pais podem participar respondendo a um questionário disponível no link j.mp/1sK1qzE. Também orientada por Magda, a pesquisa Avaliação das características do sono e prevalência de distúrbios em crianças e adolescentes brasileiros: estudo de base populacional integra a tese de doutorado da aluna Geciely de Almeida, do Programa de Pós-Graduação em Pediatria e Saúde da Criança da PUCRS.