Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul

Cursos,Especialização,Extensão,MBA,Idiomas,Educação,Vestibular,Pós-Graduação,Educação

Cursos

Graduação

Pós-Graduação

MBA

Vestibular

Graça Machel destaca o valor do ser humano no Fronteiras do Pensamento

Conferência abriu a temporada 2019 do evento que tem apoio cultural da PUCRS

14/05/2019 - 17h29
Fronteiras do Pensamento, Graça Machel

Graça Machel é uma ativista reconhecida pela luta pelos direitos dos negros, mulheres e crianças. Foto: Luiz Munhoz

“Esqueçam que sou negra, africana e mulher. Lembrem que sou apenas um ser humano como vocês”, ressaltou Graça Machel ao dar início à primeira conferência do Fronteiras do Pensamento em 2019, evento com apoio cultural da PUCRS. A ativista moçambicana apresentou como tema do seu encontro O respeito pela dignidade humana, causa pela qual milita há décadas, defendendo a igualdade de raça, de gênero e o direito ao credo em diferentes religiões, reforçando que todos são iguais, independente das formas externas e diversas identidades. “Morremos e nascemos do mesmo jeito”, lembrou Graça, na noite desta segunda-feira, 13 de maio, no Salão de Atos da UFRGS.

A partir do tema do Sentido da Vida, proposto pelo Fronteiras, Graça trouxe questões relacionadas com a natureza do corpo e como todos os seres humanos estão ligados pela “faísca da vida”, criada no momento do nascimento. Ela destacou a importância da diversidade, ainda que diferenciação na “fabricação” não deva estabelecer caráter de valor. Além disso, apontou que ainda não foi possível esclarecer todos os mistérios do universo, por isso acredita na existência de uma força superior, fruto das religiões.

A normalização da estratificação social

Fronteiras do Pensamento, Graça Machel

Graça defendeu a importância de ouvirmos a natureza. Foto: Luiz Munhoz

Um dos pontos enfatizados por Graça foi a aceitação mútua entre os seres humanos. Na sua leitura, lamentou a guerra contra pobres, mulheres, regiões em desenvolvimento e contra a natureza, argumentando que isso cria barreiras psicológicas e estratificação. Para ela, quando outro ser humano é privado da sua dignidade, é a dignidade de todos que está em jogo.

Graça também declarou que não há país no mundo que possa dizer que trata as mulheres como seres humanos completos. “É motivo de celebração quando se tem 30% ou 40% de mulheres no senado. Mas por que não pode ser 50%? Até para as mulheres já se tornou normal aceitar essa condição”, pontuou. Ainda, lembrou que os negros são desconsiderados na hora de criar leis que afetam a sociedade, mas que essa população é de extrema importância e tem muito a acrescentar no desenvolvimento, e instigou a plateia ao questionar: “Nós aceitamos ou provocamos essas diferenciações? ”.

“A natureza está zangada e nos manda sinais”

Ao longo de sua fala, Graça conceituou a Natureza como uma entidade que criou o ser humano e os recursos para que ele possa viver em harmonia. Em relação às catástrofes climáticas, disse que “a natureza está zangada e nos manda sinais”. Enfatizou a necessidade de viver em equilíbrio, afirmando que a Natureza fez a “máquina tão perfeita, que é o corpo humano”. A ativista colocou em questão a relevância dos itens básicos à sobrevivência e ao conforto em relação à ganância que tem destruído os recursos naturais. “A família humana decidiu que ter o necessário não era o suficiente. Com isso, nasceram os excessos e a acumulação. Instituímos relações de poder em que uns podem se impor sobre os outros, julgando-se superiores”, refletiu.

Fronteiras do Pensamento, Graça Machel

Graça atentou para a importância de valorizar o lado humano. Foto: Luiz Munhoz

Próximas gerações e movimentos sociais

Graça afirmou que todas as gerações têm seus desafios, e que “as próximas precisam redefinir agora o seu objetivo e o porquê de nós, seres humanos, existirmos”. Ela acredita que, apesar das facilidades promovidas pelas novas tecnologias, as pessoas necessitam de uma comunicação olho no olho, para lembrarem-se da “faísca da vida”, termo mencionado diversas vezes em seu discurso.

Um de seus temas preferidos também foi abordado: o ativismo dos movimentos sociais, lançando algumas perguntas ao público: “O que enriquece a nossa estadia (na Terra)? Como tocamos o coração uns dos outros? Como compartilhar? Quais as nossas causas? ”. Trazendo seu exemplo de vida, recordou: “Foram os movimentos sociais que permitiram ao meu país, Moçambique, ser livre, porque tínhamos uma causa pela qual lutar”.

Tolerar versus aceitar

Ao final da conferência, Graça foi questionada pelo jornalista Tulio Milman sobre a diferença entre tolerar e aceitar, conceitos que elaborou ao longo da apresentação. A moçambicana argumentou que tolerar cria um elemento de tensão e implica em juízo de valor sobre a outra pessoa, diferentemente de aceitar, quando se reconhece o direito e escolha do outro. “Temos papéis, mas nenhum é superior ao outro”, explicou Graça, sob os aplausos da plateia.

Histórico

Fronteiras do Pensamento, Graça Machel

O Fronteiras do Pensamento de 2019 aborda o tema Sentidos da Vida. Foto: Luiz Munhoz

Graça Machel tem uma longa história de luta pelos direitos internacionais dos negros, das crianças e das mulheres. Esteve presente na Frente de Libertação de Moçambique (Frelimo) e durante a Luta Armada da Libertação Nacional. Em 1976, ao lado do então marido e presidente de Moçambique, Samora Machel (1933 – 1986), foi ministra da educação e da cultura. A ativista foi nomeada pela Organização das Nações Unidas (ONU), na década de 1990, para o Estudo do Impacto dos Conflitos Armados na Infância, trabalho reconhecido com a Medalha Nansen, concedida pelo Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR), em 1995. Sua atuação aproximou-a do seu segundo marido, Nelson Mandela, com quem viveu de 1998 até o falecimento líder sul-africano, em 2013.