Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul

Cursos,Especialização,Extensão,MBA,Idiomas,Educação,Vestibular,Pós-Graduação,Educação

Cursos

Graduação

Pós-Graduação

MBA

Vestibular

Do tradicional ao digital: A visão empreendedora de Heini Zachariassen

Professor do Pós PUCRS Online fundou o Vivino, app mais popular do mundo em vinhos

05/08/2019 - 12h08
Entrevista com Heini Zachariassen, Tecnopuc, Vivino

Heini Zachariassen é professor do MBA em Transformação Digital e Futuro dos Negócios, do Pós PUCRS Online / Foto: Bruno Todeschini

Fundador do Vivino, aplicativo de vinhos mais baixado no mundo, Heini Zachariassen esteve na PUCRS na última quinta-feira, dia 1º de agosto. O empresário dinamarquês é um dos grandes visionários do Vale do Silício, na Califórnia, contabilizando mais de 36 milhões de usuários ao redor do mundo. Zachariassen participou do Gramado Summit, em uma parceria especial do evento com a Universidade, o Parque Científico e Tecnológico (Tecnopuc) e a UOL EdTech.

A palestra do empresário marcou a primeira aula da disciplina Mindset Digital e Lean Canvas, do MBA em Transformação Digital e Futuro dos Negócios, do Pós PUCRS Online. Pela primeira vez no Brasil, Zachariassen considera os brasileiros entusiastas do mundo do vinho e vê no País muito potencial de crescimento. Sem receitas prontas para o sucesso, o empreendedor é enfático: para alcançar o êxito, é preciso estar pronto para trabalhar muito e persistir nos momentos de dificuldade. Confira outros conselhos na entrevista exclusiva ao Portal PUCRS.

 

Como surgiu a ideia do aplicativo Vivino?

Eu nunca fui um conhecedor de vinhos. Eu sou mais da área técnica, talvez eu deveria ter ido para a área de negócios, mas sempre fui visto mais como engenheiro por causa da minha formação. Meu problema era que quando eu ia ao supermercado, havia sempre uma infinidade de tipos de vinho na prateleira e eu não sabia o que comprar. E eu queria resolver esse problema. Se desejava assistir a um filme, por exemplo, eu buscava facilmente avaliações online, mas em relação a vinhos não havia nada. Então, assim, surgiu a ideia de criar uma base de dados, com avaliações de todos os vinhos. Inicialmente, era um website, minha ideia originalmente. Porém, ao longo do processo, vimos que isso realmente poderia dar certo e começamos a construir o aplicativo. Ou seja, tudo iniciou de um problema pessoal que eu queria solucionar.

“Tivemos que construir tudo do zero, manualmente. Mas, claro, essa também é a razão de ninguém ter feito isso antes”

 

Quais foram os maiores desafios enfrentados enquanto construía seu negócio?

O maior desafio foi, sem dúvida, não ter absolutamente nenhum dado para começar. Se você olhar, hoje nosso aplicativo conta com uma base de dados de mais de 10 milhões de vinhos, produzidos por mais de 200 mil produtores. Até então não existia nenhum tipo de informação disponível online sobre isso. Nós tivemos que construir tudo do zero, manualmente. Mas, claro, essa também é a razão de ninguém ter feito isso antes.

 

São mais de 36 milhões de usuários. Por que você acha que o Vivino tem se popularizado tanto entre os amantes do vinho?

Acho que conseguimos nos dar conta rapidamente do que as pessoas queriam. Realmente não é tão complicado, apesar de ser difícil de ser feito. Quando você está no supermercado quer saber: esse vinho é bom ou ruim? Essa é a única coisa que importa. Então, focamos toda nossa energia construindo informações sobre isso.

“Conseguimos nos dar conta rapidamente do que as pessoas queriam”.

 

Que conselho você gostaria de ter ouvido quando estava começando?

Entrevista com Heini Zachariassen, Tecnopuc, Vivino

Foto: Bruno Todeschini

Acredito que uma das coisas mais importantes para um fundador, e muito verdadeira para nós, é persistência, porque quando estou aqui, dando essa entrevista ou palestrando em alguma conferência, pode parecer que nossa empresa simplesmente deu certo e foi superfácil. Mas a verdade é que nós não tivemos nenhum tipo de ação nos primeiros 18 meses. Você apenas trabalha muito e pouco acontece. Portanto, é essencial que você continue se esforçando e acreditando no seu negócio. Continue. Não desista.

 

No Gramado Summit, você abordou a transformação de algo tradicional em um hábito digital. Quais são suas percepções sobre essa aproximação entre o offline e o online?

Nós sempre pensamos que tudo é colocado online automaticamente e eu não acredito que é isso que acontece. Acredito que as coisas só se popularizam online quando elas são melhores online. Por exemplo, as pessoas começam a compram livros online, quando é melhor do que comprar nas livrarias. E não é tudo automático. Portanto, para essa transformação acontecer, você precisa ter um produto online melhor do que na loja. Nós tivemos que aprender a vender os vinhos de forma mais assertiva e atrativa do que nas lojas ou supermercados.

“Acredito que as coisas só se popularizam online quando elas são melhores online”

 

Que conselho você daria aos nossos alunos que planejam trabalhar com tecnologia e inovação, especialmente inspirados nos negócios do Vale do Silício?

Muitas pessoas acham que a única maneira de construir uma carreira é trabalhar para uma grande empresa, seja aqui no Brasil ou no exterior. Mas especialmente quando você é jovem, quando está se formando, porque não tentar trabalhar em algo seu? Tente construir algo para si mesmo. Eu, pessoalmente, acho que é uma das coisas mais satisfatórias. Pode dar certo, pode não dar, mas com certeza será repleto de aprendizados.

“Tente construir algo para si mesmo. Pessoalmente, acho que é uma das coisas mais satisfatórias. Pode dar certo, pode não dar, mas com certeza será repleto de aprendizados”

 

Você vê um mercado atraente no Brasil? O que conhece sobre a produção de vinhos do País?

Entrevista com Heini Zachariassen, Tecnopuc, Vivino

Foto: Bruno Todeschini

Há um imenso nicho de mercado aqui no Brasil. Os brasileiros ainda consomem mais vinhos chilenos, argentinos e uruguaios. Entretanto, ainda que a indústria dos vinhos não seja enorme no País, o consumo é muito grande. E na minha visão está crescendo. O Brasil é o segundo país que mais baixa nosso aplicativo, representando 3,1 milhões de usuários. A razão disso, em nossa visão, é que além de ser um país grande, os brasileiros têm interesse em aprender mais sobre o assunto, fazendo com que nosso app seja muito útil. Inclusive, lançaremos em setembro no Brasil o serviço de compra online de vinhos, o que nos deixa muito animados por termos um grande público que utiliza o Vivino aqui.

“Queremos ir além das classificações e realmente entregar ao nosso usuário o que é bom para ele”

 

Quais são os planos para o Vivino?

Atualmente, o serviço de compra online está disponível em 50 países e estamos em constante expansão. Além disso, uma das maiores novidades é o desenvolvimento de melhores avaliações em nosso aplicativo. Queremos ir além das classificações e realmente entregar ao nosso usuário o que é bom para ele. Queremos apresentar o gosto de cada produto e compreender a preferência de cada usuário e combiná-los. Isso nunca foi feito antes e nós acreditamos que temos os dados necessários para fazer isso.